Empresa australiana de telecomunicações abandona Huawei diante de proibição da rede 5G

Por Richard Szabo

Uma empresa australiana de telecomunicações e tecnologia da informação tornou-se a mais recente a cortar seus laços com a empresa chinesa, a Huawei.

A TPG Telecom culpou sua decisão pela falha na oferta da Huawei de fornecer equipamento móvel para a nova rede celular 5G da Austrália. O governo australiano proibiu totalmente a participação da Telco e de sua concorrente ZTE na rede, devido a problemas de segurança em agosto de 2018.

Após uma análise cuidadosa e percebendo que a proibição da Huawei estava além de seu controle, a TPG anunciou que estava encerrando o lançamento de A$ 2 bilhões (US$ 1,43 bilhão) de sua rede móvel 5G equipada com a Huawei.

A companhia australiana disse ter tentado encontrar outras formas de projetar e implementar sua rede móvel 5G, baseada principalmente na arquitetura de pequenas células, desde a proibição da Huawei em agosto de 2018. A TPG havia selecionado a Huawei para fornecer o equipamento principal para sua rede por causa do “Caminho de atualização simples para 5G, usando o equipamento da Huawei”.

Mas a empresa diz que depois de investigar outras opções, “não faz sentido comercial investir mais fundos de acionistas (além do que já está comprometido) em uma rede que não pode ser atualizada para 5G”.

“É extremamente decepcionante que a estratégia clara que a empresa teve de se tornar uma operadora de rede móvel na vanguarda da 5G tenha sido desfeita por fatores fora do controle da TPG”, disse o presidente executivo da TPG, David Teoh, em uma declaração à Australian Securities Exchange. “Nos últimos dois anos, uma enorme quantidade de tempo e recursos foi investida na criação e entrega de uma estratégia que teria posicionado a TPG de forma muito favorável para explorar as oportunidades que o advento da 5G apresentará”.

Teoh havia dito a Fairfax em setembro de 2018 que, dado que como “não havia muitos fornecedores no mercado”, a proibição da Huawei “pressionava os preços”.

Wang Shuangyi, economista chinês do Instituto de Estudo da Economia e Cultura da China, escreveu em um artigo de dezembro de 2018 que a Huawei só conseguiu superar sua concorrência de preços ao “copiar, plagiar e roubar” tecnologia de entidades estrangeiras e de “fornecedores estrangeiros fora da China”.

A Huawei então usou seus lucros do mercado chinês e os diferentes tipos de subsídios da China para “exercer uma dominação ativa nos mercados estrangeiros”, disse Wang, chamando a Huawei de “esquema Ponzi” do Partido Comunista Chinês (PCC).

A TPG já investiu cerca de A$ 100 milhões (US$ 71,59 milhões) no lançamento de sua rede 5G e comprou equipamentos para 1.500 locais antes da proibição do governo australiano. A empresa já concluiu a implementação de um pouco mais de 900 sites de pequenas células até o momento.

A TPG, que planeja se unir à Vodafone Hutchison Australia em um negócio de US$ 10,74 bilhões, disse que continuará a lançar o equipamento que já havia encomendado à Huawei antes da proibição do governo. Mas parece que a empresa vai suspender a compra de mais equipamentos da Huawei.

A TPG e a Vodafone também gastaram A$ 263 milhões para comprar sua participação no espectro 5G do país na faixa de 3,6 GHz em um leilão de dezembro de 2018, e já haviam comprometido um adicional de A$ 30 milhões (US$ 21,47 milhões) em custos de construção.

A diretoria da TPG disse que não está pronta para anunciar sua decisão sobre a futura estratégia para as atuais participações do espectro da empresa. Todas as opções disponíveis serão cuidadosamente consideradas e o mercado será atualizado assim que a decisão for alcançada, segundo a TPG, de acordo com o comunicado.

“Enquanto a TPG continua comprometida com a fusão planejada com a Vodafone Hutchison Austrália, a empresa deve continuar a tomar decisões de negócios independentes no melhor interesse dos acionistas da TPG, na pendência do resultado do processo de fusão”, disse Teoh.

Embora o governo australiano nunca tenha mencionado especificamente quais empresas de comunicação seriam afetadas, a Huawei foi informada pelo governo de que foi incluída no banimento como fornecedor sujeito a “instruções extrajudiciais de um governo estrangeiro que entra em conflito com a lei australiana” o que deixaria a Austrália vulnerável a “acesso ou interferências não autorizadas”.

A Huawei Austrália disse que a proibição foi um “resultado extremamente decepcionante para os consumidores” em um post no Twitter datado de 23 de agosto de 2018. “Fomos informados pelo governo que a Huawei e a ZTE foram proibidas de fornecer tecnologia 5G para a Austrália”.

John Lord, presidente da Huawei Austrália, acredita que a proibição da Huawei “não tornará o ecossistema de telecomunicações australiano mais seguro”. No entanto, o amplo lobby da empresa não tem feito nada para aliviar as preocupações sobre o risco de espionagem pelo Partido Comunista Chinês.

De acordo com uma declaração de 23 de agosto, o ministro de Comunicações Mitch Fifield disse que, dado que 5G requer uma arquitetura de rede “significativamente diferente” do que as gerações móveis anteriores, ele fornece uma maneira de “contornar controles tradicionais de segurança, explorando equipamentos na borda da rede”. —Exploração que pode afetar a integridade e a disponibilidade geral da rede, bem como a confidencialidade dos dados do cliente. ”

A Huawei está sujeita a restrições semelhantes em outros países, incluindo os Estados Unidos, que acusaram criminalmente a empresa em 28 de janeiro por roubar segredos comerciais, fraudar bancos, obstruir a justiça e violar sanções comerciais contra o Irã.

Em uma de 13 acusações, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos acusou a Huawei, a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, e duas subsidiárias da Huawei – Huawei Estados Unidos e uma empresa de Hong Kong, Skycom Tech – de enganar um banco global e autoridades dos Estados Unidos sobre a natureza de suas relações comerciais sob as quais os negócios foram realizados com o Irã.

Em uma acusação separada de 10 contagens, os promotores norte-americanos acusaram a Huawei de roubar segredos comerciais, cometer fraude eletrônica e obstruir a justiça por supostamente roubar tecnologia robótica da T-Mobile para testar a durabilidade de smartphones.

“Os dois grupos de acusações expõem as ações descaradas e persistentes da Huawei para explorar empresas e instituições financeiras americanas e ameaçam o livre e justo mercado global”, disse o diretor do FBI, Christopher Wray, em entrevista coletiva em 28 de janeiro. Os executivos repetidamente se recusaram a respeitar a lei dos Estados Unidos e as práticas comerciais internacionais padronizadas. ”

Reportagem adicional da repórter do Epoch Times, Cathy He.

 
Matérias Relacionadas