Empresa chinesa Huawei representa risco significativo para as telecomunicações do Reino Unido

Está bem documentado que as empresas chinesas estão ligadas ao regime comunista

Por John Smithies, Epoch Times

LONDRES – O conselho que monitora o uso de tecnologia de comunicações da Grã-Bretanha feito pela empresa chinesa Huawei disse que só pode dar “garantia limitada” de que não representa uma ameaça à segurança nacional.

O relatório do Centro de Avaliação de Segurança Cibernética da Huawei (HCSEC) minimiza as avaliações anteriores de que quaisquer riscos da empresa chinesa foram “suficientemente mitigados”.

A Huawei é uma importante fornecedora de redes de banda larga e redes móveis na Grã-Bretanha, o que significa que seus produtos são usados ​​em infraestruturas nacionais críticas que podem ser alvos de adversários estrangeiros.

A empresa tem sido criticada nos Estados Unidos e na Austrália por estarem receosos de que isso poderia facilitar a espionagem do governo chinês.

Nos Estados Unidos, a Best Buy parou de estocar produtos da Huawei, e um potencial acordo com a operadora norte-americana AT & T entrou em colapso em janeiro.

O governo dos Estados Unidos proibiu a empresa de licitar contratos.

E na Austrália, o governo está planejando proibir a Huawei de fornecer equipamentos para sua próxima rede 5G, depois que as agências de inteligência alertaram que Pequim poderia forçar a empresa a entregar dados confidenciais.

O presidente chinês Xi Jinping (à frente – esquerda) realiza uma visita aos escritórios da empresa de tecnologia chinesa Huawei, conduzido pelo presidente Ren Zhengfei, em Londres, durante uma visita de estado em 21 de outubro de 2015 (Matthew Lloyd / AFP / Getty Images)

O relatório, divulgado na quinta-feira, 19 de julho, disse que há um “risco significativo na infra-estrutura de telecomunicações do Reino Unido” devido ao uso de equipamentos da Huawei.

Autoridades disseram que a HCSEC forneceu “expertise de segurança cibernética única e de classe mundial e garantia técnica”, mas também disseram que identificaram problemas técnicos que limitaram a capacidade dos pesquisadores de segurança de verificar o código interno do produto.

Também houve preocupações sobre a segurança de componentes de fornecedores externos que são usados ​​nos produtos da Huawei, segundo o relatório.

Risco a Longo Prazo

Tem havido “repetidas descobertas de falhas críticas … nas práticas e processos de engenharia da Huawei que causarão um aumento do risco a longo prazo no Reino Unido”, concluiu o relatório.

A Reuters informou que uma pessoa com conhecimento direto do trabalho da Huawei com o governo britânico disse que a nova avaliação de que o HCSEC agora só poderia fornecer garantia limitada foi uma “grande mudança, embora subestimada”.

A Huawei forneceu equipamentos de banda larga para o maior provedor de telecomunicações do Reino Unido, a BT, e redes móveis para a Vodafone. Tanto a BT quanto a Vodafone têm representantes no conselho de supervisão que produziu o relatório.

Seguranças próximos a um pilar com o logotipo da Huawei em um evento de lançamento do Huawei MateBook em Pequim (Mark Schiefelbein / AP / Foto de arquivo)

O HCSEC foi criado em 2010 em resposta às preocupações do governo britânico sobre possíveis ameaças à infra-estrutura nacional pela Huawei. Funcionários de segurança britânicos, inclusive da agência de espionagem do Government Communications Headquarters (GCHQ), participam de seu conselho de supervisão e relatam anualmente seu trabalho.

O centro é financiado e administrado pela Huawei, com um de seus funcionários, David Francis, atuando como diretor administrativo. No entanto, é monitorado por um conselho de supervisão, que relata suas atividades uma vez por ano.

O conselho de supervisão é presidido por Ciaran Martin, executivo-chefe do Centro Nacional de Segurança Cibernética, que faz parte do GCHQ, mas há quatro membros da Huawei também no conselho, bem como representantes do governo britânico.

Ligações com o regime comunista

Um representante do Centro Nacional de Segurança Cibernética disse em uma declaração por e-mail que estava “totalmente comprometida” com a supervisão da Huawei no Reino Unido.

“Esse governo e as operadoras de telecomunicações britânicas trabalham com a Huawei em casa e no exterior para garantir que o Reino Unido possa continuar se beneficiando de novas tecnologias enquanto gerencia riscos de segurança cibernéticos”, escreveu o representante.

A Huawei informou que é uma empresa privada que não está sob controle do governo chinês e não está sujeita às leis de segurança chinesas no exterior.

No entanto, está bem documentado que as empresas chinesas estão ligadas ao regime comunista. Muitos são obrigados por lei a estabelecer filiais do Partido que possam participar da tomada de decisões para garantir que as atividades da empresa estejam de acordo com as políticas do país.

Um relatório investigativo de 2012 sobre questões de segurança nacional dos EUA feitas pela Huawei e ZTE, outra grande empresa de telecomunicações chinesa, disse que “descobriu que a Huawei não cooperou totalmente com a investigação e não estava disposta a explicar sua relação com o governo chinês ou o Partido Comunista Chinês. ”

A Reuters contribuiu para este relatório.

 
Matérias Relacionadas