Embaixador da Liberdade Religiosa dos EUA se reúne com representantes do Falun Gong por perseguição do PCCh

“Ninguém merece sofrer assédio, tortura ou prisão por sua fé”

Por Rita Li 

Autoridades do Departamento de Estado dos EUA se reuniram com seis representantes da disciplina espiritual Falun Gong em 25 de abril para uma atualização sobre a perseguição contínua de décadas na China.

O dia marca o 23º aniversário de um apelo pacífico datado de 1999, quando cerca de 10.000 adeptos do Falun Gong, uma prática de meditação que foi introduzida pela primeira vez ao público no nordeste da China no início dos anos 1990, se reuniram em torno da sede do Partido Comunista Chinês em Pequim.

A tentativa de apelar às autoridades por um ambiente para praticar sua fé sem interferência ou assédio do Estado, no entanto, acabou sendo em vão e o regime logo lançou uma campanha de longa duração para erradicar o grupo espiritual, a qual continua até hoje.

“Ninguém merece sofrer assédio, tortura ou prisão por sua fé”, disse Rashad Hussain, embaixador-geral dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional, em uma publicação no Twitter, em 26 de abril. 

Um dia antes, Hussain condenou, em seu discurso de abertura, a perseguição implacável de Pequim aos praticantes do Falun Gong na China, classificando-a como inaceitável e intolerável, segundo o Minghui.org, um site que documenta a campanha de perseguição do PCCh contra o Falun Gong.

“O embaixador deixou clara sua intenção de ser muito incisivo ao confrontar o PCCh sobre a perseguição ao Falun Gong”, disse Levi Browde, diretor executivo do Centro de Informações do Falun Dafa, que também participou da reunião de 25 de abril, ao Epoch Times.

Levi Browde, sócio de uma empresa de software com sede em Manhattan e diretor executivo do Centro de Informações do Falun Dafa, fala em um comício do Falun Gong em 14 de maio de 2014 (Dai Bing/Epoch Times)
Levi Browde, sócio de uma empresa de software com sede em Manhattan e diretor executivo do Centro de Informações do Falun Dafa, fala em um comício do Falun Gong em 14 de maio de 2014 (Dai Bing/Epoch Times)

Um documento vazado mostrou que, mesmo com a luta para conter a pandemia na China, o regime comunista continuou perseguindo os adeptos do Falun Gong. No entanto, embora os bloqueios tenham sido suspensos em muitas cidades da China, o número de prisões e assédio contra os praticantes do Falun Gong aumentou acentuadamente, disseram os praticantes durante a reunião.

As autoridades chinesas prenderam Fang Bin, o primeiro jornalista cidadão chinês que relatou o início da pandemia de COVID-19 na China central, no início de 2020. Sendo praticante do Falun Gong, Fang sofreu uma detenção “especialmente longa” e ainda não foi solto, segundo o Minghui.org.

Ji Yunzhi, praticante de Falun Gong e mãe de um participante da reunião de segunda-feira, foi presa em 1º de fevereiro, três dias antes da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, e morreu por tortura enquanto estava sob custódia no mês passado.

Extração de órgãos

Segundo Browde, Hussain pediu aos representantes que enviassem ao departamento a última rodada de investigações por telefone dos hospitais onde a extração de órgãos de adeptos do Falun Gong é feita na China, a qual é realizada pelo governo.

Tais crimes de direitos humanos foram trazidos à luz pela primeira vez em 2006 por uma denunciante cujo ex-marido é um neurocirurgião no nordeste da China que participou da remoção das córneas de cerca de 2.000 prisioneiros anestesiados praticantes de Falun Gong.

Pesquisadores de direitos humanos têm feito investigações por telefone de profissionais médicos em hospitais chineses nas últimas décadas. Nos atendimentos, eles se apresentam como um potencial paciente precisando de um órgão. Durante muitas das tentativas, profissionais médicos admitiram que os órgãos vivos provêm de adeptos do Falun Gong.

Foi somente em 2019 que um tribunal independente concluiu, após uma investigação de um ano, que o ato ocorre há anos em escala substancial.

“O pessoal médico dos hospitais militares, que eram os autores predominantes da extração de órgãos, está se movendo silenciosamente para os hospitais civis na tentativa de evitar atenção”, disse Browde ao Epoch Times.

“Esperamos trabalhar com seu escritório e outras áreas do governo dos EUA para continuar as sanções e outras medidas para penalizar, em termos reais, os autores da detenção injusta, tortura e assassinato de praticantes do Falun Gong”, disse ele.

O Departamento de Estado anunciou em 21 de março a imposição de restrições de visto a funcionários chineses responsáveis ​​por “atos repressivos” contra minorias étnicas e religiosas dentro da China e no exterior, incluindo os Estados Unidos.

Não foi especificado quem seria o alvo ou quantos foram submetidos às novas restrições.

Eva Fu contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas