Embaixador chinês repete teoria da conspiração de que a pandemia pode ter se originado nos Estados Unidos

Por Frank Fang

O embaixador chinês nos Estados Unidos, Cui Tiankai, acrescentou combustível à teoria não comprovada de que o vírus do PCC pode ter se originado nos Estados Unidos.

Cui, em entrevista à CNN que foi ao ar em 7 de fevereiro, foi questionado se especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS), atualmente na cidade chinesa de Wuhan investigando a origem do vírus, teriam “acesso total à China”.

“Eles já estão em Wuhan. Eles estão em Wuhan há alguns dias”, disse Cui, antes de acrescentar: “Minha pergunta é, eles terão permissão para vir aqui [nos Estados Unidos] para fazer a mesma coisa? ” As palavras de Cui sugeriram que a origem do vírus poderia estar nos Estados Unidos.

Cui também afastou as teorias de que o vírus pode ter se originado de um mercado úmido ou de um laboratório em Wuhan. Ele disse: “Eu acho que quando as pessoas fazem acusações, elas têm que provar essas acusações”.

COVID-19 é uma doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) , comumente conhecido como o novo coronavírus . Ele se originou em Wuhan, mas os pesquisadores em todo o mundo ainda não sabem exatamente quando e como o vírus surgiu pela primeira vez.

No mês passado, o Departamento de Estado dos EUA disse que “tinha motivos para acreditar” que vários pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan adoeceram com sintomas semelhantes aos do COVID-19 no outono de 2019. A sugestão contradiz uma afirmação de um pesquisador do instituto que disse que havia “infecção zero” entre os funcionários do laboratório e alunos.

Esta não é a primeira vez que a China tenta culpar os Estados Unidos pela causa da pandemia global. Em março do ano passado, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, acusou o exército dos Estados Unidos de trazer o vírus para Wuhan.

Em 18 de janeiro, Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, também sugeriu que os especialistas da OMS deveriam “conduzir o rastreamento da origem” nos Estados Unidos.

A China também tentou culpar outros países pela pandemia, incluindo Itália e Índia.

Em 5 de fevereiro, em um briefing diário, Wang Wenbin, outro porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, sugeriu que “partes relevantes” deveriam convidar especialistas da OMS a seus países para um “estudo de rastreamento de origem”.

Na mesma entrevista, Cui também denunciou uma recente reportagem da BBC sobre a perseguição aos uigures em Xinjiang, dizendo que suas fontes não eram “confiáveis”.

A BBC relatou que homens chineses se envolveram em estupros em massa, abuso sexual e tortura contra mulheres uigures detidas em campos de internação na região de Xinjiang, no extremo oeste da China, com base em entrevistas com vários ex-detentos e um guarda.

Pequim deteve mais de um milhão de minorias étnicas, incluindo uigures, cazaques e quirguizes, nesses campos. A maioria deles pratica o Islã. Pequim afirma que esses campos são “centros de treinamento vocacional”.

“Até visitei alguns centros de formação profissional. Eles são como um campus. Não é um campo de trabalho, mas um campus”, disse Cui.

A organização sem fins lucrativos com sede em Washington, Campaign for Uyghurs, em um comunicado à imprensa após o relatório da BBC, declarou: “Esperamos que os líderes e indivíduos em todo o mundo sintam esta dolorosa realidade e busquem no fundo de sua consciência para responder.”

Ziba Murat, pesquisadora sênior da organização sem fins lucrativos, disse no Twitter : “Como filha de um médico #Uyghur que está preso em um desses campos e como mulher, isso é extremamente doloroso de ler. Qualquer pessoa que ainda pensa que isso está OK e se curvando para #China e virando as costas para #Uyghurs é igualmente cúmplice. ” Murat é filha do desaparecido médico uigur Gulshan Abbas.

Uma porta  voz do Departamento de Estado dos EUA disse à Reuters que a reportagem da BBC era perturbadora e disse que a China deveria permitir “investigações imediatas e independentes por observadores internacionais”.

Em janeiro, o ex-secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo classificou a perseguição dos uigures e de outras minorias étnicas de maioria muçulmana pelo regime chinês como genocídio e “crimes contra a humanidade”.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas