Embaixador chinês no Brasil é criticado por provocar ocidente com sua ‘diplomacia da espingarda’

Por Rita Li

O representante chinês no Brasil apresentou a diplomacia do ” guerreiro lobo ” de Pequim nas redes sociais, mas o post foi removido imediatamente após ter causado grande reação entre os internautas chineses.

A postagem no Twitter de Li Yang, cônsul-geral da China no Rio de Janeiro, alertou o Ocidente sobre as críticas à China. Ele postou uma foto de elefantes adormecidos, que descreveu como uma espécie que coexiste pacificamente com os chineses no sudoeste da China, e os comparou a políticos ocidentais.

Li escreveu: “Yunnan, China, os elefantes estão dormindo. Os elefantes vivem em paz com o povo chinês, então eles têm seu próprio paraíso lá. Alguns políticos ocidentais querem apenas provocar e reprimir a China, eles só encontrarão espingardas na China! ”

Muitos internautas chineses criticaram a postagem de Li e responderam com comentários sarcásticos, como:

“Obrigado por mostrar como a China está pacífica ao ameaçar os políticos ocidentais.”

“Contanto que você não seja uigur ou qualquer outro grupo étnico, você pode viver em paz com a China.”

“China – o paraíso dos elefantes, o inferno dos uigures”.

Em uma tentativa de erradicar as identidades étnicas e religiosas de quase 11 milhões de muçulmanos em Xinjiang, o regime chinês deteve mais de um milhão de uigures nos chamados campos de “reeducação”, de acordo com um relatório 2020 (pdf), publicado pelo Escritório do Secretário de Estado dos EUA.

Em 13 de junho, líderes do G-7 (Grupo dos Sete), as democracias mais ricas do mundo, denunciaram Pequim por seus abusos aos direitos humanos em Xinjiang e Hong Kong.

“Promoveremos nossos valores, incluindo apelar à China para que respeite os direitos humanos e as liberdades fundamentais, especialmente em relação a Xinjiang e os direitos, liberdades e alto grau de autonomia para Hong Kong consagrados na Declaração Conjunta Sino-Britânica”, disse o G -7.

Em retaliação às críticas ao regime chinês, Li acusou as nações do G-7 de não serem capazes de lidar com seus próprios problemas em um post no Twitter em 14 de junho.

Li também zombou do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau no Twitter, chamando-o de “criança” e “perdulário” em uma postagem no Twitter de 28 de março, depois que o país anunciou sanções contra quatro autoridades chinesas por cometer abusos aos direitos humanos de muçulmanos uigures.

Li não é o primeiro diplomata chinês a usar o termo “espingarda”.

Em 2019, Gui Congyou, embaixador da China na Suécia, disse em uma entrevista à rádio pública sueca: “Tratamos nossos amigos com bom vinho, mas para nossos inimigos temos espingardas”. A dura reprovação veio depois que o cidadão e escritor sueco Gui Minhai recebeu o Prêmio Tucholsky da organização literária sueca PEN, em reconhecimento ao seu trabalho em defesa da liberdade de expressão.

Gui era um dos cinco acionistas da Causeway Bay Books, com sede em Hong Kong, que publicou livros sobre os escândalos da elite governante da China . Em fevereiro de 2020, Gui foi condenado a 10 anos de prisão por “fornecer informações ilegalmente no exterior”, de acordo com o Tribunal Popular Intermediário de Ningbo, na China.

Os diplomatas do regime comunista chinês são chamados de ” guerreiros lobos ” devido suas táticas agressivas para lidar com a comunidade internacional.

“Eles exibem um espírito de luta na proteção dos interesses da China em todo o mundo”, disse Peter Martin, autor do novo livro “O Exército Civil da China: A Criação da Diplomacia do Guerreiro Lobo”, durante o lançamento do livro nos Estados Unidos em sete de junho.

“Eles costumam ameaçar seus colegas estrangeiros ao se sentirem encurralados ou se acharem que não parecem fortes o suficiente para sua pátria”, disse ele.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas