Em meio à pandemia, Facebook sufoca as informações que mostram o encobrimento da China

O "verificador de fatos" parece ter problema com algumas das opiniões de especialistas que o documentário apresenta

Por Stephen Gregory

O Epoch Times publicou recentemente um documentário no Facebook, “Rastreando a origem do coronavírus Wuhan”.

O documentário se tornou viral em diferentes canais, incluindo o Facebook, gerando muita discussão saudável e mais de 70 milhões de visualizações coletivamente, na última contagem.

No entanto, um “verificador independente de fatos” marcou erroneamente o vídeo como falso. Clique aqui para ler a justificativa fornecida pelo verificador de fatos.

O “verificador de fatos” parece ter problema com algumas das opiniões de especialistas que o documentário apresenta. Com o Partido Comunista Chinês destruindo evidências e impedindo pesquisas sobre a origem do vírus, é muito difícil tirar conclusões definitivas. Não é a intenção do filme fornecer uma resposta definitiva.

Além das opiniões dos especialistas, o filme explora puramente os fatos conhecidos que cercam o vírus PCC (comumente conhecido como o novo coronavírus) e a pandemia global.

O documentário teve um forte impacto, criando interesse em possíveis origens para o vírus que desafiam os pontos de discussão oficiais do Partido Comunista Chinês de sua origem no Mercado de Frutos do Mar de Huanan.

Após a publicação do documentário, esses artigos relacionados foram publicados:

  • Washington Post: Fontes do Departamento de Estado alertaram sobre questões de segurança no laboratório de Wuhan, estudando o coronavírus de morcegos
  • Washington Times: Chefes do Conselho Conjunto: intel investiga se o coronavírus vazou do laboratório de Wuhan
  • Fox News: Fontes acreditam que o coronavírus se originou no laboratório de Wuhan como parte dos esforços da China para competir com os EUA

Claramente, muitos levaram nosso documentário muito a sério. Além disso, existem vários problemas que tornam a verificação de fatos falsos, principalmente:

  1. A verificação do fato é feita com base em um artigo publicado pelo The New York Post, não no nosso documentário. Pode haver alguma sobreposição com relação às evidências, mas vários pontos citados não têm nada a ver com o nosso documentário.
  2. A verificadora de fatos, Danielle Anderson, não é independente, como ela afirma: “Vou revelar que sou uma cientista treinada para trabalhar em alta contenção e tenho projetos colaborativos com o Instituto Wuhan de Virologia (WIV). Eu trabalhei neste laboratório exato em vários momentos nos últimos 2 anos. Pessoalmente, posso atestar as rigorosas medidas de controle e contenção implementadas enquanto trabalho lá. A equipe da WIV é incrivelmente competente, trabalhadora e é um excelente cientista, com um histórico excelente”.
  3. A alegação chave da verificação de fatos é na realidade falsa: “Não há evidências que sustentem que a biossegurança no Instituto de Virologia Wuhan seja ruim ou que animais de laboratório estejam sendo vendidos ou consumidos”. Esta alegação é falsa com base nos artigos 1 e 3 mencionados acima.
  4. A manchete para essa verificação de fatos é “A evidência científica indica que o vírus que causa a infecção por COVID-19 é de origem natural, não o resultado da engenharia humana”. A alegação de verificação de fatos destacada na parte superior da página é “evidências apontam para a pesquisa de SARS-CoV-2 sendo realizada no Instituto Wuhan de Virologia”, marcada como INCORRETA. Essa verificação de fato confunde a ideia de “origem do laboratório” com a “engenharia” – um coronavírus (um dos muitos mantidos nesses laboratórios específicos) pode estar em pesquisa, mas não é um produto da bioengenharia. E o vírus poderia ter se espalhado do laboratório para a população em geral sem ser projetado.

Apelamos ao Facebook para remover sua classificação incorreta e permitir que mais pessoas vejam este documentário muito oportuno. No Epoch Times, acreditamos firmemente na liberdade de imprensa. Especialmente agora, à medida que a pandemia global continua, é vital que o público em todo o mundo receba informações independentes e precisas e esteja bem informado para tomar decisões .

Ao defender a necessidade de uma imprensa livre, defendemos a posição do fundador do Facebook, Mark Zuckerberg. Como ele disse na Universidade de Georgetown em outubro de 2019: “Como princípio, em uma democracia, acredito que as pessoas devem decidir o que é credível, não as empresas de tecnologia”.

Siga Stephen no Twitter: @StephenEpoch

 
Matérias Relacionadas