Em meio à guerra na Ucrânia, Rússia e China buscam criar uma ‘Nova Ordem Mundial’: analista

Xi e Putin estão empenhados em sufocar o Ocidente, desmantelar a OTAN e criar uma nova ordem mundial, segundo o tenente-coronel Maginnis

Por JM Phelps

Cinquenta anos após o histórico aperto de mão de Richard Nixon e Mao Zedong em 1972, a ordem geopolítica mundial está mais uma vez sendo reformulada. O mundo está assistindo agora a uma crescente aliança entre Pequim e Moscou.

O líder do Partido Comunista Chinês (PCCh), Xi Jinping, e o presidente russo, Vladimir Putin, se encontraram no início de fevereiro no dia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim. A reunião poderia ter concedido uma oportunidade para Xi instar Putin a buscar a diplomacia com a Ucrânia e diminuir as tensões entre os dois países. Em vez disso, o regime chinês parecia ter feito vista grossa enquanto a Rússia planejava seus avanços sobre seu vizinho.

Muitos descreveram a reunião de 4 de fevereiro como uma demonstração de solidariedade entre os dois regimes. A ocasião foi marcada por uma longa “declaração conjunta” na qual os dois países anunciaram uma parceria “sem limites”, onde não há “áreas de cooperação proibidas”.

O comunicado de 5.000 palavras também expressou oposição ao “novo alargamento da OTAN e [exortou] a Aliança do Atlântico Norte a abandonar suas abordagens ideologizadas de Guerra Fria, a respeitar a soberania, a segurança e os interesses de outros países … e a exercer uma atitude objetiva em relação a um desenvolvimento pacífico de outros Estados”.

Uma declaração tão detalhada definiu claramente a natureza do relacionamento emergente da China e da Rússia, disse o tenente-coronel aposentado, Robert Maginnis, ao Epoch Times. É um em que Xi e Putin estão empenhados em sufocar o Ocidente, desmantelar a OTAN e criar uma nova ordem mundial, disse ele.

Unidade de artilharia ucraniana disparando contra posição russa perto de Kiev, na Ucrânia, no dia 6 de março de 2022 (Radio Free Europe / Radio Liberty/Screenshot via Epoch Times)
Unidade de artilharia ucraniana disparando contra posição russa perto de Kiev, na Ucrânia, no dia 6 de março de 2022 (Radio Free Europe / Radio Liberty/Screenshot via Epoch Times)

‘Um acordo de cavalheiros’

Menos de três semanas após a reunião Putin-Xi, a Rússia começou seu ataque à Ucrânia. Maginnis descreveu o comunicado como “um acordo de cavalheiros” por trás do que muitos considerariam “uma aliança”. Putin, acrescentou, espera que essa aliança recém-formada ajude a Rússia a atravessar sua invasão.

Nos bastidores, Maginnis suspeita que o encontro de Xi-Putin concedeu “apoio geopolítico e garantias financeiras” à Rússia para amenizar o golpe econômico das sanções ocidentais. O fato do regime chinês não ter criticado Moscou por seu ataque à Ucrânia pode ser um sinal do apoio silencioso de Pequim, acrescentou.

Além do mais, “Xi é muito provavelmente encorajado pelo que o Ocidente está fazendo – ou mais apropriadamente, não está fazendo”, disse Maginnis. A Rússia enfrentou a condenação universal do Ocidente, enquanto recebia ajuda de vários países. As sanções também estão chegando de muitas direções em um esforço para retardar o ataque não provocado do regime russo.

Mas o que é mais importante para o regime chinês é o fato de que os Estados Unidos não estão enviando tropas para a Ucrânia, observou ele.

‘Uma Nova Ordem Mundial

À luz da série de sanções ocidentais, Maginnis disse que suspeita que “Xi ajudará a lavar quaisquer finanças que Putin, os oligarcas e o governo russo em geral precisem para continuar avançando”.

À medida que o conflito na Ucrânia continua a aumentar e o regime chinês continua com suas ambições de tomar Taiwan, ele disse que os Estados Unidos e a OTAN se encontraram em uma nova Guerra Fria.

“Xi está buscando uma nova ordem mundial, como evidenciado por muitos de seus escritos e discursos”, disse Maginnis. Essa nova ordem mundial, acrescentou, é “muito mais receptiva a um regime autoritário, em vez dos valores liberais que formularam a ordem mundial pós-Segunda Guerra Mundial”.

Na esteira de uma retirada caótica do Afeganistão e seu manejo da crise Rússia-Ucrânia, alguns países estão começando a considerar os Estados Unidos uma potência mundial de segunda categoria, de acordo com Maginnis. Alguns desses países podem em breve estar perguntando “Com quem queremos nos alinhar?” e “Quem vai realmente comandar as coisas no futuro?”

O líder chinês Xi Jinping (D) se encontra com o presidente russo Vladimir Putin (E) em Pequim no dia 4 de fevereiro de 2022 (Alexei Druzhinin/Sputnik/AFP via Getty Images)
O líder chinês Xi Jinping (D) se encontra com o presidente russo Vladimir Putin (E) em Pequim no dia 4 de fevereiro de 2022 (Alexei Druzhinin/Sputnik/AFP via Getty Images)

Taiwan

Maginnis não considerou o comportamento de Putin “louco” por invadir a Ucrânia, mas disse que “Putin é pragmático, não tem medo de puxar o gatilho se isso for beneficiá-lo a longo prazo”.

Com a Rússia e a China trabalhando lado a lado para usurpar o Ocidente, ele disse: “Taiwan deveria estar muito preocupada, porque isso também vale para Xi; ele puxaria o mesmo gatilho quando sentir que isso o beneficiaria mais”.

Pequim está observando o que os Estados Unidos estão fazendo na Ucrânia. Uma coisa a observar, disse Maginnis, é se os Estados Unidos vão ou não transportar ou realocar ativos críticos da arena do Pacífico para a Europa. Em segundo lugar, ele acrescentou que Xi também está observando os efeitos das sanções sobre a capacidade da Rússia de enfrentar a Ucrânia.

A presença militar dos Estados Unidos no Pacífico, combinada com o impacto das sanções econômicas esmagadoras, continua sendo a principal preocupação do regime chinês ao olhar para Taiwan, disse ele.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas