Elliott Abrams: uma transição ‘virá’ para a Venezuela

Por VOA

O governo dos Estados Unidos está preparando planos para reabrir a embaixada em Caracas porque acredita que uma transição está chegando à Venezuela, disse o enviado especial para o país sul-americano Elliott Abrams na quinta-feira.

“Acreditamos que uma transição ainda está por vir e precisamos estar preparados”, disse Abrams em uma conversa online com o think tank do Instituto Hudson.

Na quarta-feira, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse em entrevista coletiva com um pequeno número de jornalistas que havia encomendado sua equipe para que preparasse planos para restaurar a presença diplomática na Venezuela.

Abrams disse quinta-feira que os EUA  não pensam em voltar à Venezuela se Nicolás Maduro permanecer no poder, mas eles estão confiantes de que a pressão em torno do líder chavista aumentará rapidamente.

“A situação de curto prazo vai piorar internamente”, disse Abrams.

O diplomata alertou que, dadas as acusações criminais que enfrenta nos EUA, Maduro deve ser “extremamente cuidadoso” com suas viagens. Se ele estiver indo para um país que tem extradição com os EUA “ele pode ser preso”, disse Abrams.

Com a queda nos preços do petróleo – a principal fonte de riqueza do país -, as sanções dos EUA e agora a pandemia do vírus do PCC (comumente conhecido como o novo coronavírus), a Venezuela está em uma situação socioeconômica séria.

O governo dos EUA doou nove milhões de dólares para ajudar o país a lidar com a COVID-19 e descongelou fundos do Estado venezuelano para uso pelo governo encarregado de Juan Guaidó.

“Guaidó tem acesso a alguns fundos nos EUA que permaneceram do Banco Central da Venezuela “, disse Abrams.

No final de março, o governo encarregado anunciou que doaria US$ 20 milhões de contas dos EUA a organizações internacionais para lidar com o vírus do PCC na Venezuela.

Abrams disse na quinta-feira que organizações como a UNICEF e “outras agências” “têm medo de aceitar esses fundos porque temem repercussões do regime”.

No entanto, após uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, Maduro disse na terça-feira referindo-se aos Estados Unidos que seu regime está pronto para receber ajuda humanitária de qualquer país, desde que seja através da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 

 
Matérias Relacionadas