Elites pró império do mal

Por David Flint

Os australianos têm sido extraordinariamente afortunados desde a colonização em 1788. Isto não é apenas porque o continente foi gradualmente colonizado pela Grã-Bretanha, um poder mundial cujo primeiro governador trouxe consigo o Estado de direito e também veio com instruções exclusivas para proteger os aborígenes e viver com eles em “amizade e gentileza”.

Este também era um império no qual até mesmo suas colônias americanas recentemente perdidas tinham sido as mais livres que o mundo tinha visto.

Ao contrário dos Bourbons, os britânicos aprenderam com a Guerra da Independência Americana e entregaram o autogoverno primeiro às colônias estabelecidas assim que ficaram prontas, e depois para a maioria das outras.

Mas, além disso, os australianos tiveram a sorte de viver em um mundo no qual o poder dominante, primeiro a Grã-Bretanha, depois os Estados Unidos, compartilhavam a mesma língua e os mesmos valores e protegiam nossa própria existência.

No entanto, agora, algumas elites australianas importantes querem que nós escorreguemos gradualmente para a órbita de uma potência comunista que há muito tempo se mostra impaciente com Hong Kong mantendo as liberdades legadas pelos britânicos.

Talvez essas elites pró-Pequim tivessem ingenuamente pensado que a introdução de um Estado corporativo de estilo fascista por Deng Xiaoping indicava que elas seguiriam o caminho democrático. Mas isso não foi mais do que uma última tentativa de salvar o regime após a brutal e desastrosa ditadura de Mao Tsé-Tung.

O fato de os comunistas nunca pretenderem libertar o povo chinês ficou absolutamente claro há vinte anos. Com uma paranoia digna de Stalin e Mao, mostraram que nunca tolerariam qualquer associação, mesmo espiritual ou religiosa, que não estivesse sob seu controle rigoroso e ditatorial.

Então, assim como eles tinham como alvo tanto os cristãos da igreja doméstica que se recusam a se juntar às igrejas ‘patrióticas’ da frente comunista e os muçulmanos uigures, também o regime em 20 de julho de 1999 declarou que o movimento politicamente inócuo e intensamente espiritual do Falun Gong era ‘herético.’

Mas ao invés de ser político, o Falun Gong não faz mais do que combinar a prática de exercícios lentos e meditação com uma filosofia moral que enfatiza a verdade, compaixão e tolerância. Esta é uma associação dedicada a fazer o bem; Aristóteles teria aprovado.

O que aterrorizou os comunistas foi que o número envolvido, mais de 100 milhões, excedia em muito o tamanho do partido comunista. Claramente, o povo chinês quer mais do que o estéril ateísmo oficial do marxismo, do qual até mesmo os chefes do partido não acreditam.

Sendo os herdeiros indiscutíveis do que Churchill descreveu como uma “praga do bacilo”, os comunistas decidiram que nunca tolerariam que muitas pessoas estivessem fora de seu domínio.

Para demonstrar sua total depravação moral, os comunistas decidiram estender ao Falun Gong uma prática repugnante que aplicaram àqueles considerados culpados de um crime capital.

Tenha em mente que ser considerado culpado em uma república comunista não tem sentido. A justiça criminal opera sob o princípio enunciado pelo chefe da polícia secreta de Stalin, Lavrentiy Beria: “Mostre-me o homem e eu vou encontrar o crime”.

Com uma taxa de condenação de mais de 99,9%, muitos dos executados são claramente inocentes. Para piorar esse mal, os comunistas monetizaram esses assassinatos vendendo seus órgãos para satisfazer uma crescente demanda por transplantes.

Dr. Enver Tohti recentemente deu provas de como ele ainda é assombrado pela memória de operar em um prisioneiro que foi baleado no lado direito do peito.

Cortando o corpo, ele percebeu que o coração do homem ainda estava batendo. No entanto, ele foi ordenado a remover o fígado e os dois rins, costurar o corpo de volta, e “lembrar que hoje, nada aconteceu”.

Com o Falun Gong, a ditadura dispensou a fachada de um julgamento e as tornou vítimas em massa da prática vil da extração de órgãos.

Esta não é uma acusação selvagem e sem fundamento. Imagens chocantes e encobertas, transmitidas em maio passado pela Fox, mostram praticantes do Falun Gong aprisionados, seriamente maltratados e torturados com vítimas feridas algemadas a camas. O fato dos praticantes do Falun Gong, ainda vivos, terem seus órgãos cortados de seus corpos, foi confirmado por várias fontes confiáveis.

Um fato incontestável é que a disponibilidade de órgãos sob demanda na China excede amplamente o pequeno número de doadores registrados, juntamente com o número de execuções. A diferença deve obviamente vir de outra fonte. A conclusão inescapável é que isso vem do Falun Gong.

Extrapolações do número extraordinário de operações de transplante realizadas na China indicam que o número envolvido é grande, com uma estimativa de uma fonte canadense confiável que concluiu que houve cerca de um milhão e meio de vítimas.

Agora, os extensos exames médicos forçados tanto dos muçulmanos uigures quanto dos cristãos perseguidos sugerem que o regime pode estar planejando lucrar com novos atos do que só pode constituir o crime de genocídio.

Um relatório importante e rigoroso sobre a extração de órgãos de Pequim, por um tribunal especializado independente foi recentemente divulgado em Londres. Este foi presidido por Sir Geoffrey Nice QC, um dos principais advogados de direitos humanos que liderou o processo contra o ex-presidente iugoslavo, Slobodan Milosevic, no Tribunal Criminal Internacional.

Em seu relatório meticuloso, o tribunal indica que está satisfeito, por unanimidade e além de qualquer dúvida razoável, que crimes contra a humanidade foram cometidos sob a autoridade do regime chinês. Estes incluem atos de tortura, com inimigos do estado sofrendo testes de medicamentos e mortos por seus órgãos.

O Tribunal conclui que a República Popular da China é um “estado criminoso”, alertando que as empresas ou outras entidades envolvidas em fazer negócios com a República Popular da China devem saber com quem estão lidando.

Os apologistas australianos dos comunistas de Pequim claramente não têm para onde ir. Nosso destino não pode ser tornar-se um satélite de qualquer poder, e certamente não de um império tão maligno.

Quanto aos australianos na vida pública, políticos incluindo reformados aposentados, financistas e pessoas de negócios que lidam com esses criminosos, as palavras do grande Edmund Burke não poderiam ser mais apropriadas:

“A única coisa necessária para o triunfo do mal é que os homens bons não façam nada”.

David Flint AM é ex-presidente do Australian Press Council e Australian Broadcasting Authority e é professor emérito de direito.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas