Eleitora da Nevada alega fraude: ‘Fui votar e fui informada de que já havia votado’

Campanha de Trump alega que votos foram lançados tanto para mortos quanto para não residentes de Nevada

Por Petr Svab

Uma mulher de Nevada alega que alguém roubou sua cédula de correio e votou em seu nome. Ela faz parte de um processo federal da campanha de Trump exigindo que o estado pare de contar votos ilegais.

“Eu fui votar e eles me disseram que eu já tinha votado”, disse Jill Stoake durante uma coletiva de imprensa da campanha de Trump em 5 de novembro. “Eu acompanhei o assunto e nos últimos anos sempre votei pessoalmente. Desta vez, eles enviaram a cédula e alguém a levou. Eles também tiraram a cédula do meu colega de quarto”.

Nevada decidiu enviar cédulas a todos os eleitores registrados este ano, uma medida que gerou problemas.

Antes das primárias em Clark County, Nevada, que cobre a área metropolitana de Las Vegas, mais de 223.000 cédulas de correio foram devolvidas devido a endereços antigos ou incorretos, de acordo com a Public Interest Legal Foundation (PILF), que contou os dados.

O PILF, uma organização sem fins lucrativos de direita, também descobriu que alguns eleitores de Nevada se registraram em endereços comerciais, o que o estado não permite. Quando um investigador PILF visitou alguns dos endereços, ele não encontrou sinais de que os eleitores viviam lá. Um endereço era um lote vazio.

As listas de eleitores são notoriamente confusas. Um dos problemas mais comuns é que as pessoas não atualizam seus registros quando se mudam. Pelo menos alguns estados têm mecanismos para atualizar endereços, mas há um atraso. Se o eleitor se mudou para outro estado, o processo para removê-lo das listas do estado de origem pode levar anos. O mesmo é verdade para eleitores falecidos, que às vezes permanecem nas listas por muito tempo depois de serem aprovados.

A campanha de Trump alega que os votos foram lançados tanto para os mortos quanto para os não residentes de Nevada e que a campanha não teve permissão para inspecionar a verificação eleitoral.

“Disseram-nos que as empresas nos salvariam de todas as fraudes. Mas, até o momento, ainda não pudemos observar essas assinaturas ou contestar significativamente uma única cédula de voto por correio entre centenas de milhares de eleitores. Acreditamos fortemente que neste grupo de pessoas que vota pelo correio há muitos eleitores que não são eleitores verdadeiros”, disse Adam Laxalt, ex-procurador-geral de Nevada e co-presidente da campanha de Trump em Nevada, durante a coletiva de imprensa.

Ele disse que a campanha acredita que os votos de alguns mortos foram contados, assim como os de milhares de pessoas que se mudaram do condado durante a pandemia do vírus do PCC e, portanto, não tinham o direito de votar lá.

Os participantes não responderam às perguntas da imprensa durante a audiência, em vez disso, disseram aos repórteres para encaminharem suas perguntas ao Condado de Clark.

O Departamento Eleitoral do Condado de Clark não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A campanha de Trump está entrando com ações judiciais e alegando irregularidades eleitorais em vários estados, onde as contagens atuais indicam que Trump está atrasado por uma margem estreita.

Siga Petr no Twitter: @petrsvab

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas