Ele sentia que não se encaixava em lugar nenhum, mas um dia a música mudou seu destino

Todos os dias Dukes sentia-se como um estranho no ninho e que Memphis não era sua casa

Por  Andrew Thomas, Epoch Times

Os anos da adolescência já são complicados o suficiente. Para este jovem, o sentimento de não se encaixar nos moldes sociais forçou-o a deixar sua cidade natal. Agora ele voltou… mas sem remorso algum.

James Dukes cresceu em Memphis, Tennessee, com seu pai. Seus pais se divorciaram e ele acabou experimentando culturas muito diferentes.

Sua mãe era guianesa e britânica e vivia no exterior, então ele costumava viajar para a Guiana e Inglaterra, entre outros países.

A constante viagem de ida e volta fez Dukes se sentir como se ele nunca tivesse uma verdadeira casa.

“Na época, senti que nunca fui verdadeiramente acolhido em nenhum lugar. Eu sempre fui um visitante ”, disse Dukes ao Epoch Times.

Sua exposição a diferentes culturas ajudou-o a moldar sua identidade. Mas também tornou difícil para ele se encaixar em Memphis.

“Você se abre para um monte de coisas. Quando você traz de volta essas ideias e perspectivas para um lugar como Memphis, isso se torna algo alienante ”, explicou Dukes.

Todos os dias as coisas levariam Dukes a sentir-se como um estranho, e que  Memphis não era sua casa.

(Carlo Allegri / Getty Images)

Quando ele ligou a televisão, viu famílias fazendo coisas que não faziam parte de sua vida, como visitar o médico da família, porque ele não tinha um médico da família.

Os professores pediam aos alunos da turma que levassem cartas para sua mãe, e ele não podia.

“Isso me deixava louco. Isso me deixava com raiva “, explicou Dukes.

Dukes não foi capaz de lidar com essas coisas simples, então ele se viu tentando se adaptar constantemente para se tornar mais “Memphis”.

Seus gostos musicais eram ecléticos, mas as outras crianças na maioria apenas ouviam rap de gângster. Quando ele pegava o ônibus escolar de sua vizinhança predominantemente negra de Orange Mound, ele falava com as outras crianças sobre assuntos que elas gostavam de falar, e ouvia a música que elas gostavam de ouvir.

Quando ele chegou à escola, que ficava em um bairro predominantemente judeu, ele se viu tendo que mudar sua personalidade novamente.

“Primeiro eu consegui passar pelo ônibus da escola. Então eu vou para a escola, e estou cercado de pessoas que, se eu me aproximar delas da maneira que me aproximo no ônibus da escola, vou assustá-las”, explicou Dukes. “Então eu tenho que me transformar agora. Eu tenho que mudar de marcha agora.”

Dukes passava por essa transformação todos os dias para tentar se encaixar.

No final do primeiro ano na escola, ele já tinha tido o suficiente e decidiu que queria sair de Memphis.

Ele saiu quando faltava apenas uma semana para sua graduação em 2001.

“Eu me senti livre. Eu me senti livre para ir embora e encontrar minha tribo. Eu me senti liberado. Eu senti que poderia encontrar pessoas que gostassem das coisas em que eu gostava, e talvez até me ajudassem a construí-las”, lembrou Dukes.

Dukes foi para a Universidade da Flórida Central em Orlando. Depois, ele acabou se transferindo para uma universidade diferente em Long Island, Nova York, para seguir uma carreira musical — sua maior paixão na vida.

Depois de trabalhar como engenheiro e produtor de sucesso em Nova York por 10 anos criando música para TV, comerciais e cinema, e trabalhando com alguns artistas de renome, ele retornou a Memphis em 2011 para passar um tempo com sua família.

Mas ele não planejava ficar.

De volta a Memphis, ele se sentiu novamente isolado.

James Dukes, também conhecido como IMakeMadBeats.

(Cortesia de Kat Johnson)

“Eu não fui a lugar nenhum, não saí, não tentei conhecer ninguém, não explorei de verdade, fiquei só comigo”, lembrou Dukes.

Foi enquanto ouvia o rádio que ele começou a se sentir um pouco mais confortável: alguém ligou falando sobre o time de basquete Memphis Grizzlies.

“Eu estava tipo estou de volta em casa. Eu não posso negar que isso é bom. Ouvindo as pessoas falarem, visitando os restaurantes e revendo cultura, eu nem percebi que havia perdido isso”, explicou Dukes.

No entanto, Dukes ainda não se sentia totalmente em casa até que um amigo o convidou para um concerto.

Ele não queria ir, mas ao mesmo tempo queria passar um tempo com seu amigo.

“Eu saí, e fiquei muito surpreso com o que vi. Fui para casa confuso, não só pelo artista e pela performance, mas  pelas pessoas que estavam lá. As coisas que eles usavam, as coisas que eles falavam, o local que eu frequentava, a área em que estava”, disse Dukes.

“Tudo sobre nossa saída naquela noite simplesmente não foi o que eu pensava que seria.”

Todas as pessoas que ele achava que estavam faltando em Memphis estavam lá o tempo todo, e ele nunca as encontrou.

“Aquilo era novo. Era motivante. Aquelas pessoas que estavam lá, sua proximidade com a moda, e as coisas sobre as quais elas falavam eram apenas mais inclusivas do que eu me lembrava. Foi apenas uma espécie eclética de vibração que sugeria o tipo de progressão para a qual sempre fui atraído”, recordou Dukes.

Dukes começou a se perguntar se poderiam existir mais pessoas em Memphis com diferentes perspectivas e ideias.

(Cortesia de Kat Johnson)

De repente, Memphis não parecia tão estranha para ele. Havia pessoas como ele, pessoas de todas as esferas da vida, criativas, ambiciosas, únicas.

Lembrando-se de como era na época de sua adolescência, ele sentiu necessidade de reunir essas pessoas.

Ele produz sua própria música sob o pseudônimo IMAKEMADBEATS, mas ele queria fazer mais.

Então ele fez o seu trabalho para encontrar esses colegas independentes e apoiá-los.

Para cumprir essa missão, Dukes criou uma gravadora chamada Unapologetic. É tudo sobre não ter medo de ser você mesmo.

Ele e seu coletivo de artistas vêm assumindo a cena musical de Memphis de maneiras novas e distintas.

E sempre em sua mente existe a necessidade de tornar a empresa visível para outros novos artistas para que eles possam alcançar seu pleno potencial.

“Caso contrário, você acaba não sabendo que as pessoas que podem se relacionar com você, construir com você, colaborar com você, crescer com você, estão mesmo em torno de você”, explicou Dukes.

“Você não saberia, assim como eu não sabia disso.”

Graças a Dukes, nenhum artista de Memphis deverá mais se sentir como um estranho no ninho.

 
Matérias Relacionadas