Ela foi chamada de ‘estúpida’, mas transformou uma ideia brilhante numa empresa de US$ 65 milhões

Ninguém gosta de ser chamado de estúpido, e muito menos uma mãe britânica de duas crianças que foi chamada de “estúpida” por seu fabricante que tentou prejudicar seu novo negócio quando este estava em ascensão. Irritada por sua audácia, ela tomou uma decisão inesperada na ocasião, e seu negócio se fortaleceu desde então.

Em 2007, quando Julie Deane viu sua filha de 8 anos, Emily, perdendo sua personalidade extrovertida depois de sofrer assédio moral (bullying), ela decidiu enviar seus filhos para uma escola particular e começou um negócio para ganhar dinheiro suficiente para sustentar a educação deles.

(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)

Deane, que trabalhou como contadora e funcionária de uma universidade anteriormente, pensou muito sobre que negócio teria e decidiu produzir mochilas tradicionais para crianças em idade escolar. A razão foi que ela teve dificuldade em encontrar bolsas-pastas ou bolsas-mochilas para seus dois filhos.

(Wikipedia | Flickr)
(Wikipedia | Flickr)

Com apenas 600 libras (aproximadamente US$ 775) de investimento, ela transformou essa pequena quantia num negócio de US$ 65 milhões chamado de  “The Cambridge Satchel Company”. Dentro de cinco anos, ela estava vendendo para 120 países em todo o mundo e muitas celebridades como Taylor Swift e Alexa Chung compraram suas bolsas.

https://instagram.com/p/Bf-9SlYBN5L/?utm_source=ig_embed

https://instagram.com/p/BdeocwQhCKh/?utm_source=ig_embed

“É como apostar dinheiro, ele não estava sendo utilizado com nada, então pensei: ‘Tudo bem, é isso que chamam de capital inicial, não é?'”, disse ela na Vanity Fair Founders Fair, realizada em Nova York em 2017, de acordo com a CNBC.

Ela diz que teve sorte que tudo deu certo.

https://instagram.com/p/Bdj0dn2hj-C/?utm_source=ig_embed

“Eu realmente tenho muita sorte porque sou uma pessoa muito desajeitada e, por isso, tendo a ficar realmente irritada quando as coisas não funcionam adequadamente”, disse ela.

Ela começou seu primeiro protótipo embrulhando algumas velhas caixas de cereal com papel marrom e inventou o nome da empresa.

(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)

Em seguida, ela projetou o logotipo da empresa com o software Microsoft Paint e pediu a sua mãe para ajudá-la. Ela inclusive criou um website por si mesma.

Em 2010, ela enviou algumas bolsas de cor neon para blogueiros de moda usarem no New York Fashion Week, já que ela não podia se dar ao luxo dela mesma viajar até lá.

(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)

Após o término do evento, ela ficou espantada ao receber 16 mil pedidos!

Como seus fabricantes não conseguiram acompanhar os pedidos, ela contratou um fabricante maior, mas logo soube por um funcionário que o proprietário estava fazendo imitações da sua bolsa com seu material de couro.

(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)

Quando ela confrontou o fabricante sobre isso, ele disse: “Porque você é uma mulher estúpida e não sabe sobre manufatura.”

Irritada, ela disse a todos os funcionários da fábrica que montaria uma fábrica próxima e convidou-os a enviar um e-mail se quisessem trabalhar com ela.

(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)

Três semanas depois, tornou-se uma realidade, ela contratou todos, exceto dois funcionários “grosseiros”.

Ao longo de sua jornada de estabelecer o negócio, ela percebeu algo.

(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)
(Captura de tela do ©YouTube | The Pool)

“A coisa realmente importante que eu percebo agora é que ninguém nunca vai se importar com o meu negócio tanto quanto eu mesma”, disse ela depois de ver o crescimento da sua empresa desaceler devido à burocracia causada por ter muitos investidores.

Mas no final das contas, ela criou o negócio apenas para enviar seus filhos para uma escola particular.

 
Matérias Relacionadas