Eduardo Guimarães entrega truque que PT usará para censurar mídia

O plano do governo é simples: discutir a regulação econômica da mídia com a sociedade em fóruns oficiais criados para esse fim.

A blogosfera estatal serve para muitas coisas, inclusive para gerar conteúdo de campanha governista, testar esse conteúdo (a partir de reação a posts, por exemplo) e daí incorporar esse conteúdo à campanha oficial. Os “shares” para as matérias da blogosfera estatal fazem parte do serviço. Tudo bancado com dinheiro estatal superfaturado (pois como Fernando Rodrigues demonstrou, o governo paga 10 vezes mais por uma visualização nos sites governistas do que nos demais sites).

Leia também:
Mino Carta e o crime moral da blogosfera estatal
Jô Soares defende PT e classifica biografia de Dirceu como ‘impecável’
Mesmo com crise econômica, Dilma diz que prioridade é regulamentar a mídia

Há outra utilidade para a blogosfera estatal: discutir estratégias entre os militantes e obter feedback. Como efeito colateral, com isso descobrimos de forma antecipada os planos governistas. (Ou vocês acham que eu leio o conteúdo da blogosfera estatal por masoquismo?)

Veja um trecho do texto O plano do governo Dilma para regular a mídia, publicado no Blog da Cidadania, que confessa muita coisa:

[…] o governo tem um plano. Ou diz que tem. Basicamente, seria envolver a sociedade civil com a proposta de regulação ECONÔMICA da mídia. […]

O que se planeja é uma regulação econômica da mídia, ou seja, tratar a comunicação como qualquer outro setor da economia, impedindo a formação de oligopólios (controle de poucos sobre um segmento de mercado). Nesse aspecto, poderia se estender ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) a tarefa de impedir oligopólios no setor de comunicação assim como o órgão faz em qualquer outro setor da economia.

Mas como, se metade dos parlamentares do Congresso Nacional detém propriedade de meios de comunicação eletrônicos, sobretudo rádios e tevês? Como conseguir maioria entre políticos que dependem de controlar meios de comunicação em seus Estados para se manterem politicamente fortes?

O plano do governo é simples: discutir a regulação econômica da mídia com a sociedade em fóruns oficiais criados para esse fim.

Todavia, já houve, no fim do governo Lula, uma Conferência Nacional de Comunicação, a Confecom, da qual este blogueiro participou como delegado por São Paulo. Porém, após dias discutindo a regulação da mídia, aquilo tudo deu em nada. Dilma assumiu em 2011 acreditando que poderia se compor com a mídia e deixou os trabalhos da Confecom engavetados.

O detalhe é que a petista Renata Mielli já havia confessado há mais de um mês que falar em “regulação econômica” não passava de um engodo para esconder as reais intenções do governo. E eu já havia demonstrado há uns 2-3 meses que regulação econômica sempre é regulação de conteúdo.

Enfim, já sabemos como funciona o embuste, mas ainda temos a estratégia, que, conforme confessa Guimarães (que é muito próximo à turma de censores do PT), é muito simples.

Ei-la: para disfarçar, eles chamarão seus coletivos não-eleitos, ou seja, a turminha de sempre: OAB, UNE, MST, CUT e outros na linha. Eles, como sói ocorre nesses casos, se auto-definirão como “a sociedade”, e, portanto, virão com uma proposta dizendo que “é um pedido espontâneo” da sociedade.

Sim, eu sei que o cinismo de Guimarães e do governo é imundo até dizer chega para fazer uma armação deste nível à luz do dia. Resta saber se com essa confissão tão explícita alguém ainda vai cair no truque.

Editado pelo Epoch Times

 
Matérias Relacionadas