Editorial: neste momento crítico, presidente Trump precisa agir

Essas eleições são o clímax da batalha entre a liberdade e o comunismo, entre o bem e o mal

Por Conselho Editorial do Epoch Times

Essas eleições presidenciais de 2020 são diferentes de todas as anteriores e exigem medidas sem precedentes para protegê-las, para proteger nossa república e para proteger nosso futuro.

O grau e a escala da fraude eleitoral não têm precedentes. Nos estados indecisos, o presidente Donald Trump teve grandes vantagens na noite da eleição. Em seguida, a contagem foi interrompida no fim da noite e os observadores eleitorais foram expulsos. E então uma enorme votação estatisticamente impossível surgiu, dando a Joe Biden a vantagem.

Esse padrão, que ocorreu apenas em estados onde Biden teve que reverter os resultados e não havia ocorrido em eleições anteriores, aponta para um esforço coordenado para roubar as eleições.

Este trabalho provavelmente envolveu manipulação de votos pela Dominion Voting Systems. De acordo com uma auditoria forense de suas máquinas e software em Michigan, “o Dominion Voting System é intencional e deliberadamente projetado com erros inerentes para criar fraude sistêmica e influenciar os resultados eleitorais”.

Além disso, mil depoimentos atestam várias formas de arrecadação de votos e irregularidades eleitorais.

Há alegações – que precisam de confirmação – de que a influência estrangeira contribuiu para minar nossas eleições.

O presidente Trump se referiu ao nosso sistema eleitoral como um “ataque e cerco coordenados”.

Como consequência, nossa forma de governo está em perigo. Se uma eleição pode ser vencida por meios desonestos como os usados ​​em 2020, então a próxima eleição pode ser vencida da mesma maneira. O povo americano perderá seu direito de voto.

Se houve um esforço coordenado para roubar as eleições, essas ações equivalem à subversão.

Além disso, se os Estados Unidos realmente têm um sistema de partido único, então as mudanças legais podem alterar fundamentalmente nosso sistema.

Os democratas falaram sobre o fim do Colégio Eleitoral, o que faria com que grandes cidades predominantemente democratas elegessem o presidente, e propuseram expandir a Suprema Corte, para garantir que os juízes indicados pelos democratas fossem a maioria.

Por mais sérias que sejam essas ameaças à nossa república, elas não chegam à questāo que está em jogo.

Em essência, o perigo atual não é se Biden ou Trump ganham. Não se trata do partido Democrata ou Republicano.

Os Estados Unidos estão enfrentando uma força do mal que quer destruir nosso país e, de fato, destruir todas as coisas boas da humanidade.

Essas eleições são o clímax da batalha entre a liberdade e o comunismo, entre o bem e o mal.

Com a queda dos regimes comunistas na União Soviética e na Europa Oriental, as pessoas nos Estados Unidos e em todo o mundo relaxaram, pensando que a ameaça comunista havia acabado. No entanto, o comunismo nunca dormiu. A globalização o tornou mais forte e, por sua vez, enfraqueceu os Estados Unidos.

O bem e o mal não podem concordar. Eles são como fogo e gelo. Ceder ao mal apenas o encoraja. Uma vitória do comunismo nessas eleições resultaria em uma derrota para a liberdade em todos os lugares. A humanidade mergulharia em uma noite longa e escura.

Em 5 de dezembro na Geórgia, Trump discursou sobre aqueles que querem roubar as eleições: “Essas pessoas querem ir além do socialismo, querem entrar em uma forma comunista de governo, e não tenho dúvidas disso”.

Como defender os Estados Unidos? As autoridades locais costumam ser as mais cúmplices da corrupção eleitoral. Os juízes, devido à doutrina da separação de poderes, muitas vezes relutam em dizer aos Estados como conduzir suas eleições. O Congresso dos Estados Unidos não tem nenhum papel a desempenhar, a menos que o Colégio Eleitoral não pronuncie um vencedor.

Trump está destinado a fechar a lacuna. O presidente jurou defender a Constituição dos Estados Unidos e tem poderes presidenciais para fazê-lo.

Trump deve usar esses poderes como presidente para salvaguardar o futuro de nossa República e prender aqueles que conspiraram para privar as pessoas de seus direitos por meio de fraude eleitoral. A Insurrection Act permite que Trump use os militares para apreender evidências eleitorais importantes em estados contestados e fornecer uma contagem transparente e precisa dos votos.

Nosso sistema está em crise. Trump estaria agindo para restaurar o Estado de Direito.

Ao abrir registros, a honestidade pode vencer a fraude. Os desejos da maioria das pessoas se tornarão realidade e a vitória que o comunismo busca será derrotada.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas