Editorial: existe uma cura para a pneumonia do Partido Comunista Chinês – diga não ao PCC

O caminho do vírus do PCC, conforme se espalhava pelo mundo, passou por países, cidades, organizações e indivíduos que estão intimamente relacionados ao PCC

Por Conselho Editorial do Epoch Times

Comentário

Este ano, o vírus do PCC (conhecido como vírus de Wuhan ou novo coronavírus) se espalhou rapidamente, enquanto o Partido Comunista Chinês (PCC) ocultava a situação real na China, causando perdas incalculáveis ​​para o mundo.

A praga parece imprevisível, mas a maneira como ela se espalha indica que o vírus tem uma meta e um propósito: está buscando o PCC para eliminá-lo e os fatores associados a ele.

Até agora, o vírus do PCC se espalhou para a maioria dos países do mundo, com mais de 2,6 milhões de pessoas infectadas e 205.000 mortas – supondo que alguém valorize o relatório oficial de morte chinês de 4.642. De fato, muitos chineses acreditam que o número real de mortes é pelo menos dez vezes o número publicado.

Diante de uma enorme perda de vidas e devastação econômica, os governos e povos de vários países precisam refletir com urgência sobre a relação entre a praga e o Partido Comunista e o que indivíduos e países devem fazer para evitar a epidemia e se salvar.

A história sombria do Partido Comunista está entrelaçada com guerra, fome, praga e morte. A série editorial do Epoch Times, “Nove Comentários sobre o Partido Comunista”, aponta que “a essência do comunismo é um fantasma do mal”, cujo objetivo final é destruir a humanidade. O PCC é o último representante do espectro maligno do comunismo no mundo.

A tirania de 70 anos do PCC matou 80 milhões de chineses e destruiu a cultura e a moral tradicionais da China. Nos últimos 30 anos, desde o massacre da Praça da Paz Celestial de Tiananmen em 1989, até a perseguição aos praticantes do Falun Gong que começou em 1999, à atual repressão e bullying do povo chinês em larga escala, violência e mentiras do PCC trouxeram catástrofes para a China e o mundo.

Por quase 40 anos, o PCC usou a isca de incentivos econômicos para se infiltrar e corromper outros países. Sob a cobertura da globalização, dos Institutos Confúcio e da iniciativa “Um Cinturão, Uma Rota”, e através de vários canais, como política, economia, cultura, educação, ciência e tecnologia, e assim por diante, o PCC procurou espalhar a ideologia comunista, atrair as pessoas para longe do caminho traçado por Deus e trair Deus. Assim, tem atingido seu objetivo final de destruir pessoas.

Quando aqueles países e regiões atraídos por interesses econômicos aumentaram seu envolvimento com o PCC e o endossaram, eles não sabiam que a má sorte estava associada. O caminho do vírus do PCC, conforme se espalhava pelo mundo, passou por países, cidades, organizações e indivíduos que estão intimamente relacionados ao PCC.

Cidade de Nova Iorque, o ponto de interesse

Em 23 de abril, de acordo com dados do site de estatísticas da Universidade Johns Hopkins, havia mais de 840.000 casos confirmados e mais de 40.000 mortes nos Estados Unidos. O número de casos confirmados no Estado de Nova Iorque é responsável por um terço do total nacional e o número de mortes por quase metade.

Desde a visita do presidente Nixon à China em 1972, os Estados Unidos prestam apoio crítico ao PCC de várias formas nos campos da política, assuntos militares, diplomacia, economia, finanças, educação e ciência e tecnologia. Mais tarde, quando os Estados Unidos ajudaram a China a se tornar membro da Organização Mundial do Comércio (OMC), concederam ao PCC acesso à comunidade internacional e fizeram com que enormes quantidades de riqueza ocidental fossem transferidas para a China, tornando a China a “fábrica mundial. ”

Os círculos políticos e grupos de reflexão americanos acreditam que os Estados Unidos construíram a China e enriqueceram o PCC. A reavaliação de qual posição adotar em relação ao PCC e as mudanças políticas subsequentes ocorreram apenas nos últimos anos.

Sem a ajuda dos Estados Unidos, e sem o apoio de tantas empresas multinacionais, gigantes de alta tecnologia e grandes grupos financeiros, o PCC não poderia ter se desenvolvido rapidamente de um regime à beira do colapso econômico a um hegemônio emergente capaz de desafiar os Estados Unidos.

Como metrópole número um do mundo, Nova Iorque é o centro global de economia, finanças, comércio e mídia. Também tem grande influência na política global, educação e entretenimento. É também o local da sede das Nações Unidas. Em vista de seu status e influência especiais, a cidade de Nova Iorque desempenhou um papel importante ao ajudar o PCC a alcançar suas agendas e promover seus interesses.

Wall Street, que representa o capital financeiro americano, “transfundiu sangue” para o PCC por muitos anos e se tornou o financiador por trás das cortinas, ajudando o regime comunista chinês a prolongar sua vida.

Ao se infiltrar na economia, finanças, comércio, mídia, cultura, educação, comunidade chinesa-americana e outros campos de Nova Iorque, o PCC canalizou riqueza e tecnologia de volta para a China. Ao exportar sua ideologia e abuso dos direitos humanos para o mundo, ele tentou conquistar a liderança mundial e desafiar os Estados Unidos.

Esses fatores tornaram Nova Iorque o principal alvo de ataques do vírus do PCC.

A situação devastadora no Irã

O PCC considera o Irã um camarada íntimo. Embora os números oficiais da epidemia do Irã não sejam tão altos quanto alguns outros países ocidentais, os analistas acreditam que os números de casos confirmados e número de mortos no Irã devem ter sido muito subnotificados. Semelhante ao PCC, o Irã é um regime autoritário que provavelmente ocultou a verdadeira escala na tentativa de “manter a ordem social”.

Muitas autoridades iranianas de alto escalão foram infectadas e muitas morreram como resultado, incluindo o primeiro vice-presidente do Irã e o vice-ministro da Saúde.

O PCC apoia o Irã há anos, oferecendo ajuda econômica e armas. Ele até forneceu a principal tecnologia de armas nucleares ao Irã, a fim de ameaçar e restringir os países democráticos.

Nos últimos dez anos, o PCC também fez grandes investimentos no Irã, tornando-se o maior parceiro comercial do país. O PCC violou abertamente as sanções contra o Irã e dele importou uma grande quantidade de petróleo.

Para a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota, que o PCCh lançou em 2013 para exportar a hegemonia comunista, o Irã é um importante centro geográfico e estratégico a partir do qual o PCC pode penetrar na Europa, Ásia e África.

Países da Europa

Além da China e do Irã, dos estados com maior número de casos (5000 ou mais), a Espanha tem o maior número relativo (355 por 100.000 pessoas), onde 200.000 pessoas foram infectadas e 20.000 morreram. Três parentes próximos do primeiro-ministro Sanchez e do vice-primeiro ministro do gabinete foram infectados.

A grave epidemia enviou um forte aviso à Espanha de que as políticas pró-comunistas do governo trouxeram infortúnios ao país.

A Espanha foi o primeiro país da UE a iniciar relações amigáveis ​​com o PCC após o massacre da Praça da Paz Celestial em 4 de junho de 1989.

O primeiro-ministro Sanchez optou por estreitar o relacionamento com o PCC depois de assumir o cargo em 2018. Ele não apenas confirmou a “parceria estratégica” da Espanha com ele, mas também elogiou a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota do PCC. Quando o PCC foi criticado por vários países por ocultar a epidemia, Sanchez ainda expressou seu apoio repetidamente.

A Itália é a área mais atingida da Europa.

A causa principal do país ser atingido com força pelo vírus do PCC se deve à íntima relação entre o governo italiano e o PCC.

A Itália é membro do G7, um país desenvolvido e democrático. Apesar da oposição de seus aliados ocidentais, formou uma aliança com o PCC em março de 2019 para “fortalecer uma parceria estratégica abrangente”. A Itália também é o primeiro país da UE a assinar a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota do PCC.

A Itália tem 74 cidades irmãs com a China comunista, incluindo a Lombardia, a cidade com o maior número de infecções e mortes, e cidades como Milão, Veneza e Bérgamo.

Os principais países europeus, como Grã-Bretanha, França e Alemanha, agora também foram pegos pelo vírus do PCC. As pessoas sofreram enormes perdas e até o primeiro-ministro britânico foi infectado.

Uma coisa que esses países têm em comum é o fato de estarem “próximos” do PCC nos últimos anos. Por exemplo, o PCC quer usar o 5G da Huawei para se infiltrar no mundo, mas a Grã-Bretanha, a França e a Alemanha ignoraram os avisos dos EUA e deram luz verde à empresa.

As regiões com os piores surtos nesses países – Londres, Oise, França e Renânia do Norte-Vestfália, Alemanha – também estabeleceram relações amistosas com o Partido Comunista Chinês.

Quando a pandemia atingiu o mundo, as experiências dos países europeus soaram o alarme para o mundo.

A severidade nos países vizinhos da China varia

Comparadas com os países europeus e americanos, as situações nas áreas próximas à China continental ilustram mais claramente a relação entre a epidemia e o PCC.

Japão, Coreia do Sul, Hong Kong e Taiwan são vizinhos próximos da China continental. O número de pessoas infectadas em Hong Kong e Taiwan é muito menor do que o número de infectados no Japão e na Coreia do Sul. A principal diferença é a atitude deles em relação ao PCC.

Atualmente, o Japão e a Coreia do Sul têm mais de 10.000 pessoas infectadas. Em Hong Kong e Taiwan, que mantêm relações comerciais e econômicas mais estreitas com a China continental, o número de casos confirmados é de apenas 1.038 e 429, respectivamente. Entre eles, os primeiros casos em Hong Kong foram importados do continente e, posteriormente, as pessoas infectadas incluem policiais e agentes pró-governo. A grande maioria dos casos em Taiwan é importada do exterior.

Desde que estabeleceu relações diplomáticas com o regime do PCC em 1992, a Coreia do Sul fortaleceu gradualmente suas relações econômicas e comerciais com o PCC. Depois que o atual governo chegou ao poder, ele se aproximou do PCC e aumentou o investimento bilateral.

Embora a relação entre o governo japonês e o PCC não seja estreita, um grande número de empresas japonesas investiu na China, contando com o PCC e transferindo recursos vitais para ele. O Japão e o PCC formaram 256 pares de relações provinciais e municipais amigáveis. Entre eles, Hokkaido, Tóquio, Prefeitura de Aichi, Prefeitura de Kochi e outras regiões têm sérias epidemias do vírus do PCC.

Embora Hong Kong e Taiwan tenham relações econômicas e comerciais extremamente estreitas com o continente, o povo de Hong Kong e Taiwan não ficou cego por seus interesses financeiros. Em 2019, o povo de Hong Kong lançou protestos em larga escala contra o controle do PCC e até arriscou suas vidas para enfrentá-lo.

A brutal repressão dos protestos de Hong Kong revelou a verdadeira face do PCC e despertou o povo de Taiwan. A votação em janeiro para uma presidente pró-liberdade mundial mostrou a determinação do povo de Taiwan em manter distância do PCC. Os resultados da eleição presidencial salvaram Taiwan.

Hoje em Taiwan, as pessoas não estão em quarentena em casa, a economia não está suspensa, mas o número de infecções e mortes está entre os mais baixos do mundo. A chave para o sucesso anti-epidêmico de Taiwan está na desconfiança do PCC e na recusa de seguir cegamente a OMS, que está sendo controlada pelo PCC.

A situação epidêmica em Hong Kong e Taiwan revela o segredo do sucesso da prevenção e da autoajuda durante a pandemia do vírus do PCC – apenas rejeitando o PCC podemos resistir ao vírus do PCC!

Uma cura eficaz para o vírus do PCC

As principais pragas sempre aparecem de repente e, em um determinado momento, desaparecem sem deixar rasto. Registros históricos mostram que todos elas têm um objetivo claro.

A peste bubônica no final da dinastia Ming foi um exemplo típico. A transição de Ming para Qing, também conhecida como conquista Manchu da China, foi um período de décadas de batalhas entre o exército Qing, estabelecido pelo clã Manchu no nordeste da China, o exército Ming e o exército Li Zicheng, um rebelde exército camponês.

A peste bubônica nesse período apontou apenas para o exército Ming, deixando o exército Qing e o exército de Li Zicheng inalterados.

O Império Romano foi atingido por quatro grandes pragas. Segundo registros históricos, os cristãos eram imunes a essas pragas, que são consideradas uma punição imposta àqueles que perseguiram os cristãos.

Pode-se ver que a chegada de uma praga não é acidental. A epidemia do vírus do PCC foi desencadeada pelos crimes perversos do PCC e se espalhou globalmente devido à ocultação do PCC. A disseminação do vírus mostra um padrão claro, ou seja, visa seletivamente o PCC e visa eliminar o PCC e aqueles que são pró-comunistas ou que têm laços estreitos com o PCC.

Todas as regiões atingidas pelo vírus fora da China são aquelas que mantêm laços íntimos com o PCC, aquelas que apoiaram o PCC em termos de comércio, investimento ou ajudam o PCC a melhorar sua imagem internacional. Da mesma forma, os indivíduos que têm apoiado o PCC frequentemente se vêem vulneráveis ​​ao vírus do PCC.

De fato, esse padrão de expansão ajuda a apontar um caminho para salvar vidas para todas as nações e pessoas em todo o mundo. É um caminho que se conecta diretamente ao lado espiritual de todos os seres.

Recentemente, há vários casos de pessoas se recuperando milagrosamente da pneumonia do PCC após condenarem o PCC. Alguns casos podem ser encontrados em relatórios de mídia.

Em março, três políticos importantes do Partido Vox, o terceiro maior partido da Espanha, contraíram o vírus. São Santiago Abascal, presidente da Vox, Javier Ortega Smith, secretário-geral e a segunda posição de maior destaque no Vox, e Macarena Olona, ​​membro do Congresso dos Deputados do Vox.

Surpreendentemente, todos os três se recuperaram da pneumonia do PCC logo após condenarem fortemente o PCC.

Em uma reunião da UE, o Vox propôs ativamente uma resolução contra o PCC e a OMS. Em uma sessão do parlamento doméstico, o Vox solicitou uma investigação internacional sobre a culpabilidade do regime comunista chinês.

Em fevereiro, Connie Brix, uma dinamarquesa, foi infectada com o vírus do PCC enquanto viajava pela Espanha. Sua condição piorou em março. Depois que Connie soube do encobrimento do PCC do surto, ela repreendeu o PCC com raiva por causar estragos no mundo inteiro. Dois dias depois, os sintomas de Connie desapareceram e ela também se recuperou milagrosamente.

Na China continental, depois que um paciente foi diagnosticado com pneumonia do PCC, ele denunciou o PCC por ocultar a epidemia e outras ações más. Ele então se recuperou com todos os sintomas desaparecidos completamente.

No entanto, ele foi enganado pela propaganda de lavagem cerebral do PCC e pensou que o sistema médico do PCC era seu salvador, tendo fornecido uma cura eficaz. Ele até se sentiu grato pelo PCCh. Como resultado, o vírus PCC retornou – ele teve uma recaída e testou positivo novamente.

Essas histórias verdadeiras nos dizem que a compreensão e a atitude de alguém em relação ao PCC determinarão se ele ou ela são imunes ao vírus do PCC. Rejeitar e condenar o PCC é uma cura eficaz para o vírus do PCC.

Por outro lado, apoiar o PCC, endossá-lo ou estabelecer uma estreita parceria com o PCC provavelmente convidará o vírus do PCC. Alguns podem até sofrer uma recaída se optarem pelo lado do PCC.

Todos anseiam por paz e saúde em meio a uma pandemia global. Diante desse súbito desastre, as limitações da tecnologia moderna e dos métodos de gerenciamento são óbvias. Lembre-se de que Deus cuida da humanidade há milhares de anos.

Olhe para o céu, defenda sua bondade interior, reflita sobre suas ações e rejeite o PCC – o representante do maior mal. Ao fazer isso, você será protegido por Deus. Esta é a proteção mais fundamental para a humanidade.

Infelizmente, se alguém está infectado com o vírus do PCC, sugerimos que você diga sinceramente “abaixo os demônios do PCC”. Talvez um milagre aconteça.

Ficar longe do PCC, condená-lo e não apoiá-lo pode ajudar qualquer indivíduo, organização e país a aliviar ou mesmo evitar os ataques do vírus do PCC. Eles então abraçarão um futuro maravilhoso.

A pandemia ocorreu por causa do PCC, e a situação mudará quando as pessoas mudarem suas atitudes em relação ao PCC. Por várias razões, algumas pessoas relutam em aceitar e acreditar nesta declaração. Elas também relutam em enfrentar esse problema sério.

Preocupados com a saúde da humanidade e com um senso de responsabilidade, pretendemos revelar a verdade e permitir que mais pessoas se beneficiem dela, para que possam se libertar da pandemia. Esperamos que todas as pessoas de bom coração passem por essa catástrofe o mais rápido possível.

Conselho Editorial

Veja também:

 
Matérias Relacionadas