Economistas alertam para o sofrimento econômico que o aumento dos fechamentos traria

Autoridades dos estados de Michigan e Washington anunciaram fechamentos parciais após número de casos do vírus do PCC ultrapassar 11 milhões em todo o país

Por Tom Ozimek

Enquanto vários estados liderados pelos democratas iniciam novos fechamentos em resposta aos casos crescentes do vírus do PCC nos Estados Unidos, os economistas estão alertando sobre as consequências financeiras dessa nova rodada de restrições.

Autoridades dos estados de Michigan e Washington anunciaram fechamentos parciais, depois que o número de casos do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) ultrapassou 11 milhões em todo o país, com 8.263 mortes na última semana, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

A administração da governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, ordenou no domingo que escolas e faculdades suspendessem as aulas presenciais, fechassem salas de jantar internas e suspendessem os esportes organizados – incluindo os playoffs de futebol – em uma tentativa para conter o aumento de casos no estado. A ordem também restringe encontros residenciais internos e externos, fecha algumas instalações de entretenimento e proíbe academias de aulas de ginástica em grupo. O Michigan registrou 431 mortes pelo vírus do PCC na semana passada.

As novas regras, que durarão três semanas, são amplas, mas não tão amplas quanto a ordem de permanência em casa que o governador democrata deu na primavera passada. Na época, ele enfrentou críticas da legislatura liderada pelos republicanos, que se recusaram a expandir a declaração de emergência do coronavírus no estado e autorizaram um processo que desafiava a autoridade de Whitmer de impor restrições. O governador enfrentou resistência daqueles que se opuseram à decisão de endurecer em vez de relaxar o que já era uma das ordens de permanência em casa mais rígidas do país.

A governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, no Beech Woods Recreation Center em Southfield, Michigan, em 16 de outubro de 2020 (Chip Somodevilla / Getty Images)
A governadora do Michigan, Gretchen Whitmer, no Beech Woods Recreation Center em Southfield, Michigan, em 16 de outubro de 2020 (Chip Somodevilla / Getty Images)

As diretrizes do Michigan foram divulgadas no mesmo dia em que o governador de Washington, Jay Inslee, anunciou que o estado iria impor novas restrições a negócios e reuniões sociais durante o mês seguinte, já que também continua a combater um número crescente de casos.

A partir de terça-feira, academias e alguns centros de entretenimento em Washington terão que fechar serviços internos. As lojas de varejo, incluindo supermercados, precisarão limitar a capacidade interna, e as reuniões sociais internas com várias famílias serão proibidas, a menos que os participantes tenham sido colocados em quarentena por 14 dias ou testado negativo para a COVID-19 e tenham sido colocados em quarentena por uma semana. A partir de quarta-feira, os restaurantes e bares estarão mais uma vez limitados a refeições ao ar livre e serviço take away.

Embora não tão amplas quanto as impostas na primavera passada, as restrições em Michigan e Washington significaram retornos semelhantes às medidas tomadas nos primeiros meses da pandemia do vírus do PCC nos Estados Unidos, quando ambos foram submetidos a ordens rígidas de permanência em casa.

Economistas alertaram que, agravadas pela fraca perspectiva de medidas fiscais para amenizar o impacto dos fechamentos, as novas restrições ameaçam renovar o sofrimento econômico.

“Isso é um mau presságio para as empresas, pois é improvável que elas tenham o mesmo apoio fiscal que receberam durante o verão, já que o Congresso e a Casa Branca permanecem parados nas negociações de estímulo”, escreveu Joseph Song, economista-chefe do Bank of America nos EUA, em uma nota na sexta-feira, de acordo com Axios.

“Mais empresas correrão o risco de falir permanentemente, o que reduziria a demanda por mão de obra e potencialmente estimularia novas rodadas de demissões”, acrescentou Song.

Economistas da Brean Capital disseram em nota ao cliente, citada por Axios, que um fator atenuante para os prováveis ​​danos econômicos causados ​​por outra rodada de fechamentos seria se “os políticos no Congresso podem estender a ponte de receita” e prevenir “o impacto negativo do segundo turno na economia devido à deterioração dos orçamentos estaduais e municipais”.

Mas outro pacote de estímulo parece muito distante, com nem democratas nem republicanos tentando oferecer concessões em um novo projeto de lei de alívio do vírus do PCC.

A Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi (D-Califórnia), dá uma entrevista coletiva no Capitólio em Washington em 6 de novembro de 2020 (Nicholas Kamm / AFP via Getty Images)
A Presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi (D-Califórnia), dá uma entrevista coletiva no Capitólio em Washington em 6 de novembro de 2020 (Nicholas Kamm / AFP via Getty Images)

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi (D-Calif.) e o líder da minoria do Senado, Chuck Schumer (D-N.Y.), disseram em uma entrevista coletiva na quinta-feira que nenhum deles tem planos de mudar posição para exigir um pacote de estímulo de US$ 2 trilhões e se recusar a reduzir sua oferta.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell (R-Ky.) e o líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy (R-Califórnia), rejeitaram a oferta dos democratas.

“Percebi que [Pelosi] e o líder democrata no Senado ainda procuram algo muito maior. Esse não é um lugar que eu acho que estamos dispostos a ir”, disse McConnell ao Politico. “Mas eu acho que tem que haver outro pacote. Esperançosamente podemos superar o impasse que tivemos por quatro ou cinco meses e levar a sério”.

O líder da maioria no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell (R-Ky.), Fala à imprensa e a apoiadores durante um evento eleitoral em Lawrenceburg, Ky., Em 28 de outubro de 2020 (Jon Cherry / Getty Images)
O líder da maioria no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell (R-Ky.), fala à imprensa e a apoiadores durante um evento eleitoral em Lawrenceburg, Ky., Em 28 de outubro de 2020 (Jon Cherry / Getty Images)

McConnell disse que a economia dos EUA está se recuperando, o que significa que projetos de estímulo menores e específicos são necessários.

Pelosi disse a repórteres que não tem intenção de aprovar um pacote de estímulo de apenas US$ 500 bilhões, que é o que McConnell propôs no passado.

“Nossa posição é a mesma de sempre”, disse Pelosi a repórteres. “Estamos no mesmo lugar e ainda mais”.

Com informações de Jack Phillips e The Associated Press.

Siga Tom no Twitter: @OZImekTOM

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas