Dragões orientais se manifestam como figuras auspiciosas

Dragões no Oriente tem uma conotação positiva e são conhecidos por terem acompanhado vários grandes imperadores no terceiro milênio a.C, quando eles desceram dos céus e, após terem completado suas missões, voltaram para os reinos celestes (S. M. Yang/The Epoch Times)

O ano novo chinês será comemorado em 23 de janeiro este ano. Após o ano do coelho, o ano seguinte é o do dragão. Diferente dos dragões ocidentais, na tradição chinesa, os dragões tem uma boa reputação.

Na cultura chinesa, o dragão tem sido descrito como uma criatura divina, com um corpo gigante como um bicho-da-seda, escamas como uma carpa, cabeça de camelo, chifres de cervo, olhos de fantasma, garras de águia, patas de tigre e orelhas como as de um boi.

Apesar de suas características complicadas, os dragões têm sido retratados mais ou menos da mesma maneira em templos, palácios, livros, pinturas e esculturas ao longo da história chinesa. Os antigos chineses reverenciavam tanto os dragões, que eles se tornaram a única criatura celestial no zodíaco chinês.

Embora os dragões tenham sido muitas vezes associados com reinos míticos, segundo os registros históricos chineses, dragões apareciam na terra de tempos em tempos. O mais antigo registro de um dragão data da época de Fu Xi, o criador da civilização chinesa, que se acredita ter sido meio humano meio dragão.

De acordo com as lendas, dragões apareceriam nos céus nas datas do nascimento ou morte de grandes figuras históricas chinesas, tal como o Imperador Amarelo (c. 2600 a.C.), o Imperador Yao (c. 2300 a.C.), o Imperador Shun (c. 2200 a.C.) e Yu, o Grande (c. 2100 a.C.), servindo como a personificação dos grandes e sábios imperadores.

Diz-se que o Imperador Amarelo fez um grande ‘ding’ – um tripé antigo com duas alças de aço, usado para adorar o céu – na base da Montanha Qiao, na província de Guangdong, em 2598 a.C. Quando ele foi concluído, os portões do céu se abriram e um dragão amarelo desceu. O Imperador Amarelo subiu ao céu com 70 de seus chanceleres montando o dragão amarelo.

Em outras lendas, dragões orientais foram representados como criaturas com poderes mágicos que podiam ajudar os imperadores a suprimir revoltas em tempos de guerra. Com o tempo, as pessoas passaram a interpretar a aparição de dragões no céu como uma indicação de que algo importante aconteceria ou como um sinal de boa sorte.

Epoch Times publica em 35 países em 19 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas