Donald Trump Jr. responde à participação de Hillary Clinton na premiação do Grammy

O filho do presidente norte-americano Donald Trump ridicularizou Hillary Clinton no Twitter no domingo, 28 de janeiro, depois que a candidata presidencial derrotada usou a oportunidade de participação na premiação do Grammy para atacar seu pai.

Clinton apareceu numa montagem satírica em que várias celebridades leram trechos de um livro de Michael Wolff, um colunista de fofocas conhecido por ataques de reputação e distorcer a verdade.

Hillary Clinton foi precedida pelo rapper e criminoso condenado Snoop Dogg, juntamente com vários outros músicos. Em sua vez na leitura, Clinton fechou o segmento depois que ela foi “escolhida” para ser a voz da versão de áudio do livro de Wolff, “Fire and Fury” (“Fogo e Fúria”).

Donald Trump Jr. enviou duas mensagens no Twitter em resposta ao ataque de Clinton.

O filho do presidente não foi o único incomodado com o conteúdo político do programa anual de prêmios musicais. A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, também escreveu no Twitter sobre o seu descontentamento com a política subliminarmente inserida ao longo do show.

“Sempre amei os Grammys, mas ter artistas lendo o livro ‘Fogo e Fúria’ arruinou o evento”, escreveu Haley no Twitter no domingo: “Não arruínem a música com lixo. Alguns de nós amamos a música sem a política imiscuída nela.”

Estados Unidos, Donald Trump, Hillary Clinton, assassinato de reputação, Grammy - A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, fala durante um comunicado de imprensa na seda das Nações Unidas na cidade de Nova York em 2 de janeiro de 2018 (Drew Angerer/Getty Images)
A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, fala durante um comunicado de imprensa na seda das Nações Unidas na cidade de Nova York em 2 de janeiro de 2018 (Drew Angerer/Getty Images)

O produtor executivo do Grammy, Ken Ehrlich, disse à Fox News que foi fácil conseguir que Hillary Clinton participasse na montagem. Clinton gravou seu segmento em casa dois dias antes do evento ser exibido.

“Ela demorou alguns dias para dizer ‘sim’, mas, finalmente, ela viu o roteiro, ela sabia o que estávamos fazendo e gostou”, disse Ehrlich à Fox News.

Trump Jr. e Haley não foram os únicos a se afastarem do Grammy devido à política. A audiência do evento caiu 24% em relação ao ano passado, de acordo com a mídia Deadline.

Audiência da premiação do Grammy despenca

De acordo com os dados iniciais da classificação Nielsen na segunda-feira, 29 de janeiro, a audiência de televisão nos EUA para o show de premiação do Grammy de domingo na CBS caiu em 8 milhões de telespectadores.

TVLine e Variety, citando os números da Nielsen, disseram que 17,6 milhões de americanos assistiram à cerimônia de premiação da música. Isso representa uma queda de mais de 30% em relação aos números em 2017, quando 26,1 milhões assistiram ao evento.

“Devido à rápida mudança dos cidadãos nacionais em função da natureza ao vivo do evento, o Grammy está registrando atualmente 17,6 milhões de telespectadores totais e uma classificação de 5,4. Apesar de ajustes pendentes, isso representa a menor audiência em uma década (desde 2008, quando atraiu 17,2 milhões)”, informou a TVLine.

NTD Television

Leia também:
• EUA: 75% da audiência aprovou discurso do Estado da União de Trump
• EUA: por que o memorando é tão significante
• Trump revela sua maior lição aprendida no primeiro ano de presidência
• Trump no Estado da União: “Estamos redescobrindo o estilo americano”
• Presidente Trump, publique o memorando em seu discurso do Estado da União
• Vice-diretor do FBI renuncia ao cargo antes da publicação de memorando explosivo
• Complô da gestão Obama para exonerar Hillary Clinton começa a vazar, diz ex-procurador federal

 
Matérias Relacionadas