Documentos vazados revelam que autoridades chinesas se recusaram a seguir ordens de Xi

Xi ainda não conseguiu livrar o Partido de funcionários desleais e fazer seus subordinados seguirem suas diretivas

Por Gu Qing-Er

Ao longo da história chinesa, a Cordilheira Qinling na China era conhecida como “a veia do dragão”.

A cidade de Xi’an, a antiga capital de pelo menos 11 dinastias chinesas, está situada entre as montanhas, uma característica geológica que divide a China em suas regiões norte e sul. Qinling era considerado um lugar sagrado com conexões com os governantes do império chinês.

Nos tempos modernos, as autoridades locais construíram ilegalmente vilas luxuosas perto das montanhas e as transformaram em um negócio.

Desde que o líder chinês Xi Jinping subiu ao poder em 2012, ele lançou uma ampla campanha anticorrupção para livrar o Partido Comunista Chinês de seus rivais políticos. Desde 2014, Xi tinha como alvo os funcionários corruptos envolvidos nas aldeias Qinling e tentou demolir as estruturas.

Entre eles está o ex-chefe do Partido para a província de Shaanxi, no noroeste, Zhao Zhengyong, que recebeu uma sentença de morte de dois anos por suborno. Sabe-se que Zhao tinha laços estreitos com o ex-líder do Partido, Jiang Zemin. Uma facção leal a Jiang se opõe à liderança de Xi.

Mas um documento interno do governo sobre o projeto “antissuborno” de Qinling revelou que o trabalho de demolição foi continuamente paralisado e que algumas vilas ainda estavam em operação.

Analistas da China observaram que isso indica que Xi ainda não conseguiu livrar o Partido de funcionários desleais e fazer seus subordinados seguirem suas diretivas.

Documentos

O Epoch Times obteve recentemente de uma fonte confiável um relatório interno do governo publicado no início de 2018 pelo escritório Qinling do comitê municipal do Partido Comunista da Cidade de Xi’an.

De acordo com o documento, uma equipe da Comissão Central de Inspeção Disciplinar (CCID), Comitê de Vigilância do Partido contra a Corrupção Interna, realizou uma inspeção nas aldeias Qinling entre 9 de agosto e 13 de outubro de 2017.

O relatório menciona que o CCID identificou dois resorts ilegais que foram considerados “reformados”, mas na verdade ainda estavam em operação. O escritório de Qinling também observou que 7.404 “problemas” foram descobertos.

O relatório, que tem mais de 20.000 palavras, gasta apenas 2.300 palavras descrevendo construções ilegais. O resto é sobre os requisitos ideológicos para seguir a linha do Partido.

Por exemplo, o gabinete de Qinling ordenou aos membros do Partido “lerem o relatório do 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China”, referindo-se a um conclave que ocorre a cada cinco anos, para determinar quem irá suceder os lídere do partido. Durante o 19º congresso em 2017, Xi consolidou seu poder quando o congresso decidiu remover os limites de mandato do presidente do Partido da Constituição chinesa.

O documento também observou que os funcionários foram solicitados “persistentemente a escrever à mão o texto original do relatório do 19º Congresso Nacional e a recém-revisada constituição do Partido”.

O comentarista chinês Li Linyi analisou que isso indica que o trabalho anticorrupção no escritório de Qinling é bastante superficial e não produziu mudanças concretas.

Ele também observou que a mídia estatal chinesa noticiou a demolição de 1.185 vilas Qinling em agosto de 2018, quando o CCID foi enviado de volta à área para uma investigação anticorrupção.

Dado que o relatório interno foi divulgado no início de 2018, significa que nessa altura as autoridades locais não tinham iniciado qualquer trabalho de demolição.

Mas, ironicamente, o escritório de Qinling disse no documento que “obteve bons resultados” em seu trabalho anticorrupção.

Xi deu ordens para demolir as vilas Qinling em 2014, de acordo com informações de janeiro de 2019 da emissora estatal chinesa CCTV. Depois de seis instruções em cinco anos, as autoridades finalmente destruíram 1.185 vilas e apreenderam outras nove.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas