Documentos internos revelam como as autoridades chinesas suprimem a publicidade negativa na Internet

PCC dedica enormes recursos para controlar a informação e manipular a opinião pública com base em seus interesses

Por Alex Wu

Uma série de relatórios internos do governo revelou em mais detalhes como as autoridades chinesas censuram e suprimem notícias negativas, especialmente incidentes que poderiam atrair o escrutínio de autoridades.

De acordo com as próprias estimativas do regime chinês, em 2019 havia mais de 850 milhões de usuários de Internet na China. Desde o advento da Internet, o líder Partido Comunista Chinês (PCC) dedicou enormes recursos para controlar a informação e manipular a opinião pública com base em seus interesses.

Além da vigilância online e remoção de postagens de palavras-chave que o regime chinês desaprova, duas táticas que o PCC usa para lidar com a publicidade negativa foram reveladas em documentos das autoridades da província de Henan recebidos pelo Epoch Times.

Suprimir notícias negativas

No anuário da cidade de Zhumadia sobre “Trabalho na Internet”, as autoridades detalham como espalham informações falsas para manipular a opinião pública.

Em 2016, a filial local do Nanyang City Cyberspace Affairs Office suprimiu fotos de um acidente de carro fatal que causou várias vítimas e publicou diferentes versões tentando minimizar seu impacto “negativo”, de acordo com os documentos.

De acordo com relatos da mídia chinesa, em 29 de fevereiro de 2016, em um cruzamento em frente ao First High School da cidade, um SUV branco acelerou repentinamente e se dirigiu em direção a um grupo de alunos, matando 1 e ferindo 11. O motorista era um chefe de repartição aposentado da promotoria de Nanyang. Depois de se aposentar, ele trabalhou para uma imobiliária local. Depois que a empresa acumulou dívidas enormes e o empresário fugiu, o homem foi perseguido pelos credores. Ele jogou o carro intencionalmente em cima de uma multidão para se vingar da sociedade, de acordo com relatos da mídia.

As autoridades locais logo tomaram medidas para controlar a opinião pública sobre o incidente. Primeiro, o Escritório de Assuntos do Ciberespaço local “prontamente relatou às autoridades superiores para sua investigação e avaliação” e, em seguida, o Departamento de Propaganda do comitê provincial do Partido “estabeleceu requisitos e diretrizes estabelecidas” para relatar o incidente. A mídia e as agências de notícias locais não foram autorizadas a relatar o incidente antes que o governo divulgasse a versão oficial. As autoridades também ordenaram que a mídia removesse todas as fotos e vídeos do incidente de seus sites.

No entanto, a estratégia parece ter saído pela culatra, de acordo com o documento. A versão oficial do acidente continha informações conflitantes e não parava de mudar. O público a criticou e questionou, segundo o documento.

Fragmento dos documentos internos da cidade de Zhumadian, província de Henan (Fornecido ao Epoch Times)
Fragmento dos documentos internos da cidade de Zhumadian, província de Henan (Fornecido ao Epoch Times)

Na época, um estudante universitário local expressou em uma entrevista ao Epoch Times em língua chinesa: “‘ dirigir bêbado ’e‘ perder o controle do veículo’ é um total absurdo!” As autoridades admitiram que sua intervenção “causou mais atenção e opinião pública negativa sobre o incidente e pânico na sociedade”.

Isso aconteceu de forma semelhante com um tiro de um policial contra um homem desarmado ocorrido em 2 de maio de 2017. Um sedã preto foi bloqueado pela polícia em uma saída de rodovia na cidade de Sanmenxia. Quando o motorista tentou dar meia-volta e ir embora, vários policiais abriram fogo e mataram o motorista que estava dentro.

Vários vídeos do tiroteio circularam na internet e chamaram a atenção do público.

O documento afirmava que a polícia municipal e a Administração do Ciberespaço (um órgão de censura) logo fizeram declarações públicas para “orientar o desenvolvimento da opinião pública”. Ele também escreveu uma diretiva para os trolls da Internet contratados pela cidade, conhecidos como exército de 50 centavos, instruindo-os a fazer comentários positivos. As redes sociais oficiais da polícia municipal também tiveram que “curtir” essas postagens. Se houver comentários negativos, os trolls devem “conduzir um guia interativo”, o que significa que eles devem responder às postagens com comentários positivos sobre o governo local.

Apesar da estratégia abrangente e das instruções detalhadas, a história oficial das autoridades sobre o incidente foi questionada pelo público. “O sujeito não atirou na polícia, ele nem tinha uma arma para resistir à prisão”, comentou um internauta na época. “É sua velha rotina: primeiro mate a pessoa e depois plante evidências para incriminá-la”, disse outro.

Desviando a atenção

Outra tática é desviar a atenção do público de um incidente negativo, criando um novo “tópico controverso”.

O documento explicava como a tática funcionava em um caso de fraude telefônica e de telecomunicações locais. Em 26 de setembro de 2016, a mídia da China continental informou que 113 moradores do condado de Shangcai, na cidade de Zhumadian, eram procurados pela polícia por se passarem por militares para cometer fraude nas telecomunicações. Isso atraiu muita atenção do público na Internet.

Após a denúncia do caso de fraude, “para reverter essa situação”, a Administração do Ciberespaço da Cidade decidiu realizar um evento de publicidade / relações públicas na Internet, “para divulgar e orientar a opinião pública online”, em outras palavras, para desviar a atenção do público do caso de fraude.

As autoridades decidiram, em vez disso, promover um próximo festival cultural. Uma equipe de trolls da Internet contratada pela cidade e pelo concelho escreveu um grande número de artigos relacionados com o evento e estabeleceu temas em fóruns virtuais relevantes. Eles também postaram comentários e compartilharam artigos mais de 1.000 vezes em 48 horas, de acordo com o documento. No final, o governo concluiu que, com este novo tema quente, conseguiu desviar a atenção do público do caso de fraude.

Segundo o documento, na época, a cidade de Zhumadian contava com 720 plataformas online e contas nas redes sociais que participavam de uma discussão online sobre o festival cultural. Em 2017, havia mais de 1.500 trolls online trabalhando para a pequena cidade, de acordo com o documento.

Propaganda “Unificada”

O documento também mostrou que as autoridades do governo local e central frequentemente se coordenam para garantir que seus discursos de propaganda sejam sincronizados.

Por exemplo, em 22 de setembro de 2016 no condado de Sui, um ônibus escolar do jardim de infância colidiu com um grande caminhão, causando várias vítimas. A mídia estatal deu dois números diferentes de vítimas. Henan Business Daily e Dahe Daily relataram 6 mortos e 28 feridos com fotos da cena; enquanto a Xinhua relatou apenas 13 feridos, incluindo 2 em estado crítico. Logo, o relatório do Dahe Daily foi removido. O documento registra que, após o incidente, a Administração do Ciberespaço da cidade de Shangqiu interrogou e repreendeu vários funcionários que administravam as contas do governo nas redes sociais enquanto postavam e compartilhavam “informações falsas”.

A Administração do Ciberespaço também questionou os gerentes do Henan Business Daily e Dahe Daily, e ordenou-lhes que se “reformassem” imediatamente e responsabilizassem o pessoal relevante pela discrepância nas vítimas relatadas.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas