Publicado em - Atualizado em 12/05/2017 às 18:48

Documentário Hondros, um olhar suave sobre um fotojornalista destemido

Filme ganha Prêmio Popular no Tribeca Film Festival

O fotógrafo do Getty Images Chris Hondros caminha pelas ruas em 3 de agosto de 2003, em Monrovia, Libéria. Hondros, que estava em missão em Misrata, na Líbia, foi morto em 20 de abril de 2011 por uma granada propulsada por foguetes (Nic Bothma/EPA via Getty Images)

O fotógrafo do Getty Images Chris Hondros caminha pelas ruas em 3 de agosto de 2003, em Monrovia, Libéria. Hondros, que estava em missão em Misrata, na Líbia, foi morto em 20 de abril de 2011 por uma granada propulsada por foguetes (Nic Bothma/EPA via Getty Images)

O fotógrafo novaiorquino Chris Hondros tirou fotos que cimentaram a compreensão mundial de muitos eventos significativos.

A imagem de 2003 de um soldado liberiano saltando de alegria após bater sua meta fez a capa de cada grande jornal ao redor do mundo e pôs o conflito no mapa. A menina manchada com sangue derramando fora de um carro depois de seus pais terem sido baleados por soldados americanos em Tel Afar em 2005 se tornou uma imagem icônica da violência em curso no Iraque. O conjunto de seu trabalho abrange algumas das imagens mais poderosas da humanidade em alguns dos lugares mais voláteis do mundo.

Seu corpo de trabalho é notável, mas conhecidos e colegas dizem que a história do homem por trás da lente, uma pessoa de espírito incrível, foco e empatia, é igualmente notável.

Um comandante da milícia liberiana leal ao governo comemora depois de disparar uma granada propulsada por foguetes contra forças rebeldes numa ponte estratégica em 20 de julho de 2003 em Monrovia, Libéria. Hondros manteve contato com o soldado, Joseph Duo, e o ajudou a cursar uma formação para uma carreira na Justiça criminal (Chris Hondros/Getty Images)

Um comandante da milícia liberiana leal ao governo comemora depois de disparar uma granada propulsada por foguetes contra forças rebeldes numa ponte estratégica em 20 de julho de 2003 em Monrovia, Libéria. Hondros manteve contato com o soldado, Joseph Duo, e o ajudou a cursar uma formação para uma carreira na Justiça criminal (Chris Hondros/Getty Images)

Depois que Hondros foi morto junto com o jornalista Tim Hetherington, na Líbia em 2011, seu amigo de infância Greg Campbell começou a criar uma espécie de memorial. Campbell, um autor e colunista econômico, conta que se tornou rapidamente consenso não cortá-lo. Hondros era uma pessoa visual que trabalhava num ambiente visual.

Durante anos, Campbell e Hondros falaram sobre fazer um documentário que mostrasse o que é ser um fotógrafo de conflitos. Então, após a morte de Hondros, Joseph Duo, o soldado liberiano, encontrou Campbell no Facebook para compartilhar como Hondros ter mantido contato com ele o ajudara a prosseguir numa carreira na Justiça criminal.

Campbell também queria contar a história de Hondros, e as histórias por trás de algumas de suas imagens mais emblemáticas, e divulgar o impacto mais amplo que Hondros teve como jornalista fotográfico.

Samar Hassan, depois de seus pais serem mortos, em Tal Afar, no Iraque (Chris Hondros/Getty Images)

Samar Hassan, depois de seus pais serem mortos, em Tal Afar, no Iraque (Chris Hondros/Getty Images)

Essas ideias convergiram e há quatro anos Campbell montou uma campanha de Kickstarter para ajudar a financiar o filme, ultrapassando três vezes a quantia pedida. Campbell viajou à Líbia e ao Iraque para acompanhar muitas pessoas que Hondros filmou e cujas vidas ele afetou de inúmeras maneiras. Ele fechou uma parceria com a Bold Films e Nine Stories Productions, de Jake Gyllenhaal, para finalizar o documentário, que teve sua estreia mundial no Tribeca Film Festival em 21 de abril.

Brilhando uma luz na humanidade

Hondros pegou uma câmera aos 16 anos, disse Campbell, que estava ao seu lado naquele momento. Juntos criaram carreiras no jornalismo, e desde então Hondros somente avançou implacavelmente.

No documentário, há um trecho de uma entrevista com Hondros em que ele responde sobre como ele lida com seu ofício tendo testemunhado tanta guerra e carnificina e provavelmente a humanidade em seu pior.

“Também vi a humanidade no seu melhor”, disse Hondros.

Um guerrilheiro rebelde comemora enquanto seus camaradas ateiam fogo a uma bateria de mísseis contra as posições das tropas leais ao líder líbio Muammar Kadafi em 14 de abril de 2011, a oeste de Ajdabiyah, Líbia. Os rebeldes trocaram tiros e mísseis com tropas leais a oeste de Ajdabiyah em 14 de abril de 2011, enquanto o conflito que envolvia a Líbia continuava (Chris Hondros/Getty Images)

Um guerrilheiro rebelde comemora enquanto seus camaradas ateiam fogo a uma bateria de mísseis contra as posições das tropas leais ao líder líbio Muammar Kadafi em 14 de abril de 2011, a oeste de Ajdabiyah, Líbia. Os rebeldes trocaram tiros e mísseis com tropas leais a oeste de Ajdabiyah em 14 de abril de 2011, enquanto o conflito que envolvia a Líbia continuava (Chris Hondros/Getty Images)

Muitas de suas imagens são íntimas e pessoais, cheias de crua emoção dos mais afetados pela guerra. Nestas situações, em que a pessoa mediana pode se sentir inclinada a aproveitar a câmera como um escudo, Hondros coloca sua energia em se conectar com elas, e permite que a empatia traduza.

O filme reúne imagens de várias fontes e inclui entrevistas com outros fotojornalistas, amigos e familiares, outros que trabalharam com ele e os personagens de sua fotografia. Campbell viaja para acompanhar tanto a menina de Tal Afar como o soldado que fez os tiros naquele dia. Ele vai para a Libéria e lá encontra pessoas que ele nem conhece que admiram Hondros.

“Todo mundo tinha um ponto marcante diferente, algo que eles não podiam falar sem ficarem muito comovidos, mas era um lugar diferente do que eu imaginaria”, disse Campbell. “Mas também houve muita risada. Você não pode falar sobre isso sem reviver alguns desses momentos.”

Joseph Duo (E), 28 anos, ex-soldado do governo da Libéria, posa com o fotógrafo Chris Hondros em sua casa em 5 de outubro de 2005, em Monrovia, na Libéria. Uma imagem de Duo saltando entusiasmado no ar durante uma batalha com as forças rebeldes em 2003 foi distribuída em todo o mundo, fazendo dele um símbolo das incríveis dificuldades ​​da longa guerra civil da Libéria. Duo, destituído pelas Nações Unidas e desempregado, morava em um bairro miserável nos arredores de Monrovia com uma esposa e três filhos, mas sua fama continua viva. Ele é bem conhecido entre os monrovianos e é muitas vezes interrompido por pessoas que o reconhecem da foto. Ele não se arrepende de sua carreira militar, que começou no início da guerra civil na Libéria em 1990, quando ele tinha 14 anos. "Você tem que se adaptar ao sistema, e esse é o sistema em que me encontrei", disse ele. "Eu lutei no interesse do povo." Depois que Duo e Hondros entraram em contato, Hondros apoiou Duo a fazer uma faculdade para começar uma carreira na Justiça criminal (Getty Images)

Joseph Duo (E), 28 anos, ex-soldado do governo da Libéria, posa com o fotógrafo Chris Hondros em sua casa em 5 de outubro de 2005, em Monrovia, na Libéria. Uma imagem de Duo saltando entusiasmado no ar durante uma batalha com as forças rebeldes em 2003 foi distribuída em todo o mundo, fazendo dele um símbolo das incríveis dificuldades ​​da longa guerra civil da Libéria. Duo, destituído pelas Nações Unidas e desempregado, morava em um bairro miserável nos arredores de Monrovia com uma esposa e três filhos, mas sua fama continua viva. Ele é bem conhecido entre os monrovianos e é muitas vezes interrompido por pessoas que o reconhecem da foto. Ele não se arrepende de sua carreira militar, que começou no início da guerra civil na Libéria em 1990, quando ele tinha 14 anos. “Você tem que se adaptar ao sistema, e esse é o sistema em que me encontrei”, disse ele. “Eu lutei no interesse do povo.” Depois que Duo e Hondros entraram em contato, Hondros apoiou Duo a fazer uma faculdade para começar uma carreira na Justiça criminal (Getty Images)

“Eu aprendi [ao produzir o filme] que eu poderia ser um melhor amigo para as pessoas”, disse Campbell. “Não é fácil dar a devida atenção a todos os seus relacionamentos, mas Hondros alimentou todos os seus relacionamentos”, disse ele.

Hondros é retratado tanto como muito inspirador quanto como falho.

Por um lado, ele tinha a extraordinária capacidade de separar os horrores do que ele cobria e não deixá-los dominar a sua vida. “Você raramente ouvia uma história de guerra da boca de Chris”, disse Campbell. Ele falava com você sobre música, livros que ele lê, e a vida, mas não sobre seu trabalho. Fotos, filmagens e piadas no filme mostram como ele iluminaria um quarto, mesmo que fosse somente o hotel onde os jornalistas de guerra estavam hospedados, e como viver a vida ao máximo.

O fotógrafo Chris Hondros, do Getty Images, no Afeganistão. Hondros, que estava em missão em Misrata, na Líbia, foi morto em 20 de abril de 2011, por uma granada propulsada por foguetes (Getty Images)

O fotógrafo Chris Hondros, do Getty Images, no Afeganistão. Hondros, que estava em missão em Misrata, na Líbia, foi morto em 20 de abril de 2011, por uma granada propulsada por foguetes (Getty Images)

Por outro lado, ele não parecia saber parar. Ele avançou cada vez mais para as linhas de frente, em áreas de conflito cada vez mais perigosas, mesmo quando outros lhe disseram que fosse sensato e voltasse. Mesmo depois de colegas jornalistas haverem sido capturados.

Ao contar a história de Hondros, o filme também aborda o papel cada vez mais desafiador de um fotojornalista. Qualquer pessoa pode enviar uma foto e uma mensagem para milhões atualmente, e os regimes hostis não querem necessariamente que repórteres e fotógrafos cheguem para registrar os fatos de suas histórias. Um fotojornalista que conta uma história diferente se torna uma ameaça ao seu discurso. Foi animador para Campbell testemunhar perto do final da carreira de Hondros uma espécie de “passagem do bastão” para os fotojornalistas mais jovens que ele tem ajudado.

“A parte mais difícil foi realmente terminar o filme ─ agora eu tenho que deixar Chris ir”, disse Campbell. “O mundo é melhor com mais Chris nele.”

O fotógrafo do Getty Images Chris Hondros no sul de Beirute, no Líbano, em 21 de agosto de 2006 (Getty Images)

O fotógrafo do Getty Images Chris Hondros no sul de Beirute, no Líbano, em 21 de agosto de 2006 (Getty Images)

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016