Djokovic é incluído como cabeça-de-chave no sorteio em meio à incerteza do visto

Juiz ainda não deu veredicto formal sobre legitimidade da isenção médica do sérvio para entrar na fronteira sem receber a vacina da COVID

Por Nina Nguyen

Os organizadores do Aberto da Austrália pressionaram e incluíram o cabeça-de-chave, Novak Djokovic, no sorteio, apesar de Djokovic ainda enfrentar a perspectiva de deportação.

Após o sorteio em Melbourne ser adiado abruptamente por mais de uma hora sem explicação, foi anunciado que Djokovic jogaria contra o sérvio Miomir Kecmanovic na rodada de abertura.

Apesar de uma vitória no tribunal no início desta semana, Djokovic ainda pode perder a chance de defender seu 21º título de Grand Slam se o ministro da Imigração, Alex Hawke, decidir usar seu poder discricionário para revogar o visto do nove vezes campeão por uma entrada supostamente ilegal na Austrália.

Especulou-se que a saga poderia estender-se até a próxima semana se Djokovic apelar sobre a decisão de cancelamento do visto, embora não esteja claro se existem outras vias legais que o homem de 34 anos poderia seguir.

O primeiro-ministro Scott Morrison, que também deve anunciar o status do visto de Djokovic em uma entrevista coletiva na quinta-feira, afirmou, no entanto, que não estava em posição de comentar.

“Refiro-me à declaração mais recente do ministro Hawke, e essa posição não mudou”, afirmou Morrison.

“Esses são poderes ministeriais pessoais que podem ser exercidos pelo ministro Hawke, e não proponho fazer mais comentários neste momento.”

O nove vezes campeão utilizou uma recente infecção pela COVID-19 para obter uma isenção médica, mas sua entrada foi negada por funcionários da Força de Fronteira Australiana e enviado para um hotel de detenção.

O juiz do Tribunal Federal do Circuito, Anthony Kelly, anulou na segunda-feira o cancelamento do visto, afirmando que Djokovic não teve tempo suficiente para falar com autoridades da Tennis Australia e com advogados para responder ao ser informado sobre a intenção de cancelar seu visto.

No entanto, o juiz não deu um veredicto formal sobre a legitimidade da isenção médica do sérvio para entrar na fronteira sem receber a vacina contra a COVID-19.

O escritório de Hawke afirma que informações adicionais fornecidas pela equipe jurídica de Djokovic atrasaram o prazo para uma decisão sobre se o ministro da Imigração anularia a decisão do tribunal federal sobre a situação do visto de Djokovic.

Na quarta-feira, o jogador sérvio admitiu em comunicado nas redes sociais que deu informações falsas sobre sua declaração de viagem.

Djokovic também admitiu ter participado de uma entrevista à mídia em Belgrado quando soube que havia contraído a COVID-19.

“Eu me senti obrigado a ir em frente e conduzir a entrevista, pois não queria decepcionar o jornalista, mas assegurei-me de me distanciar socialmente e usar uma máscara, exceto quando minha fotografia estava sendo tirada”, escreveu Djokovic.

“Quando fui para casa após a entrevista para me isolar pelo período necessário, após reflexão, percebi que isso foi um erro de julgamento e aceito que deveria ter remarcado esse compromisso.”

Enquanto isso, as autoridades espanholas estariam investigando na quinta-feira se o número 1 do mundo havia violado suas regras de viagem antes de voar para a Austrália no início deste ano.

De acordo com o conselho publicado pelo Ministério das Relações Exteriores da Sérvia, os cidadãos não vacinados só podem entrar na Espanha por razões “essenciais”, mas primeiro precisam entrar em contato com a embaixada sérvia e receber a aprovação da Espanha.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas