Dissidentes cubanos denunciam intimidação do Congresso do Partido Comunista de Cuba

Por Agência EFE

Dissidentes cubanos denunciaram neste sábado intimidações por parte das autoridades, como prisões domiciliares e interrogatórios, durante a realização do VIII Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC), no qual Raúl Castro deixará como líder do país, Miguel Díaz-Canel.

O conclave quinquenal do partido único iniciado na sexta-feira é de especial importância para o regime, pois servirá para promover a mudança geracional no topo da formação e definir a estratégia política do Estado em um momento de grave crise econômica, que tem aumentado o descontentamento social.

“Nos dias que antecederam o Congresso, eles chamaram os 27N um por um para ameaçá-los de que se deixassem suas casas durante os dias do Congresso os tornariam prisioneiros por um longo período de tempo”, disse a artista e ativista da oposição Tânia Bruguera à EFE.

Bruguera é uma das lideranças do movimento 27N, formado por artistas de diversos ramos que se reuniram no dia 27 de novembro em frente ao Ministério da Cultura de Havana para exigir a liberdade de expressão e o fim da repressão aos oponentes do regime.

A ativista denunciou que, no caso dela, pouco antes do Congresso, um agente de segurança do Estado cubano ligou para ela para dizer que durante os quatro dias de reunião do PCC “Eu não poderia sair à rua ou me colocariam na prisão por três anos”.

Além disso, ela garantiu que na sexta-feira as autoridades bloquearam seu acesso à Internet para impedi-la de oferecer uma conferência virtual para a Universidade de Harvard.

O movimento 27N não se posicionou especificamente no VIII Congresso do partido único nem anunciou ações: “estamos apenas fazendo nossos projetos e tentando construir uma Cuba diferente”, alegou Bruguera.

Enquanto isso, Luis Manuel Otero Alcántara, também artista e líder de outra plataforma da oposição, o Movimento San Isidro, foi libertado no sábado, após mais de doze horas de prisão.

Otero Alcántara foi detido por curtos períodos de tempo em numerosas ocasiões nos últimos meses, portanto, não é possível afirmar se esta nova detenção está ligada à celebração do VIII Congresso.

Enquanto isso, em Santiago de Cuba, o líder do movimento de oposição Unpacu (União Patriótica de Cuba), José Daniel Ferrer, que recentemente fez greve de fome por três semanas, expressou seu ceticismo em relação ao conclave do partido em um tweet: “A realidade é que a sala permanecerá a mesma. Nada de bom pode ser esperado daqueles acima”.

O Congresso do PCC continuou as suas sessões hoje com total normalidade, no segundo dos quatro dias úteis até ao seu encerramento segunda-feira.

Em seu discurso no primeiro dia do evento, Raúl Castro garantiu que a oposição na ilha não tem liderança e concentra seu ativismo na internet, enquanto “as ruas, parques e praças serão dos revolucionários”.

 

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas