Discurso publicado de Xi Jinping revela tendência da China em direção à economia planejada, dizem especialistas

Analistas interpretam isso como um sinal de que a economia chinesa está em apuros e que o PCC está voltando para uma economia planejada

Por Chang Chun e Lin Cenxin

Um discurso feito pelo líder chinês Xi Jinping cinco anos atrás sobre como lidar com tempos econômicos difíceis acaba de ser reimpresso em quase todos os meios de comunicação controlados pelo regime chinês, incluindo o principal jornal acadêmico do Partido Comunista Chinês (PCC). Alguns analistas interpretam isso como um sinal de que a economia chinesa está em apuros e que o PCC está voltando para uma economia planejada.

Em seu discurso, proferido em novembro de 2015, Xi reiterou a importância de se estudar a economia da política marxista diante de uma situação econômica extremamente complexa, tanto no país quanto no exterior. Agora, o discurso foi republicado em Qiushi, uma revista política bimestral, entre outros meios de comunicação estatais.

Isso significa que a China está retornando à economia planejada em face de suas atuais dificuldades econômicas, disse o economista Li Hengqing, da Instituição Chung-Hua de Pesquisa Econômica de Taiwan, ao Epoch Times.

Outro analista, o professor de economia Huiling Wu, disse ao Epoch Times que acredita que essa velha ideia recém-formulada (de uma economia planejada) está se preparando para um desligamento dos Estados Unidos e uma adaptação ao isolacionismo. Wu disse que o objetivo do sistema econômico estatal do PCC permaneceu inalterado e visa eliminar e saquear a economia privada. No entanto, o regime não tem mais o direito de se dirigir ao cenário internacional.

Voltar ao isolamento

Em 23 de novembro de 2015, Xi fez um discurso na reunião do Politburo sobre os princípios básicos e metodologia da economia da política marxista. Em 16 de agosto deste ano, quase toda a mídia estatal reimprimiu o discurso de Xi.

Uma economia política marxista, explicou o economista Li Hengqing em uma entrevista ao Epoch Times, significa a derrubada do sistema capitalista e a derrubada da relação explorador / trabalhador explorado. No centro da economia política marxista está a teoria da mais-valia, disse ele. Então, dada a disparidade entre ricos e pobres e a grande desigualdade na sociedade chinesa de hoje, Li perguntou: “Isso significa que outra revolução proletária vai ocorrer? Não é muito perigoso [viver] sob a liderança do Partido Comunista?

A China agora enfrenta dificuldades econômicas internas e externas, disse Li. A economia carece de impulso para um crescimento ascendente. Com a guerra comercial entre Estados Unidos e China, as exportações tiveram crescimento negativo e o investimento acabou ficando com dívidas elevadas. Xi, portanto, busca mudar o desenvolvimento econômico promovendo a “circulação nacional”, o que significa dependência do consumo e da demanda nacionais.

“Isso equivale a voltar à economia planejada iniciada por Lênin”, disse Li.

Como será retornar à economia planejada? Li resumiu a história da China sob uma economia planejada entre 1949 e 1976, quando o PCC eliminou todas as empresas privadas e confiscou seus ativos. Uma economia rural foi estabelecida com comunas populares que formaram unidades administrativas. Mas faltava motivação para trabalhar e a produtividade era baixa. Não apenas recursos e materiais foram desperdiçados, mas as pessoas também sofreram com a falta de alimentos.

Os dias de espera por vouchers para grãos, óleo, açúcar, etc., e gestão militarizada podem estar de volta, Li disse. A economia da China já está à beira da turbulência e do colapso. Xi pode estar se preparando para entrar em um estado econômico comandado pelos militares em tempo de guerra, acrescentou. É como lembrar àqueles que o apóiam na direção do show que é teoricamente correto embarcar na economia de guerra e que o povo deve estar preparado.

Futuro incerto das empresas privadas

Há dois anos, o slogan “Guo Jin Min Tui” foi amplamente divulgado pela mídia do regime, o que significa que “as empresas estatais devem dirigir a economia e as indústrias privadas devem se retirar”.

Porém, com a crise econômica sem precedentes ocorrida em 2020, Xi disse duas vezes neste ano que a indústria privada deve desempenhar bem seu papel no mercado e que o antigo caminho da economia planejada não deve ser revisitado. Ele declarou isso durante as “Duas Sessões” anuais em maio e em uma reunião com setores empresariais em julho. As Duas Sessões referem-se a reuniões políticas do regime anual, no qual o órgão legislativo do carimbo e seu órgão consultivo promulgam políticas e programas.

No entanto, o artigo reimpresso em Qiushi enfatiza que “o papel principal da economia do estado não deve ser alterado”.

Li disse que Xi mudou o plano novamente, focando mais em uma economia planejada, para substituir a economia de mercado pela economia estatal.

“Quer se trate de empresas privadas, pequenas e médias empresas privadas, ou mesmo autônomas, elas devem ser abolidas”, de acordo com a interpretação de Li.

Li disse que isso se reflete no fato de que as empresas estatais devem seguir a liderança do Comitê Central do Partido, devem ter comitês do Partido estabelecidos em empresas privadas e comitês locais do Partido para liderar coletivamente pequenas empresas.

“Isso se tornou completamente um sistema de partido-Estado, que é a essência de‘ Guo Jin Min Tui’: o estado avança e as pessoas regridem”, disse Li.

“Todos podem ver agora que a retirada da economia de mercado livre é a direção geral na China. Mas isso é uma reversão completa da história e não vai valer a pena”, acrescentou.

Um regime “desonesto” saqueando o mundo

Citando o editorial do Epoch Times, “Como o espectro do comunismo governa nosso mundo”, o professor Wu Huilin disse que a economia da política do marxismo não é, na verdade, uma doutrina nem uma teoria. “O comunismo não deve ser entendido como um movimento ideológico, uma doutrina política ou uma tentativa fracassada de uma nova maneira de ordenar os assuntos humanos. Em vez disso, deve ser entendido como um demônio, um espectro maligno forjado pelo ódio, degeneração e outras forças elementais do universo.

O comunismo gera guerra, fome, carnificina, tirania e agora nos deu o vírus do PCC (novo coronavírus), que causou uma desastrosa pandemia global, disse Wu.

Em sua opinião, o motivo pelo qual o presidente Trump defende o combate ao PCC é porque o PCC falhou em cumprir suas promessas depois que a China alcançou um rápido crescimento por meio do acesso aos recursos do mercado internacional. Depois de ingressar na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001 como um país em desenvolvimento, gozou de isenção de tarifas e outras políticas preferenciais.

“Como um regime desonesto, seu objetivo é saquear o mundo”, disse Wu, acrescentando que se trata de um regime baseado em uma economia estatal, uma economia planejada dirigida pelo Partido.

“A esperança de que o Partido mudasse sua natureza ao ser autorizado a entrar na OMC, em vez disso levou o PCC a atacar o Ocidente com sua propaganda e suas doenças. O vírus do PCC agora está destruindo o mundo”.

Com relação à possibilidade de desacoplamento econômico entre os Estados Unidos e a China, Wu disse que o PCC não tinha outra escolha. O comércio justo é recíproco, como o é o comércio justo defendido pelo ex-presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan, no qual se trata de remover todos os obstáculos restritivos, um por um.

“Os objetivos finais de todos os conflitos entre os Estados Unidos e a China são a mudança da estrutura institucional da China, a queda do Partido Comunista e a ascensão da liberdade e da democracia”, conclui Wu, resumindo seus pensamentos.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas