Diretor do laboratório de Wuhan já tinha preocupações com a segurança antes da pandemia

Por Dorothy Li

O diretor do laboratório P-4 de Wuhan afirmou, em uma entrevista coletiva em 22 de julho, que medidas de segurança confiáveis ​​foram tomadas quando o surto começou; no entanto, suas postagens anteriores e logs de e-mail divulgados recentemente indicam que o laboratório tinha preocupações constantes com a segurança.

Yuan Zhiming, diretor do Laboratório Nacional de Biossegurança, enviou e-mails a um profissional americano perguntando sobre métodos de desinfecção há vários anos. Poucos meses antes do surto, ele publicou um artigo sobre deficiências de segurança que ocorrem em laboratórios biológicos chineses.

Em uma entrevista coletiva em Pequim, Yuan afirmou que as instalações estavam operando de acordo com os padrões internacionais. As alegações vieram vários dias depois que o Partido Comunista Chinês (PCC) rejeitou o plano da Organização Mundial da Saúde (OMS) para uma segunda fase de investigação sobre a origem da pandemia.

A OMS planejava investigar a origem do vírus do PCC, também conhecido como COVID-19.

Preocupações de Yuan

Judicial Watch obteve cópias dos e-mails de Yuan por meio de uma solicitação da Lei de Liberdade de Informação. Os primeiros registros de e-mail sugerem que havia preocupações com a segurança quando ele contatou Jens Kuhn no National Institutes of Health para perguntar sobre desinfetantes em 2016.

“Testamos vários para determinar sua eficácia antiviral e corrosão de dutos e equipamentos de tratamento de esgoto”, escreveu Yuan. “Infelizmente, encontramos [sic] um bom candidato.”

No e-mail, Yuan disse que o laboratório estava funcionando livre de patógenos. Ele pediu sugestões sobre desinfetantes para roupas de proteção herméticas, superfícies sólidas, ar, materiais infecciosos e procedimentos de aprovação para a escolha de desinfetantes.

O e-mail entre Yuan e Kuhn é apenas uma das 301 páginas de e-mails e outros registros lançados recentemente. A correspondência ocorreu entre o Instituto de Virologia de Wuhan (WIV) e o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID).

Os documentos revelam que o NIAID concedeu nove bolsas à China por meio da EcoHealth Alliance, uma organização com sede em Nova Iorque, para investigar coronavírus em morcegos.

Além disso, Yuan admitiu preocupações sobre a segurança do laboratório em seu teste de maio de 2019, vários meses antes de o regime chinês relatar pela primeira vez um surto do vírus do PCC em Wuhan.

“Atualmente, a maioria dos laboratórios carece de diretores e engenheiros especializados em biossegurança”, disse ele no ensaio.

Yuan confessou que “parte da equipe especializada é composta por pesquisadores em tempo parcial” nos laboratórios de biossegurança de alto nível (BSL) da China.

“Isso torna difícil identificar e mitigar riscos potenciais de segurança na operação de instalações e equipamentos com bastante antecedência”, disse ele.

“A conscientização sobre biossegurança, o conhecimento profissional e o treinamento de habilidades operacionais ainda precisam ser melhorados entre os trabalhadores de laboratório”, disse ele.

Ele também destaca que “vários BSLs de alto nível têm fundos operacionais insuficientes para processos de rotina, mas vitais” em um artigo intitulado “Situação atual e desafios futuros dos laboratórios de biossegurança de alto nível na China”.

O artigo foi publicado em setembro de 2019 no Journal of Biosafety and Biosecurity, do qual Yuan é o editor-chefe.

O teste foi notado pela primeira vez por Ian Birrell em 3 de maio de 2020.

O Laboratório Nacional de Biossegurança da WIV é o único laboratório BSL-4, ou Patógeno Nível 4 (P-4) na China, e requer as mais altas medidas de segurança para estudar patógenos que causam doenças como o Ebola. O laboratório Wuhan P-4 foi concluído no final de 2014 e entrou em operação em janeiro de 2018. A instalação preserva mais de 1.500 cepas de vírus, incluindo o coronavírus que causou a epidemia de síndrome respiratória aguda grave em 2003.

Desde então, muitos especularam que o WIV é a fonte do surto do vírus do PCC; mas a China não permite qualquer investigação independente.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas