Diplomatas de Maduro devem deixar o Brasil esta semana

Medida afeta um total de 34 diplomatas que até agora ocupavam vários cargos na Embaixada da Venezuela em Brasília

Por Agência EFE

O governo brasileiro lembrou os diplomatas venezuelanos que representam o ditador Nicolás Maduro que eles deveriam deixar o país antes do sábado, de acordo com o que foi acordado em março passado, confirmaram fontes oficiais à EFE na quarta-feira.

Em mensagem endereçada à embaixada, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil indicou que “de acordo com negociações anteriores”, realizadas em março passado e através das quais os dois governos começaram a retirar seu pessoal diplomático, as autoridades venezuelanas devem deixar o país antes de 2 de maio, disseram fontes diplomáticas à EFE.

A medida afeta um total de 34 diplomatas que até agora ocupavam vários cargos na Embaixada da Venezuela em Brasília e nos seis consulados que o país do Caribe possui no Brasil.

Da mesma forma, o governo de Jair Bolsonaro retirou gradualmente todos os seus diplomatas daquele país da Venezuela, embora tenha esclarecido que o pessoal local da embaixada e consulados continuará a servir a comunidade brasileira.

O governo Bolsonaro, um dos mais fortes críticos de Maduro, reconheceu o líder da oposição Juan Guaidó como presidente legítimo e interino da Venezuela desde o início do ano passado.

As relações entre os dois países, no entanto, começaram a ficar tensas em 2017, quando o então presidente brasileiro Michel Temer promoveu a suspensão da Venezuela do Mercosul.

Os atritos foram maiores desde 1º de janeiro de 2019, quando Bolsonaro assumiu o poder, que, como quase 60 países no mundo, parou de reconhecer Maduro como presidente venezuelano e apoiou a proclamação de Guaidó como governante.

Bolsonaro também reconheceu a venezuelana María Teresa Belandria como embaixadora legítima do país no Brasil, embora mesmo com essas tensões, ele não tenha suspendido as relações diplomáticas com o país vizinho.

Nos últimos dois anos, o Brasil tem sido o destino de dezenas de milhares de venezuelanos que fogem da crise econômica, política e social em seu país.

Segundo cálculos oficiais, desde 2018 mais de 70.000 venezuelanos se estabeleceram no Brasil, cujo governo mantém extensos programas de apoio em conjunto com organizações humanitárias e agências da ONU, especialmente no estado de Roraima, na fronteira com a Venezuela.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas