Diante das críticas, cantora sueca diz que sua colaboração com a Huawei ‘não foi das melhores’

Por Lily Zhou

A cantora e compositora sueca Zara Larsson revelou na terça-feira que sua colaboração com a Huawei havia terminado e que “não foi o negócio mais inteligente” que ela fez. O comentário foi feito no mesmo dia em que recebeu críticas severas por “cumprir as ordens da China”.

A celebridade de 22 anos disse a Nyhetsmorgon, um noticiário matinal da Suécia e na TV4, na terça-feira, que encerrou sua colaboração em uma campanha publicitária de smartphone com a gigante chinesa de telecomunicações.

“Quando olho para trás agora, não foi o negócio mais inteligente que fiz em minha carreira, não apenas de uma perspectiva profissional, mas também de uma perspectiva pessoal”, disse Larsson.

Larsson disse que defende os direitos humanos e que encerrou sua colaboração com a empresa chinesa por vários meses.

O governo dos EUA disse no ano passado que acredita que a Huawei representa um risco à segurança. Os relatórios também mostraram que existem ligações entre a empresa de telecomunicações e o Exército Popular de Libertação – o exército chinês – e vários serviços de inteligência.

“Sabemos que o governo chinês não é um bom governo e não quero apoiar o que eles fazem”, disse Larsson, acrescentando que, depois de realizar a campanha de ativismo, ela agora sente que não pode falar sobre questões de direitos humanos na China.

O porta-voz sueco da Huawei emitiu um comunicado na terça-feira dizendo que a colaboração com Larsson foi limitada no tempo desde o início e terminou no ano passado. De acordo com criticas
em um artigo de opinião publicado no mesmo dia no Expressen, um jornal nacional, Matilda Ekeblad, presidente distrital dos Jovens Conservadores Suecos (Liga Juvenil Moderada) em Östergötland, disse que se perguntava por que Larsson estava “enviando recados da China”.

O artigo foi escrito depois que Larsson expressou apoio ao TikTok, um aplicativo chinês que está atualmente sob escrutínio por suas questões de segurança.

Na semana passada, poucas horas depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que poderia banir o TikTok nos Estados Unidos, Larsson escreveu no Twitter: “Porque D * nald Tr * mp odeia o TikTok, eu o amo ainda mais”, e adicionou uma série de emojis de coração no final, disse Ekeblad. O tweet parece ter sido excluído.

“Para mim, é difícil entender: apoie uma ditadura porque você odeia um presidente em uma democracia. Você acha que Donald Trump é louco, odeie-o se quiser, mas não faça as tarefas da China”, escreveu Ekeblad.

Ekeblad continuou a criticar Larsson por “ter sido o rosto da Huawei, a gigante de telefonia móvel que é praticamente controlada pelo estado chinês”.

O regime chinês usa os serviços da Huawei “para controlar, entre outras coisas, os uigures, grupo étnico que atualmente está sendo exterminado no país por meio da opressão, campos de trabalho e esterilização forçada”, escreveu ele.

Cavalo de Troia

Ekeblad está particularmente preocupado com as celebridades ocidentais que são usadas como cavalos de Troia no regime comunista chinês.

“A China já tem uma estratégia declarada de se conectar com celebridades para tornar as pessoas no Ocidente mais amigáveis ​​com as empresas chinesas e, a longo prazo, mais amigáveis ​​com o Estado chinês”, escreveu ele.

Quando Larsson foi questionada sobre sua colaboração com a Huawei no ano passado, ela disse à revista Resumé que, além do smartphone que ela estava promovendo, ela não estava “particularmente familiarizada” com assuntos relacionados à Huawei e que ela apenas colabora com empresas que gosta muito e às quais pode representar.

Larsson estava preocupada com os riscos, mas não achava que representar a Huawei fosse um problema na época, dizendo que estava focada no smartphone que estava anunciando. “Mais do que isso, não penso nem comento, porque realmente não tenho nada a ver com isso”, disse ela ao Resumé.

“É assustador que uma pessoa tão famosa, um exemplo para milhares de jovens, use sua plataforma para cumprir os mandatos da China”, escreveu Ekeblad.

“A ditadura da China deve ser interrompida, e nunca será se tivermos celebridades influentes que não apenas a apoiam, mas também abrem caminho para seu sucesso.”

Sarah Sjöström, nadadora olímpica sueca, continua a colaborar com a Huawei. Em um comunicado que escreveu ao jornal esportivo sueco Sportbladet, ele disse que a colaboração “funciona bem” e não comenta política.

Sarah Sjöström, nadadora olímpica sueca, continua a colaborar com a Huawei. Em comunicado que escreveu ao jornal esportivo sueco Sportbladet, ele disse que a colaboração “funciona bem” e não comenta política.

“Quanto à Huawei, tenho colaborado com eles há pouco mais de um ano. Uma colaboração que na minha opinião funciona bem para ambas as partes. Para mim, é principalmente meu interesse em tecnologia, fotografia e inovação, onde a Huawei é muito forte, o que me faz pensar que a colaboração é boa. Eu não comento sobre política ou coisa parecida e nunca fiz. Portanto, não tenho mais comentários ”, disse Sjöström ao Sportbladet.

A edição sueca do Epoch Times contribuiu para esta reportagem.

Vejam também:

Chineses renunciam ao PCC

 
Matérias Relacionadas