Dezenas de milhares assinam petição da Mongólia Interior contra a pressão de Pequim para erradicar sua língua

Por Eva Fu

Dezenas de milhares de mongóis étnicos assinaram uma petição protestando contra o novo esforço de Pequim para promover a língua oficial do país – o mandarim – na Mongólia Interior, um movimento que alguns descreveram como “genocídio cultural”.

A raiva generalizada começou a crescer na região da Mongólia Interior, no norte da China, na semana passada, depois que as autoridades anunciaram que iriam introduzir o ensino somente de mandarim nas escolas locais e substituir os livros didáticos de língua mongol por Versões padronizadas em chinês para cursos básicos que variam de história, política a literatura.

O mandarim é o dialeto e a língua oficial falada pela maioria étnica Han na China. A nova política gerou temores entre os grupos étnicos mongóis na região de que isso destruiria gradualmente sua cultura e colocaria em risco sua própria identidade.

Na semana passada, uma multidão de alunos, professores e pais se reuniram na escola local, entoando e cantando slogans em sua língua materna, enquanto se recusam a voltar para a sala de aula, mostram os vídeos que circulam online.

Somente na capital da Mongólia Interior, Hohhot, cerca de 20.000 pessoas assinaram uma petição contra as novas diretrizes educacionais, de acordo com o grupo de defesa com sede em Nova Iorque, o Centro de Informação de Direitos Humanos da Mongólia do Sul (SMHRIC). Os vídeos postados pelo grupo mostram várias pastas com petições assinadas junto com impressões digitais vermelhas, um método comum de identificação na China.

Enghebatu Togochog, diretor da SMHRIC, estima que centenas de milhares de mongóis étnicos assinaram a petição, observando que em apenas uma “pequena comunidade rural remota” 2.700 pessoas assinaram. Cerca de 300.000 alunos participaram da greve escolar, acrescentou Togochog.

“Considerando a mobilização total de toda a sociedade do sul da Mongólia, é seguro dizer que quase toda a população do sul da Mongólia (…) fez parte deste movimento massivo de desobediência civil não violenta de uma forma ou de outra”, disse ele ao Epoch Times. Os dados governamentais mais recentes de 2010 a 2015 indicam que cerca de 4,2 a 4,3 milhões de mongóis étnicos vivem na região, representando cerca de 17,1% da população.

Os signatários incluíam cerca de 300 funcionários da Televisão Estatal da Mongólia Interior, Rádio e Televisão da Mongólia Interior, com sede em Hohhot. Em um vídeo viral, cada um deles é mostrado assinando seus nomes e carimbando suas impressões digitais ao longo do contorno de um círculo, uma forma popular de evitar que um líder seja rastreado, em uma sala de conferências decorada com uma imagem em uma pintura de caligrafia que dizia “A mídia do partido leva o sobrenome do partido”.

Cerca de 2.600 estudantes universitários da Mongólia Interior assinaram uma carta conjunta ao regime chinês para protestar contra a nova política linguística (Captura de tela / Centro de informações sobre direitos humanos da Mongólia do Sul)
Cerca de 2.600 estudantes universitários da Mongólia Interior assinaram uma carta conjunta ao regime chinês para protestar contra a nova política linguística (Captura de tela / Centro de informações sobre direitos humanos da Mongólia do Sul)

Repressão

O regime chinês reagiu rapidamente aos ataques, mobilizando a polícia local e prendendo ativistas.

Apenas em um distrito da cidade de Tongliao, cerca de 140 mongóis étnicos foram acusados ​​de “incitar disputas e criar problemas”, uma acusação comum usada contra dissidentes políticos. Fotografias de seus rostos, aparentemente capturadas com zoom em câmeras de vigilância, foram postadas em sites do governo, que ofereceram recompensas monetárias por sua captura.

Avisos governamentais e escolares acessados ​​pelo Epoch Times disseram aos funcionários do governo de etnia mongol em várias regiões para mandar seus filhos de volta às escolas, e eles foram ameaçados com medidas disciplinares severas se não cumprissem.

De 29 de agosto a 2 de setembro, o chefe da polícia nacional do regime, Zhao Kezhi, visitou vários escritórios de polícia na Mongólia Interior. Em um discurso que parece pressagiar uma repressão dura, Zhao disse à polícia local para “seguir a liderança do Partido Comunista Chinês independentemente das circunstâncias” e “tomar medidas rígidas para prevenir o terrorismo”. Eles devem travar a “dura batalha” que está por vir com um “punho de ferro”, disse ele.

Dois pais, um professor e seu marido, cometeram suicídio, de acordo com o BitterWinter, uma revista online sobre liberdade religiosa e direitos humanos na China. Togochog estimou que o número atual de mortos é quatro.

“Uma caça aos cidadãos em massa e prisões em massa estão chegando. Mas os mongóis do sul estão determinados a arriscar suas vidas para enfrentar todos os desafios que virão”, disse Togochog.

A mídia estatal mostra alunos vestidos com trajes tradicionais em uma sala de aula de uma escola primária na Mongólia Interior, que, segundo os moradores, foi encenada (Captura de tela)
A mídia estatal mostra alunos vestidos com trajes tradicionais em uma sala de aula de uma escola primária na Mongólia Interior, que, segundo os moradores, foi encenada (Captura de tela)

Propaganda falsa

A mídia estatal publicou fotos que mostram crianças em túnicas mongóis tradicionais ou uniformes escolares lendo ou brincando em várias escolas primárias em Hohhot, supostamente no primeiro dia de aula.

No entanto, os residentes disseram que as imagens foram encenadas. As autoridades “pegaram emprestado” estudantes han como atores, disseram.

“Essas crianças ‘estavam se apresentando’ de um lugar para outro”, disse Suwdaa (apelido), do extremo leste da região, a Liga Xilingol, ao Epoch Times. Algumas das crianças, observou ele, vestiam roupas usadas nas apresentações escolares, em vez de suas vestimentas diárias.

“Muitas escolas da Mongólia na Mongólia Interior estão vazias porque as crianças não voltaram”, acrescentou.

Embora as autoridades chinesas afirmem que a nova política não afetará o ensino da língua mongol, houve “grandes mudanças” nos novos livros didáticos que fizeram as promessas parecerem vazias, disse Suwdaa.

Ela disse que um verso popular que professa orgulho por sua cultura e língua, que muitos jovens mongóis podem recitar de cor, foi removido dos livros didáticos. Canções elogiando seus heróis históricos também desapareceram, que foram substituídas por baladas chinesas.

Uma garota vestida com um vestido tradicional da Mongólia espera com sua mãe durante o discurso do candidato às eleições presidenciais da Mongólia, Battulga Khaltmaa, do Partido Democrático da Mongólia, durante um comício em Ulan Bator, em 23 de junho de 2017 (Fred Dufour / AFP via Getty Images)
Uma garota vestida com um vestido tradicional da Mongólia espera com sua mãe durante o discurso do candidato às eleições presidenciais da Mongólia, Battulga Khaltmaa, do Partido Democrático da Mongólia, durante um comício em Ulan Bator, em 23 de junho de 2017 (Fred Dufour / AFP via Getty Images)

Os professores foram instruídos a falar com cada pai para levar os filhos de volta à escola. “Houve intermináveis ​​chamadas e intermináveis ​​mensagens de texto. Os pais simplesmente não aceitam”, disse ele.

Um professor da Liga Xilingol que falou sob condição de anonimato disse que um policial mongol local foi suspenso por se opor à política. Os oficiais disciplinares também procuravam os professores de sua escola, um por um, para uma “conversa”. Privadamente, alguns se prepararam para uma possível demissão.

“Agora somos um só coração: pais, alunos, professores e mongóis em todas as esferas da vida. Nunca estivemos mais unidos ”.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas