Destróiers dos EUA navegam no disputado mar da China Meridional em meio a tensões comerciais

Da Reuters

WASHINGTON – Dois navios de guerra dos Estados Unidos navegaram perto de ilhas reivindicadas pela China no Mar da China Meridional em 11 de fevereiro, disse à Reuters uma autoridade dos Estados Unidos para enfurecer Pequim em um momento de relações tensas entre as duas maiores economias do mundo.

Pequim e Washington estão presos em uma guerra comercial e os dois lados estão tentando fechar um acordo antes do prazo final de 1º de março, quando as tarifas norte-americanas sobre importações chinesas no valor de US$ 200 bilhões devem aumentar de 10% para 25%.

A escalada das tensões entre os Estados Unidos e a China custou bilhões de dólares a ambos os países e perturbou os mercados financeiros globais.

O oficial, falando sob condição de anonimato, disse que os dois destroyers de mísseis guiados viajaram dentro de 12 milhas náuticas de Mischief Reef, nas disputadas Ilhas Spratly.

A operação foi a mais recente tentativa de conter o que Washington vê como os esforços de Pequim para limitar a liberdade de navegação nas águas estratégicas, onde operam navios chineses, japoneses e algumas marinhas do sudeste asiático.

O regime chinês reivindica quase todo o estratégico Mar do Sul da China e frequentemente critica os Estados Unidos e seus aliados por operações navais perto de ilhas ocupadas pelos chineses. Ele pediu que Washington pare de enviar navios de guerra e aviões militares perto das ilhas reivindicadas por Pequim.

A China e os Estados Unidos trocaram repetidamente farpas no passado sobre o que Washington diz ser a militarização do Mar do Sul da China por Pequim, construindo instalações militares em ilhas e recifes artificiais.

As ilhas que a China ocupa no Mar do Sul da China estão fora dos limites para os estrangeiros, com acesso sob o controle efetivo do Exército Popular de Libertação, apesar de tecnicamente serem parte administrativa da província de Hainan, no sul da China.

Vietnã, Filipinas, Brunei, Malásia, Indonésia e Taiwan têm reivindicações concorrentes na região.

O temor cresceu nos últimos meses de que a disputa comercial entre Estados Unidos e China seja apenas um dos elementos de um relacionamento bilateral, com altos funcionários do governo americano criticando duramente Pequim por tudo, desde abusos aos direitos humanos até espionagem cibernética nos Estados Unidos.

Os dois países também estão em desacordo com a segurança regional, incluindo as aberturas de Washington à ilha auto-governada de Taiwan, que a China reivindica como sua.

Por Idrees Ali e Mary Milliken

 
Matérias Relacionadas