Desmascarando as mentiras do Partido Comunista Chinês

China está saqueando os recursos naturais da Terra e tirando vantagem das pessoas do mundo

Por Wu Huilin

No Debate Geral da 75ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas via videoconferência, o líder chinês Xi Jinping disse que: “A China cumprirá seu compromisso de fornecer 2 bilhões de dólares de ajuda internacional” e “fornecerá outros 50 milhões de dólares para o Plano de Resposta Humanitária Global da ONU para a COVID-19”.

Ele também afirmou: “Jamais buscaremos hegemonia, expansão ou esfera de influência. Não temos intenção de travar uma guerra fria ou uma guerra quente com qualquer país. Continuaremos reduzindo diferenças e resolvendo disputas com outras pessoas por meio do diálogo e da negociação”.

Xi enfatizou: “Não estamos procurando desenvolver apenas a nós mesmos ou jogar um jogo de soma zero. Não buscaremos o desenvolvimento a portas fechadas”.

Esse tipo de conversa suave pode ser persuasiva, e algumas pessoas podem até acreditar no que você disse. Mas acho que poucas pessoas ouvirão, especialmente aquelas que insistem que “as pessoas mentem, mas às vezes dizem a verdade”. Afinal, com a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, a aplicação da versão de Hong Kong da lei de segurança nacional que destruiu totalmente “um país, dois sistemas” de Hong Kong e a disseminação da COVID-19, o Partido Comunista Chinês (PCC) demonstrou claramente sua natureza “falsa, má e combativa”. Conforme declarado na série editorial do Epoch Times, os “Nove Comentários sobre o Partido Comunista“, “Acreditar nas palavras do Partido Comunista – não importa qual seja o problema – vai custar sua vida.” Vimos isso acontecer repetidamente e as pessoas do mundo não devem ser ingênuas.

Os comentários de Xi Jinping parecem familiares. Em 10 de abril de 1974, o ex-líder do PCC Deng Xiaoping disse na Assembleia Geral da ONU: “A China não é uma superpotência, nem jamais tentará ser (…) se um dia a China mudar de cor e se tornar uma superpotência, se ela também desempenha o papel de tirana no mundo e em todos os lugares sujeita os outros ao seu assédio, agressão e exploração, as pessoas do mundo deveriam identificá-la como social-imperialista, expô-la, opor-se a ela e trabalhar junto com o povo chinês para derrubá-la”.

Coincidentemente, quando Hong Kong retornou à China em 1997, Deng prometeu um alto grau de autonomia em Hong Kong por 50 anos, incluindo independência judicial, liberdade de imprensa, liberdade e Estado de direito. No entanto, a situação mudou apenas 23 anos depois e foi destruída nas mãos do atual regime. Xi repetiu o que Deng disse há 46 anos, mas na verdade o mundo já foi “silenciosamente ocupado” pelo PCC, que intimida, invade e explora a todos.

Dois jornalistas espanhóis passaram dois anos viajando por 25 países e realizando mais de 500 entrevistas, revelando a corrupção da ocupação silenciosa do mundo pela China comunista. Eles documentaram suas descobertas em seu livro, “China’s Silent Army”.

Os autores descobriram que a China está saqueando os recursos naturais da Terra e tirando vantagem das pessoas do mundo – desde o gás natural no Turcomenistão até os shoppings em Dubai e minas no Congo. Os produtos e a força de trabalho da China estão mudando o modelo de negócios global. Os mercadores chineses não só ocuparam a rua principal mais próspera de Dhaka, a capital do Senegal, mas também apreenderam as florestas e as minas de jade da Birmânia. No Peru, um mineiro que trabalhava para uma estatal chinesa disse: “Sentimos que vivemos em uma colônia chinesa”. As empresas chinesas também levaram trabalhadores chineses para a África, abusaram de trabalhadores estrangeiros, prejudicaram o meio ambiente em vários lugares e até conspiraram com gananciosos líderes políticos em vários países para tirar proveito deles, segundo jornalistas espanhóis.

Por mais de uma década, a economia da China cresceu explorando a força de trabalho e pagando baixos salários. Produtos ultra-baratos de fábricas exploradoras causaram “deflação” global. Também causaram insatisfação em países estrangeiros, com boicotes, retaliações e até distúrbios. A “queima de calçados chineses” em Elche, capital da indústria calçadista da Espanha, em setembro de 2004 é um exemplo notável. Alguns proprietários de negócios chineses no exterior na Espanha importaram uma grande quantidade de produtos de calçados baratos da China e abriram fábricas de calçados e lojas de atacado e varejo em Elche. Um bom par de sapatos chineses era transportado para a Espanha por apenas cinco euros, enquanto o preço mais baixo dos sapatos fabricados na Espanha era de oito euros. A diferença de preço de três euros deu ao calçado chinês uma grande vantagem no mercado espanhol. Naquela época, havia dezenas de sapatarias chinesas em Elche, forçando o fechamento de fábricas de calçados espanholas uma após a outra.

Não apenas a Espanha, mas mesmo a potência econômica número um do mundo, os Estados Unidos, sentiu a ameaça dos produtos “baratos” da China. O livro “Death by China: Confronting the Dragon – A Global Call to Action”, do conselheiro da Casa Branca Peter Navarro e do especialista Greg Autry, descreve como o crescimento econômico da China está ameaçando a economia dos Estados Unidos. O livro aponta que o PCC usa todas as armas possíveis – protecionismo, manipulação de moeda, ataques cibernéticos e espionagem – para lançar ataques em todas as frentes. Nos Estados Unidos, alguns produtos chineses, incluindo alimentos contaminados, brinquedos tóxicos e drogas, causaram danos graves ou até mataram consumidores. Ao mesmo tempo, grandes empresas americanas formaram alianças com estatais chinesas, destruindo a manufatura americana.

Confrontar o regime chinês é uma das principais prioridades da administração Trump. O objetivo final é acordar o mundo inteiro para rejeitar o PCC e trabalhar com os chineses para derrotá-lo.

Agora você atingiu um ponto crucial. Como podemos continuar acreditando nas mentiras do PCC e não nos apressarmos em formar uma aliança sob a liderança dos Estados Unidos para derrubar o regime do PCC e salvar o mundo da destruição?

Wu Huilin, Ph.D., ex-professor de Economia da National Taiwan University, é um pesquisador visitante no Departamento de Economia da Universidade de Chicago, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Chung-Hua, professor da Universidade Shih Hsin e Professor do Instituto de Tecnologia e Educação Profissional da Universidade Nacional de Tecnologia de Taipei. Ele é o autor de “A Superfície e a Verdade da Reforma Econômica da China” e publicou mais de 100 artigos acadêmicos e comentários sobre tópicos atuais.v

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

28

 
Matérias Relacionadas