Desastres causam estragos em toda a China afetando centenas de milhares de pessoas

Por Eva Fu

A China, ainda lutando com a pandemia do vírus do PCC, foi atingida por ondas e mais ondas de desastres naturais em todo o país.

As semanas de chuvas torrenciais causaram algumas das piores inundações em décadas, causando estragos em 26 províncias do centro e sul da China e perturbando a vida de mais de 19 milhões de pessoas, segundo as autoridades.

Tempestades de granizo e terremotos também afetaram partes do país nas últimas semanas. Infestações por gafanhotos e doenças de origem animal foram apenas o último dos problemas do país.

Quase 50 milhões de chineses sofreram algum tipo de desastre natural no primeiro semestre de 2020, segundo as autoridades de gerenciamento de emergências da China. Dados oficiais indicam que os desastres deixaram 271 desaparecidos ou mortos e 914.000 pessoas foram evacuadas com urgência, mas os números reais provavelmente serão muito mais altos, dada a tendência das autoridades de encobrir as informações.

As inundações engolem um edifício ao longo do rio Yangtze em 6 de julho de 2020 em Wuhan, província de Hubei, China (Getty Images)
As inundações engolem um edifício ao longo do rio Yangtze em 6 de julho de 2020 em Wuhan, província de Hubei, China (Getty Images)

“Venha ver o oceano”

As chuvas quase diárias em grandes áreas da China desde junho fizeram com que cerca de 300 rios ultrapassassem os níveis de alerta e levaram dezenas de cidades a enviar alertas de emergência. Os cidadãos informaram sobre casas e carros que foram levados pelas águas da chuva.

Hubei, uma província no centro da China cuja capital, Wuhan, era o marco zero do surto de vírus, foi particularmente afetada pelas chuvas. Segundo as autoridades locais, chuvas sem precedentes paralisaram centenas de estradas, transbordaram cinco principais lagos da região e causaram o transbordamento de quase 1.100 reservatórios.

“Venha ver o oceano em Wuhan”, disse um morador em um vídeo mostrando água na altura do joelho na estrada.

Em Xangai, um trio de chuva, ventos furiosos e trovões sacudiu e acordou os moradores em 6 de julho. A água da chuva acumulada no teto de um shopping center começou a derramar, enquanto a água jorrava de uma cobertura de esgoto, segundo histórias de moradores e vídeos compartilhados online. Na mega-cidade de Chongqing, no sudoeste da China, a água barrenta corria pelas janelas do terceiro andar de um edifício residencial, formando uma cachoeira artificial.

Se a tendência continuar, moradores e especialistas temem que a Barragem das Três Gargantas, uma das maiores do mundo, possa explodir sob a pressão da água, colocando em risco centenas de milhões de pessoas que vivem ao longo da costa do Rio Yangtze.

Inundações graves em um condado da província de Anhui, no leste do país, fizeram com que o exame nacional de ingresso na universidade – já adiado por um mês devido ao vírus – fosse adiado, depois de apenas um quarto dos 2.000 estudantes registrados eles conseguirem aparecer, alguns deles em barcos.

Ruas e edifícios submersos após fortes chuvas causarem inundações em Yangshuo, região de Guangxi, no sul da China, em 7 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Ruas e edifícios submersos após fortes chuvas causarem inundações em Yangshuo, região de Guangxi, no sul da China, em 7 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

“Nossa casa pode estar em perigo a qualquer momento”, disse Deng, moradora da cidade de Huangshan, uma atração turística montanhosa de Anhui. Temendo que as águas da enchente pudessem entrar em sua casa, ela não conseguiu dormir à noite, disse ela ao Epoch Times. As inundações locais causaram o colapso de uma estrada para o local turístico e esmagaram um túnel por baixo, criando um buraco de mais de sete metros (23 pés).

Huang disse que está monitorando de perto os orifícios de drenagem quanto a sinais de água. “A chuva é forte demais; se você perder o foco por apenas dez minutos, a casa ficará submersa”, disse ele, observando que mais chuva está prevista para os próximos dias.

Outras crises

Pragas de gafanhotos destruíram colheitas em várias províncias agrícolas desde junho, algumas das quais já foram atingidas por inundações.

Em Quanzhou, um condado agrícola da cidade de Guilin, no sul, afetado pelas inundações, a invasão de gafanhotos por 10 dias esvaziou os campos de milho e grãos, laranjeiras e salgueiros plantados ao longo das margens do rio para evitar inundações, de acordo com os moradores.

“Até as folhas não foram poupadas”, disse Zhao, um agricultor local, ao Epoch Times. No início de junho, uma invasão de gafanhotos na província de Hunan fez com que os moradores se escondessem em suas casas e fechassem suas janelas com força, enquanto os insetos invadiam seus quintais.

Enquanto o principal especialista em agricultura da China, Yuan Longping, negou a possibilidade de uma crise alimentar, críticos e moradores locais levantaram preocupações sobre os recentes desastres. As autoridades da cidade de Sichuan, em Chengdu, emitiram um aviso incentivando os moradores a converter os pomares de frutas em arrozais, sugerindo uma escassez de alimentos.

Enquanto isso, a peste suína africana, que eclodiu pela primeira vez na população suína da China em agosto de 2018, ressurgiu em nove províncias chinesas, incluindo Hubei, Yunnan e Jiangsu. De acordo com um estudo publicado em 29 de junho na revista americana “Proceedings of the National Academy of Sciences”, os pesquisadores chineses também identificaram um vírus da gripe suína chamado G4, que pode se espalhar entre os seres humanos. O vírus evoluiu da cepa H1N1, que causou uma pandemia global de gripe em 2009, e foi detectado em mais de 30.000 porcos em 10 províncias nos últimos anos.

As autoridades da Mongólia Interior emitiram um alerta depois que uma pessoa foi hospitalizada e suspeita de ter contraído peste bubônica, a causa da pandemia da Peste Negra há mais de 670 anos.

Uma cidade na província de Guizhou, no sudoeste, que também registrou fortes chuvas, sofreu dois terremotos em pequena escala em 2 de julho, enquanto cidades do norte, incluindo Pequim e Baoding, na província vizinha de Hebei, viram granizo cobrindo o chão, 1 e 5 de julho. E no final de junho, uma tempestade de granizo em Pequim continuou por sete horas, expelindo granizo do tamanho de ovos que se assemelhavam à forma do vírus.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Regime chinês persegue e ataca companhia internacional de dança

 

 

 
Matérias Relacionadas