Desaparecimento do esquiador uigur é um lembrete da repressão das minorias étnicas por Pequim

Grupos de direitos humanos ficaram horrorizados ao PCC selecionar uma uigur para acender a chama olímpica, chamando isso de um golpe político

Por Antonio Graceffo

Análise de notícias

A repressão do Partido Comunista Chinês (PCC) às minorias étnicas foi o motivo do boicote diplomático generalizado aos Jogos Olímpicos de Inverno. Agora, o esquiador uigur que acendeu a chama olímpica desapareceu.

Apenas alguns dias dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim de 2022, e a controvérsia já é abundante. Um repórter holandês foi maltratado pelas autoridades chinesas durante as filmagens. Atletas e treinadores reclamam de tratamento desumano durante a quarentena forçada. Os principais atletas estrangeiros foram desqualificados por motivos questionáveis, incluindo trajes impróprios. Especialistas em segurança de todo o mundo alertaram sobre o regime chinês espionando atletas e visitantes, por meio de um aplicativo obrigatório de monitoramento de saúde.

Grupos de direitos humanos ficaram horrorizados quando o PCC selecionou uma uigur étnica, Dinigeer Yilamujiang, para acender a chama olímpica, chamando isso de um golpe político para desviar a atenção aos direitos humanos.

Após seu evento, no dia 5 de fevereiro, os jornalistas esperaram por Yilamujiang, mas ela nunca apareceu. Os repórteres também não conseguiram contatá-la através do Comitê Olímpico Nacional. Em uma coletiva de imprensa, os organizadores das Olimpíadas de se recusaram a comentar sobre seu desaparecimento.

O PCC fez um atleta uigure acender a chama olímpica para mostrar ao mundo que, apesar de evidências contundentes do contrário, as acusações de genocídio em Xinjiang eram apenas desinformação. A atleta de 20 anos da província de Altay, no norte de Xinjiang, ficou em 43º lugar em sua estreia olímpica de esqui cross-country, o que levanta a questão de saber se ela havia sido qualificada para competir nos Jogos.

O fato de ela ter sido escolhida para acender o caldeirão foi claramente uma decisão política. O embaixador da China na ONU, Zhang Jun, afirmou que dos 174 membros da equipe olímpica da China, 20 atletas são minorias étnicas. Yilamujiang é uma das seis atletas de Xinjiang, mas ela era a única de etnia uigur. Consequentemente, o PCC esperava que, ao permitir que Yilamujiang representasse a China em um momento crucial, pudesse evitar alegações de racismo e genocídio de uigures. Grupo de direitos humanos do exterios chamaram a medida de “ofensiva”.

Durante entrevistas no início dos Jogos, Yilamujiang agradeceu ao Estado por lhe dar tanto, mas não declarou nada sobre sua etnia ou o quão significativo era ser uma minoria étnica escolhida para acender a chama. Por outro lado, sua colega atleta, Adake Ahenaer, patinadora de velocidade de Xinjiang, mencionou especificamente como era importante para ela, como cazaque, representar seu grupo étnico minoritário e ter sucesso nas Olimpíadas. Ahenaer até comentou como ficou emocionada quando viu Yilamujiang na TV representando os povos minoritários. Mas de alguma forma, Yilamujiang nunca declarou nada semelhante e parece que ela havia sido treinada sobre o que não dizer.

Pequim usou acrobacias publicitárias semelhantes nas cerimônias de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2008. Na época, para provar a igualdade racial do PCC, crianças chinesas, vestidas com trajes étnicos das 56 etnias reconhecidas da China, dançavam ao redor das bandeiras nacionais. Os jornalistas descobriram mais tarde, no entanto, que as crianças que retratavam as minorias da China não eram realmente desses grupos étnicos. Na realidade, as tensões com as minorias étnicas aumentaram, levando aos Jogos defensores da independência pró-Tibete, que protestavam em frente ao prédio da emissora estatal CCTV, em Pequim.

Em 2008, o PCC escolheu um uigur, Kamalturk Yalqun, para ser um portador da tocha olímpica, mas ele não acendeu o caldeirão. Ele vive exilado nos Estados Unidos desde 2014. Seu pai desapareceu no aparato de segurança estatal da China em 2016. Yalqun foi uma das muitas vozes pedindo um boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022.

Embora não houvesse boicotes completos, vários governos ocidentais – como Canadá, Austrália, Reino Unido e Estados Unidos – realizaram boicotes diplomáticos, especificamente devido às violações de direitos humanos contra os uigures.

Em resposta, Pequim alertou que as nações que boicotarem “pagarão um preço” por seu “erro”.

Dezenas de ativistas de direitos humanos protestaram em frente ao consulado chinês em Los Angeles, requisitando boicotes aos Jogos Olímpicos em Pequim, na Califórnia, no dia 3 de fevereiro de 2022 (Alice Sun/ Epoch Times)
Dezenas de ativistas de direitos humanos protestaram em frente ao consulado chinês em Los Angeles, requisitando boicotes aos Jogos Olímpicos em Pequim, na Califórnia, no dia 3 de fevereiro de 2022 (Alice Sun/ Epoch Times)

Uigures que conseguiram fugir para o Ocidente relataram várias formas de abuso pelo PCC, incluindo trabalho forçado, tortura, conversão forçada, extração de órgãos, esterilização forçada, prisão, abuso sexual, detenção em massa e separação de familiares. As vítimas uigures descrevem ter sido forçadas a comer carne de porco, cantar louvores ao líder do PCC, Xi Jinping, beber álcool e queimar um Alcorão. O PCC proíbe as mulheres em Xinjiang de usar lenços na cabeça, enquanto os homens são proibidos de usar barba. A saudação islâmica “As-salamu alaikum” é proibida, assim como o jejum durante o Ramadã. De acordo com uma reportagem de julho de 2021 da revista Time, os guardas do campo afirmaram aos detidos que “todas as etnias serão como uma só e devem compartilhar a mesma língua e comida”.

As regras são aplicadas por meio de câmeras de vigilância de reconhecimento facial que cobrem grande parte de Xinjiang. Ser pego em uma violação pode resultar em detenção.

O PCC afirma que as medidas tomadas contra os uigures são necessárias para combater os “três males” do “separatismo, terrorismo e extremismo”. Também afirma que as acusações de abuso e genocídio de uigures são uma teia de “mentiras e alegações absurdas”.

Apesar das alegações do PCC de que todas as minorias étnicas são tratadas igualmente, sua repressão aos uigures se estende além das fronteiras da China. Como resultado da opressão, muitos uigures fogem para outros países, onde são frequentemente perseguidos e intimidados por agentes do PCC. Em alguns casos, eles são pressionados a espionar para Pequim. Autoridades chinesas conduzem interrogatórios de uigures em “prisões secretas” em outros países, informou a Sky News no dia 9 de fevereiro. Se um uigur em particular é considerado um “encrenqueiro”, então ele simplesmente desaparece.

Em dezembro de 2021, o Congresso dos EUA aprovou uma lei que proíbe as importações de Xinjiang devido a preocupações com o trabalho escravo. O PCC respondeu à proibição, chamando-a de “bullying econômico”.

O Congresso dos EUA aprovou a Lei de Política de Direitos Humanos Uigur de 2020, que impõe sanções a indivíduos e entidades responsáveis ​​por violações de direitos humanos na região uigur de Xinjiang.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas