Deputado denuncia autoridades do governo por mentiras e ocultação de dados durante eleições

O Deputado Ronaldo Caiado, eleito Senador nas últimas eleições, noticiou através de sua página no Facebook que ingressou com representação na Procuradoria-Geral da República contra vários membros da equipe de Dilma devido às mentiras divulgadas durante a campanha eleitoral.

Leia também:
Institutos de pesquisa caem no descrédito após eleições no Brasil
Vídeo prova uso político dos Correios na campanha do PT
Especialistas afirmam que sistema da urna eletrônica brasileira é passível de fraude

Segundo o deputado, “de todas as atrocidades cometidas nesta eleição, a mais vexatória, sem dúvida, foi o governo impondo a órgãos técnicos uma mordaça para que a população não soubesse a real situação do país”.

Leia abaixo o post de Ronaldo Caiado:

“Ingressei com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra as mentiras que o governo Dilma usou para se beneficiar nas eleições. Estou acionando 10 autoridades do governo que no período de campanha esconderam e adiaram a divulgação de dados oficiais que prejudicariam a imagem da presidente e medidas econômicas impopulares, com o aumento dos juros e do preço da gasolina anunciados logo após o resultado das urnas. De todas as atrocidades cometidas nesta eleição, a mais vexatória, sem dúvida, foi o governo impondo a órgãos técnicos uma mordaça para que a população não soubesse a real situação do país. Mais do que ninguém, eles sabiam como estavam fazendo um mau governo e como isso não podia ser revelado durante as eleições.”

A lista de autoridades vai desde ministros, como Guido Mantega (Fazenda), Clélio Campolina Diniz (Ciência, Tecnologia e Inovação), Izabella Mônica Vieira Teixeira (Meio Ambiente) e Edison Lobão (Minas e Energia); a presidentes e diretores de agências, como Alexandre Tombini (Banco Central), Volney Zanardi Júnior (IBAMA), Leonel Fernando Perondi (INPE), Marcelo Côrtes Neri (Secretário Especial para Assuntos Estratégicos), Suarez Dillon Soares (IPEA) e Romeu Donizete Rufino (ANEEL). Todos devem responder pelo Crime de Responsabilidade (1.079/50) e por Improbidade Administrativa (8.429/92).

 
Matérias Relacionadas