Deputado australiano exige que ABC investigue ‘ataques xenofóbicos’ contra o Falun Dafa

Por Caden Pearson

O deputado australiano, democrata liberal David Limbrick, escreveu aos membros do conselho da emissora nacional, a Australian Broadcasting Corporation (ABC), para exigir uma investigação sobre o que ele chama de “um ataque injusto e possivelmente xenofóbico” em um programa que foi ao ar sobre o Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong.

“Hoje enviei uma carta ao conselho da ABC exigindo uma investigação sobre as circunstâncias da produção e transmissão do recente programa de um correspondente estrangeiro no Falun Gong”, anunciou Limbrick no Twitter em 24 de julho.

“A ABC deve ser responsável por suas ações.”

A carta começou mencionando os relatórios da Anistia Internacional sobre como o Falun Dafa foi perseguido pelo regime chinês há mais de 20 anos.

O programa, que foi ao ar em 21 de julho de 2020, apresenta, quase exclusivamente, as experiências de algumas pessoas descontentes que interagiram com ou que conheceram os praticantes do Falun Dafa.

Limbrick escreveu em sua carta: “Durante meu tempo como membro do Sudeste Metropolitano de Melbourne, entendi que o Falun Gong é um movimento sincero cujas crenças não são mais incomuns do que as de muitas outras religiões”.

Limbrick pediu ao conselho da ABC que investigasse:

  • “Se esta reportagem é consistente com as políticas da ABC para lidar com minorias religiosas e vulneráveis”;
  • “Por que os repórteres se recusaram a reconhecer os fatos apresentados nesta carta de 17 de julho de 2020 antes da exibição do programa”;
  • “Se os repórteres tiveram algum contato com funcionários do governo chinês no desenvolvimento da história”.

Antes da carta de Limbrick, e depois de uma reportagem do Epoch Times sobre o programa da ABC, um porta-voz da ABC disse que a emissora pública “confia na precisão e integridade da reportagem”.

O porta-voz disse ao Epoch Times que a ABC “rejeita completamente” qualquer alegação de que sua reportagem sobre o Falun Gong tenham sido “originada ou influenciadas pelo Partido Comunista Chinês”.

O porta-voz insistiu que a ABC havia abordado os praticantes do Falun Dafa para que lhes proporcionassem direito à resposta.

No entanto, a ABC entrevistou a Dra. Lucy Zhao, presidente da Associação Australiana do Falun Dafa, em 17 de julho, apenas quatro dias antes da exibição do programa. Quando perguntada se a ABC hava lhe tratado de forma justa, Zhao disse ao Epoch Times: “Na verdade não”.

Zhao disse que se ofereceu para apresentar os praticantes do Falun Gong à ABC, para que eles pudessem entrevistá-los “para que pudessem ter um reportagem mais igualitária e justa. Mas eles não estavam interessados ​​e não entrevistaram nenhum outro praticante”.

“Eles só queriam obter algumas palavras de mim e não estavam interessados ​​em realmente ouvir ou relatar o que eu quero expressar”, disse ele.

O porta-voz do Falun Dafa australiano John Deller disse ao Epoch Times em 25 de julho que seu primeiro contato com a ABC foi em 10 de julho depois que ele ligou para a produtora da ABC Lisa MacGregor porque um médico lhe disse que uma equipe da ABC estava filmando e tirando fotos de praticantes meditando no Hyde Park, Sydney.

Ele diz que MacGregor ligou para ele três dias depois e disse que a ABC não precisava de nenhuma “contribuição” da Associação Falun Dafa em Sydney, porque “eles haviam entrevistado alguém nos EUA”.

“Então, em 14 de julho, no mesmo dia em que as propagandas do programa começaram, fui contactado por Hagar Cohen, da Background Briefing. Isso me parece uma reflexão tardia”, disse ele.

A ABC não respondeu imediatamente ao pedido do Epoch Times para comentar a carta de Limbrick.

Repórter da ABC participa de uma excursão facilitada pelo PCC ao campo de trabalhos forçados

O programa de Foreign Correspondent da ABC sobre o Falun Dafa continha imagens de vídeo capturadas em 2001 em um campo de lavagem cerebral e trabalho forçado em Masanjia, província de Liaoning, na China, que parecia otimista, mas contrastante com as imagens secretas contrabandeadas para fora do campo.

Eric Campbell, repórter sênior do programa ABC, havia participado de uma viagem facilitada pelo Partido Comunista Chinês (PCC) ao campo de trabalhos forçados e reeducação em Masanjia, famoso por seus graves abusos e vil tortura aos praticantes do Falun Dafa.

A mídia porta-voz do Estado chinês, Xinhua, na época relatou as interações de Campbell com mulheres que eram supostamente ex-praticantes do Falun Dafa e que foram “transformadas” com sucesso.

A Xinhua informou que o jornalista norte-americano da NBC Eric Colt, o escritor da AP John Leicester e o repórter da Singapore Press Holdings, Chew Juai Fong, disseram que agora acreditam na propaganda do PCC após esta viagem.

Campbell disse que o campo “é extremamente aberto, e estou surpreso que tenhamos esse acesso próximo ao campo de reeducação”, informou a Xinhua.

A imagem contrasta com um relatório detalhado do Epoch Times do ano passado no mesmo campo. O relatório apresentava imagens de vídeo secretas contrabandeadas para fora do campo, expondo trabalho escravo e evidências de tortura.

Vídeo secreto do Campo de Trabalho Forçado de Masanjia mostrando um praticante do Falun Dafa depois de ser espancado por protestar contra a perseguição ao Falun Dafa:

Vídeo secreto do Campo de Trabalho Forçado de Masanjia mostrando um praticante do Falun Dafa algemado a uma cama depois de ser severamente torturado por protestar contra a perseguição ao Falun Dafa:

O campo de Masanjia também foi tema de um documentário premiado “Carta de Masanjia”, que conta a história de um praticante do Falun Gong que expôs a perseguição e tortura que sofreu em uma “carta de SOS” que ele contrabandeou em um produto que ele foi forçado a fazer.

Sun Yi segurando a carta de SOS que ele escreveu e que após viajar ao redor do mundo voltou para ele (Cortesia: Flying Cloud Productions)
Sun Yi segurando a carta de SOS que ele escreveu e que após viajar ao redor do mundo voltou para ele (Cortesia: Flying Cloud Productions)

“Se você ocasionalmente comprar este produto, envie esta carta para a Organização Mundial de Direitos Humanos. Milhares de pessoas aqui … vão agradecer e lembrar de você para sempre”, informava parte da nota que foi descoberta em 2011 por Julie Keith, mãe de Oregon, que o encontrou em um produto no Kmart projetado como decoração para o Halloween.

A nota, escrita por Sun Yi, praticante do Falun Gong detido em Masanjia, descreveu as duras condições de trabalho no campo de trabalho de Masanjia e se referia às torturas e abusos sofridos pelos detidos.

Keith levou a carta ao seu jornal estadual e a história se tornou notícia internacional.

A ABC não respondeu ao pedido do Epoch Times para comentar sobre a visita de Campbell a Masanjia em uma viagem facilitada pelo PCC.

Siga a Caden no Twitter: @cadenpearson

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas