Depressão e dor física podem surgir juntas

Dois tratamentos possíveis

A dor e a depressão, a princípio, vão de mãos dadas. Às vezes, a mesma experiência traumática desencadeia ambas, e as duas condições reforçam-se mutuamente.

A dor neuropática, diferente das dores musculares comuns e da dor artrítica, provém de disfunções no sistema nervoso central (ou sistema nervoso periférico). O trauma causa uma atividade elétrica desproporcional na rede nervosa, e as vítimas das enfermidades crônicas neuropáticas, como a Síndrome da Dor Regional Complexa (Complex Regional Pain Syndrome – CRPS – em inglês), experimentam dor devido a um contato normal ou mesmo  a um calor brando.

A acupuntura pode corrigir bloqueios na circulação de qi (energia vital do organismo) que causam esse tipo de dor. Quando é utilizada, a acupuntura reduz a hipersensibilidade associada à dor neuropática. Usada como tratamento complementar às modalidades ocidentais de tratamento, ela pode aumentar a taxa de recuperação, enquanto reduz o estresse, pois lida com a energia (qi) da pessoa, e o qi regula as emoções; por isso, a acupuntura melhora eficazmente também os estados de ânimo.

Leia também: Acupuntura: uma nova técnica que usa apenas três agulhas

 As emoções negativas podem arruinar a saúde

Outra alternativa de tratamento que atua sobre o corpo e o cérebro é a infusão de ketamina. A ketamina é um anestésico que quando administrado por um médico qualificado ou anestesiologista, atua no sistema nervoso para reduzir o excesso de impulsos de dor.

“Ela detém a transmissão de dor desde o corpo à coluna vertebral e [da coluna] ao cérebro, e dá ao sistema a possibilidade de reestruturar-se”, comentou o Dr. Glen Z. Brooks, anestesista de Nova York que oferece tratamentos com ketamina.

Segundo Brooks, em casos de depressão, a ketamina promove o desenvolvimento das sinapses e permite que o cérebro se reestruture, revertendo às causas estruturais da depressão.

A dose de ketamina e o plano de tratamento para os pacientes com depressão e dor são diferentes e devem ser adaptados ao peso corporal do paciente, necessitando ser considerados distintamente, porém os pacientes com enfermidades mistas podem obter melhoras em seus sintomas.

———–

Christine Lin, Epoch Times

 
Matérias Relacionadas