Depois que Wuhan fechou todos os hospitais improvisados, pacientes doentes tiveram tratamento negado

"Estou sem fôlego, para falar uma frase, tenho que respirar pelo menos uma vez no meio”

Por Nicole Hao

Uma paciente com sintomas do novo coronavírus na China disse ao Epoch Times que logo após ser libertada de um hospital improvisado, sua condição piorou.

No entanto, as instalações se recusaram a fornecer tratamento.

Desde 10 de março, quando o líder chinês Xi Jinping visitou o epicentro do surto na cidade de Wuhan, as autoridades locais fecharam todos os hospitais improvisados. Eles afirmam que menos pacientes estavam doentes. Assim, as instalações não eram mais necessárias.

Enquanto isso, o regime chinês alegou que o vírus atingiu seu “pico” e que conteve com sucesso a propagação do vírus.

Mas Fu disse que ela, sua família e outros pacientes como ela ainda estão sofrendo.

Sem tratamento

Fu tem 60 anos e vive com sua família no distrito de Hanyang, no centro de Wuhan. Ela exibiu sintomas leves do vírus. Mas seu teste diagnóstico voltou negativo, então ela foi colocada em um centro de quarentena no início de fevereiro.

Quando sua condição piorou, Fu foi transferida para um hospital improvisado, instalado no Wuhan International Expo Center, no distrito de Hanyang, em 11 de fevereiro.

Ela disse que mais de 900 pacientes estavam confinados no espaço. As camas foram montadas uma ao lado da outra sem barreiras – 22 camas contando como uma unidade.

“Um médico cuidou de oito unidades, o que significa 176 pacientes”, lembrou Fu.

“O médico examinava apenas a temperatura do corpo. Quando não estávamos confortáveis, podíamos pegar remédios no posto de enfermagem. Mas eles não nos deram nenhum tratamento”, acrescentou.

O hospital improvisado foi desativado no dia 28 de fevereiro. Ela foi enviada para outro centro de quarentena, instalado em um hotel, para observação médica.

Fu teve que dividir seu quarto com uma paciente de 30 anos.

Depois de se mudar para o centro de quarentena, Fu se sentiu cada vez pior. “Estou sem fôlego. Para falar uma frase, tenho que respirar pelo menos uma vez no meio”, disse Fu.

Em 10 de março, um médico enviou Fu ao Hospital Wuhan Puren, um hospital designado para o tratamento de COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Ela pagou por uma tomografia computadorizada e exame de sangue.

O relatório de diagnóstico do hospital afirmou que Fu tinha sinais de borrões nos dois pulmões, que poderiam ser lesões infectadas.” Ao mesmo tempo, a artéria, o fígado e a vesícula biliar de Fu tinham sido danificados.

Muitos pacientes com COVID-19 exibem opacidade nos pulmões.

Apesar dos sintomas clínicos de Fu coincidirem com os dos pacientes com COVID-19, o hospital se recusou a tratá-la, dizendo que seu teste diagnóstico voltou negativo.

O Hospital Wuhan No. 9 é um hospital designado que recebe pacientes do centro de quarentena onde Fu estava hospedada. Mas essa instalação também a recusou.

Pacientes liberados

Fu disse que ela não foi a única paciente liberada que não se recuperou.

Depois que a cidade anunciou que todos os hospitais improvisados ​​seriam fechados, o centro de exposições de Wuhan enviou um ônibus para transportar pacientes para os centros de quarentena. Pacientes em estado grave foram transferidos para hospitais. Outros que foram considerados saudáveis ​​voltaram para casa.

Fu disse que falou com os outros 20 pacientes no ônibus. Eles também tiveram danos nos pulmões.

Um homem de 36 anos que também estava no hospital improvisado onde Fu ficou morreu 36 horas depois de receber alta, segundo Fu.

Seu marido, Sr. Fu, também está infectado com o vírus. Depois que o filho dela pediu ajuda nas redes sociais para hospitalizar Fu, ele está sendo tratado no Hospital Popular de Xinzhou, localizado em um subúrbio nos arredores de Wuhan.

“Meu marido está mais doente que eu. O que devo fazer? chorou Fu.

O Epoch Times conversou com o filho de Fu em fevereiro. O filho disse que seu pai havia na realidade morrido em 8 de fevereiro, mas a família não queria que Fu soubesse. Mais tarde, o neto de 17 anos de Fu também foi infectado pelo vírus e está sendo tratado no Hospital Wuhan Kangtai.

Nas mídias sociais, também havia evidências de que os residentes de Wuhan enfrentavam uma situação semelhante à de Fu.

Em 14 de março, Yang Zhanqing, um ativista chinês com sede nos Estados Unidos, compartilhou um vídeo no Twitter, que exibia uma gravação em áudio de uma conversa entre ele e um médico com o sobrenome Wei em Wuhan no WeChat, um aplicativo popular.

Wei disse no vídeo: “Aqui, usamos um diagnóstico e tratamento político”. Ele disse que houve pacientes que não se recuperaram, mas o hospital os liberou de qualquer maneira – para mostrar às autoridades que havia um grande número de pacientes se recuperando.

Como médico, Wei disse que não considerava ético dar alta a esses pacientes, mas não tinha como parar. “Como os especialistas já assinaram os documentos de alta dos pacientes, tenho que liberá-los. Se eu não soltá-los, outros médicos o farão.

Yang postou que ouviu de seus contatos que vários compostos residenciais no distrito de Hanyang tiveram infecções em massa nos últimos dias, em grande parte devido a pacientes dispensados que voltaram para casa e inadvertidamente espalharam o vírus para seus familiares e vizinhos.

Na noite de 13 de março, o internauta de Wuhan, Zhang Yi, transmitiu ao vivo um vídeo mostrando ambulâncias pegando pacientes de suas casas. Mas ao parar em um hospital, a instalação se recusou a recebê-los devido à capacidade total.

 
Matérias Relacionadas