Dependência estratégica da Austrália na China coloca em risco ‘segurança e prosperidade’, afirma Henry Jackson Society

Dependência da China 'nos levou a permanecer calados em relação aos direitos humanos', afirma o relatório

Por Sophia Jiang

A Austrália é mais estrategicamente dependente da China do que seus países parceiros do Five Eyes nos principais setores econômicos, de acordo com um novo relatório do instituto de pesquisas londrino The Henry Jackson Society.

O relatório intitulado “Quebrando a cadeia de suprimentos da China” conclui que as nações dos Cinco Olhos dependem da China em 831 categorias de bens estrategicamente importantes.

A Austrália supera seus aliados ao depender da China em 167 categorias de bens que atendem aos “11 setores críticos”, incluindo saúde, energia, transporte, água, bancos, tecnologia da informação, instalações governamentais, alimentos, serviços de emergência, manufatura crítica e comunicações.

Esse número é preocupante, pois a escassez no fornecimento desses produtos ameaçaria a segurança e a prosperidade da Austrália, de acordo com o relatório.

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, expressou preocupação no fim de semana sobre o risco potencial à infraestrutura de telecomunicações da Austrália devido à parceria Um Cinturão, Uma Rota do estado vitoriano com Pequim.

Pompeo disse à Sky News em 24 de maio: “Não correremos nenhum risco para nossa infraestrutura de telecomunicações, nenhum risco para os elementos de segurança nacional com nossos parceiros do Five Eyes. Vamos proteger e preservar a segurança dessas instituições”, afirmou Pompeo.

Após as observações de Pompeo, o embaixador dos EUA na Austrália Arthur Culvahouse Jr. emitiu uma declaração em 24 de maio para “esclarecer as coisas”.

“Os Estados Unidos têm confiança absoluta na capacidade do governo australiano de proteger a segurança de suas redes de telecomunicações e de seus parceiros do Five Eyes“, disse ele.

Culvahouse disse que os EUA não esconderam suas preocupações com os riscos à segurança das redes 5G, mas elogiaram a “liderança da Austrália na questão”.

“Não sabemos que Victoria se envolveu em projetos concretos sob o BRI, e muito menos em projetos de redes de telecomunicações, que entendemos serem uma questão federal”.

Pompeo também alertou a Austrália de que os projetos que fazem parte da Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), também conhecida domo Um Cinturão, Uma Rota (OBOR) do Partido Comunista Chinês (PCC) precisam ser analisadas ​​com cuidado, e todos os projetos da BRI têm um “custo para isso”.

“Muitas vezes, o dinheiro é emprestado a taxas concessionais, ou as condições são colocadas em documentos de dívida, ou é preciso fazer concessões do governo ao Partido Comunista Chinês para que esses projetos (BRI) sejam construídos”, disse Pompeo.

“(Eles) apresentam riscos reais para as pessoas e riscos reais para o país. Francamente, eles aumentam a capacidade do PCC de causar danos de outras maneiras também.”

Negociação de direitos humanos por parcerias estratégicas

Em seu prefácio, o relatório diz que há 30 anos os países ocidentais esperavam que parcerias estratégicas com o regime chinês o encorajassem a avançar em direção à democracia.

“De fato, a China se tornou cada vez mais autoritária”, afirma o relatório.

Isso tem sérias implicações para a Austrália e seus países parceiros do Five Eyes, Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Nova Zelândia.

A pesquisa analisou a dependência de cada nação do Five Eyes com relação à China em 5.910 conjuntos de dados extraídos do Banco de Dados de Estatísticas Internacionais das Nações Unidas.

As descobertas destacam uma vulnerabilidade preocupante à pressão econômica chinesa e ressoam com um crescente apelo global para dissociar a economia da China, à medida que mais países passam a ver o regime comunista da China como uma ameaça à sua prosperidade e segurança em meio à pandemia de vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como novo coronavírus.

Uma mensagem forte que o jornal entrega é que chegou a hora de partir da ilusão de que “ao negociar e se envolver cada vez mais estreitamente com a China, ela se abriria e se moveria em direção à democracia ao longo do tempo”.

O relatório argumenta que a globalização que os países dos Cinco Olhos advogam desde a Segunda Guerra Mundial levou a uma situação que permite à China acumular um grau perigoso de poder estratégico.

Uma das conseqüências é que “as relações da China com grande parte do mundo democrático agora são caracterizadas pela ‘diplomacia do guerreiro lobo’ (assédio moral brutal e ameaças, geralmente feitas nas mídias sociais) e desprezo pelo Estado de direito”.

Ajude-nos agora doando um ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas