Departamento de Estado sanciona oficial chinês por perseguir o Falun Gong

Por Eva Fu

O Departamento de Estado lançou sanções contra um oficial chinês por perseguir o Falun Gong , enquanto a repressão brutal à prática espiritual pelo regime comunista se aproxima de seu 22º ano.

A sanção impedirá Yu Hui, ex-diretor do Grupo de Liderança Central para a Prevenção e Gestão das Religiões Heréticas da cidade de Chengdu, província de Sichuan, sudoeste da China, de entrar nos Estados Unidos. A pena também se estende a membros de sua família imediata.

“Continuaremos a considerar todas as ferramentas apropriadas para promover a responsabilização dos responsáveis ​​por violações e abusos de direitos humanos na China e em outros lugares”, disse o secretário de Estado Antony Blinken em uma entrevista coletiva anunciando a publicação do relatório anual do departamento sobre Relações Internacionais de liberdade religiosa, que citou prisões arbitrárias, buscas domiciliares, discriminação social e extração forçada de órgãos contra praticantes do Falun Gong.

Blinken disse que a designação foi aplicada a Yu por seu envolvimento em “graves violações dos direitos humanos, especificamente a detenção arbitrária de praticantes do Falun Gong por causa de suas crenças espirituais”.

O Departamento de Estado dos EUA em Washington, DC, em 22 de julho de 2019 (Alastair Pike / AFP via Getty Images)

A disciplina espiritual do Falun Gong compreende três princípios básicos – verdade, benevolência e tolerância – junto com uma série de exercícios de meditação. Depois que seu fundador, Li Hongzhi, introduziu a prática pela primeira vez na cidade de Changchun, no nordeste da China, em 1992, o Falun Gong ganhou entre 70 e 100 milhões de praticantes se espalhando no boca a boca. O regime chinês se sentiu ameaçado por sua popularidade e lançou uma campanha de erradicação total em julho de 1999 com o objetivo de acabar com a fé na China.

A sanção do Departamento de Estado veio um dia antes do Dia Mundial do Falun Dafa, que marca o aniversário da introdução da prática ao público há 29 anos e o 70º aniversário de Li.

Praticantes do Falun Gong, ou Falun Dafa, fazendo a quinta série de exercícios no Central Park em Manhattan em 10 de maio de 2014 (Dai Bing / The Epoch Times)

A sanção também fez de Yu o segundo oficial chinês a ser punido por Washington por perseguir os praticantes do Falun Gong. Em dezembro de 2020, a administração Trump sancionou Huang Yuanxiong, chefe da polícia da província de Fujian, por “violações particularmente graves da liberdade religiosa contra os praticantes do Falun Gong”. Essa designação foi feita no Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Erping Zhang, porta-voz do Centro de Informações do Falun Dafa em Nova York, disse que a decisão dos Estados Unidos “certamente enviará uma mensagem poderosa a toda a China de que o mundo está assistindo e que haverá consequências no mundo real para perseguir os praticantes do Falun Gong ”.

“À medida que a notícia se espalha pelo aparato de segurança do PCC, é muito provável que alguns pensem duas vezes antes de cometer mais abusos”, disse ele em um comunicado.

A organização que Yu presidiu entre 2016 e fevereiro de 2018 também é conhecida como Escritório 610, uma agência extralegal criada pouco antes do início da perseguição com o objetivo explícito de realizar a campanha. A organização detém um enorme poder dentro do Partido e goza de um poder indiscutível para perseguir as minorias religiosas.

A Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG), uma organização com sede nos Estados Unidos dedicada aos direitos do grupo religioso, nomeou Yu como o autor da campanha e listou dois casos de perseguição que ocorreram sob a supervisão de Yu.

Liu Guiying , engenheira sênior de uma grande empresa estatal de telecomunicações chamada China Electronics Technology Group, foi condenada a três anos de prisão em dezembro de 2017 por sua crença, depois de passar dois anos detida sem julgamento.

Recriação de um dos métodos de tortura usados ​​pelos oficiais do PCC para forçar os praticantes do Falun Gong a renunciar à sua fé (Cortesia de Minghui.org)

A juíza disse a seu advogado em particular que “isso foi providenciado com antecedência por superiores e não tina como evitá-lo”.

Mais tarde, na prisão, Liu não teve permissão para tomar banho, lavar o cabelo, escovar os dentes ou usar papel higiênico, informou a organização.

Pan Xiaojiang , um escrivão judicial do Tribunal Popular Intermediário de Nanchong da província de Sichuan, foi preso em fevereiro de 2017 por pendurar uma faixa em público, de acordo com o Minghui, um site criado por praticantes do Falun Gong nos Estados Unidos para coletar relatos de primeira mão sobre a perseguição.

Pan foi condenado a quatro anos de prisão após se declarar inocente em junho de 2018.

O Minghui verificou e documentou milhares de pessoas que morreram nas mãos do regime, embora tenha notado que o número está longe de ser completo devido ao controle estrito do Partido Comunista Chinês sobre quaisquer detalhes relevantes.

Em 2020, mais de 15.000 praticantes foram presos ou assediados e mais de 600 pessoas foram condenadas à prisão. A pessoa mais velha entre os condenados tinha 88 anos.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas