Departamento de Estado condena Pequim por aprisionar 11 praticantes do Falun Gong pouco antes das Olimpíadas

EUA requisita que o regime chinês ‘acabe imediatamente com seus abusos cruéis e maus-tratos aos praticantes do Falun Gong’

Por Eva Fu 

No dia 21 de janeiro, o Departamento de Estado dos EUA repudiou o Partido Comunista Chinês (PCC) por condenar onze praticantes do Falun Gong a até oito anos de prisão por exercerem suas crenças religiosas.

As sentenças de 14 de janeiro foram proferidas apenas algumas semanas antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim.

O Departamento de Estado insta Pequim a “acabar imediatamente com os abusos e maus-tratos aos praticantes do Falun Gong, libertar os presos por suas crenças e declarar o paradeiro dos praticantes desaparecidos”, declarou um funcionário do departamento ao Epoch.

Departamento de Estado dos EUA em Washington, DC no dia 12 de setembro de 2012 (Alex Wong/Getty Images)
Departamento de Estado dos EUA em Washington, DC no dia 12 de setembro de 2012 (Alex Wong/Getty Images)

“Desde 1999, o Partido Comunista Chinês (PCC) tenta erradicar o Falun Gong, uma prática espiritual originária da China, e seus praticantes pacíficos e defensores dos direitos humanos que lutaram por seu direito de praticar suas crenças.”

No início da perseguição do regime em 1999, cerca de 70 milhões a 100 milhões de chineses praticavam o Falun Gong – uma disciplina baseada nos princípios de verdade, compaixão e tolerância – e o Partido Comunista via sua popularidade como uma ameaça.

“Amplas evidências mostram que o governo da RPC continua a reprimir e abusar desta comunidade até hoje”, afirmou o funcionário, citando alegações de tortura e duras sentenças.

“Milhares de praticantes do Falun Gong a cada ano enfrentam detenção, assédio, tortura e abuso por simplesmente se recusarem a parar de praticar pacificamente suas crenças.”

Os praticantes que são presos são frequentemente detidos sem julgamento por longos períodos de tempo, sem representação legal adequada e punidos com acusações falsas e forjadas.

Uma mulher segura uma foto de um homem morto pela perseguição do regime chinês ao Falun Gong, durante um desfile em Washington, no dia 17 de julho de 2014 (Larry Dye/Epoch Times)
Uma mulher segura uma foto de um homem morto pela perseguição do regime chinês ao Falun Gong, durante um desfile em Washington, no dia 17 de julho de 2014 (Larry Dye/Epoch Times)

No caso dos onze praticantes, quinze meses de detenção se passaram antes deles terem uma audiência, em outubro passado, e pelo menos um advogado perdeu sua licença por aceitar seu caso.

Um tribunal de Pequim afirmou que seu crime foi “sabotagem da lei e da ordem”, tanto por exercer suas crenças espirituais quanto por compartilhar fotos e informações com o Epoch Times.

Os onze foram presos em julho de 2020, após o regime descobrir que, como jornalistas cidadãos, eles haviam fotografado evidências da má gestão da pandemia da COVID-19 pelo regime durante os estágios iniciais e depois compartilharam as imagens com o Epoch Times.

“O Partido Comunista Chinês é implacável em sua campanha contra as minorias religiosas”, declarou o senador Rick Scott (Republicano da Flórida) ao Epoch Times.

“Este último ataque aos praticantes do Falun Gong que estavam tentando divulgar informações sobre a pandemia é apenas a evidência mais recente de seus ataques flagrantes e mais uma razão para cortar laços e parar de apoiar esse regime maligno.”

‘O momento mais visível possível’

A sentença, semanas antes da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, no dia 4 de fevereiro, é “um momento que exige clareza moral”, afirmou o reverendo Johnnie Moore, ex-comissário da Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional.

“Vamos ser claros sobre o que está acontecendo aqui: o PCC está prendendo pessoas logo antes das Olimpíadas”, relatou ele ao Epoch Times. “Democratas e republicanos, e aliados da América, têm que traçar sua linha na areia. Isso também se aplica a todas as empresas que agitam suas bandeiras por justiça social: agora elas enfrentam um teste”.

Praticante do Falun Gong, Xu Na, na China, em uma foto sem data. Xu foi condenada a oito anos de prisão por suas crenças religiosas (Epoch Times)
Praticante do Falun Gong, Xu Na, na China, em uma foto sem data. Xu foi condenada a oito anos de prisão por suas crenças religiosas (Epoch Times)

A praticante que enfrenta a sentença mais severa é Xu Na, de 53 anos, uma artista visual de Pequim. Ela sobreviveu a duas prisões anteriores por suas crenças e sofreu várias formas de tortura nas mãos da polícia, incluindo um método em que suas pernas foram abertas em 180 graus. Três detentas então se sentaram em suas pernas e costas e exerceram pressão contínua para causar dor excruciante.

O marido de Xu, o músico folclórico Yu Zhou, foi morto pela polícia no período que antecedeu as Olimpíadas de Pequim em 2008.

Detido durante um “controle olímpico”, em janeiro de 2008, ele foi torturado até a morte duas semanas após sua prisão.

Policial passa por um logotipo das Olimpíadas de Pequim de 2008 (Ola Fagerstrom/Getty Images)
Policial passa por um logotipo das Olimpíadas de Pequim de 2008 (Ola Fagerstrom/Getty Images)

Levi Browde, diretor executivo do Centro de Informações do Falun Dafa, criticou como o “PCC dizimou completamente esta família”.

“[Esta] sentença descarada foi entregue como uma mensagem para o mundo”, declarou Browde ao Epoch Times. “Pense nisso: o PCC escolheu sentenciar Xu no momento mais visível possível: três semanas antes do início dos Jogos Olímpicos, quando todos os olhos estão voltados para Pequim”.

“É como se o PCC estivesse se gabando intencionalmente para o mundo de que vai aprisionar os praticantes do Falun Gong à vontade e que não há ninguém para detê-los. Não podemos permitir que isso seja verdade.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas