Demógrafos alertam sobre colapso populacional iminente

Dados de fertilidade contradizem as previsões da ONU de superpopulação e devastação ambiental

Por Kevin Stocklin

Em meio ao dilúvio de previsões terríveis de que a população humana aumentará exponencialmente, os recursos da Terra se esgotarão e o planeta superaquecerá, dois recentes estudos demográficos prevêem o oposto – que o número de pessoas atingirá o pico nas próximas décadas e então começará uma fase de declínio constante e irreversível.

Em alguns lugares, incluindo Japão, Rússia, Coreia do Sul e a maioria dos países da Europa, esse colapso populacional já começou. A China não fica muito atrás.

As Nações Unidas previram que a humanidade continuará sua rápida expansão no próximo século, crescendo de pouco menos dos 8 bilhões de hoje, para mais de 11 bilhões em 2100. Uma interpretação frequentemente repetida desses dados é que as pessoas estão tendo muitos bebês, e muitos dos modelos de mudança climática e degradação ambiental são baseados em projeções como essas. Em agosto, a ONU declarou um “código vermelho para a humanidade” sobre as mudanças climáticas e a superpopulação, e analistas do banco de investimentos Morgan Stanley afirmaram que o “movimento para não ter filhos devido ao medo das mudanças climáticas está crescendo”.

No entanto, um estudo demográfico financiado pela Fundação Gates e publicado no Lancet, uma revista médica, mostra um quadro muito diferente. Este estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade de Washington, prevê que a população humana global atingirá o pico de 9,7 bilhões dentro de várias décadas e depois começará a diminuir. “Uma vez que o declínio da população global comece”, escrevem os autores, “provavelmente continuará inexoravelmente”.

O estudo do The Lancet projeta que até o final deste século, a China terá tido uma redução de 668 milhões de pessoas, perdendo quase metade de sua população atual, e a Índia perderá 290 milhões. Apesar de todos os esforços para reverter essa tendência na China, incluindo a eliminação da política do filho único e incentivos à criação dos filhos, os casais não estão cooperando; a China experimentou seu quinto recorde consecutivo de baixa taxa de natalidade em 2021.

Dados como esses são a base para a declaração do CEO da Tesla/SpaceX, Elon Musk, que em maio disse que “a civilização vai desmoronar” com a perda de tantas pessoas. Musk havia declarado em um evento de palestras em 2019 que “o maior problema que o mundo enfrentará em 20 anos é o colapso populacional”. Jack Ma, cofundador do Alibaba Group, também presente no evento, disse: “Concordo”.

Elon Musk (D), cofundador e CEO da Tesla, e Jack Ma, co-presidente do Painel de Alto Nível da ONU sobre Cooperação Digital, falam no palco durante a Conferência Mundial de Inteligência Artificial (WAIC) em Xangai, em 29 de agosto de 2019 (Hector Retamal/AFP via Getty Images)
Elon Musk (D), cofundador e CEO da Tesla, e Jack Ma, co-presidente do Painel de Alto Nível da ONU sobre Cooperação Digital, falam no palco durante a Conferência Mundial de Inteligência Artificial (WAIC) em Xangai, em 29 de agosto de 2019 (Hector Retamal/AFP via Getty Images)

Manoj Pradhan, economista e coautor de “The Great Demographic Reversal”, prevê que a perda populacional trará mudanças econômicas, políticas e sociais dramáticas. “O futuro vai parecer muito, muito diferente do passado”, disse ele. Algumas das coisas que estamos vivenciando hoje, como inflação alta, escassez de mão de obra e sacrifício do bem-estar econômico para proteger os idosos e os vulneráveis, oferecem um “olhar para o futuro”.

Os países mais populosos do mundo hoje são a China e a Índia, ambos com cerca de 1,4 bilhão de pessoas, somando um terço da população mundial. Os Estados Unidos estão em terceiro lugar, com 330 milhões. Indonésia, Paquistão, Brasil, Nigéria, Bangladesh, Rússia e Japão completam o top 10.

Segundo o The Lancet e outros estudos, as populações em breve começarão a cair em toda a Ásia e América do Sul, alcançando declínios crônicos que já estão ocorrendo na Europa. Simultaneamente, a África será uma das poucas áreas que continuará a aumentar sua população, embora mesmo na África as taxas de crescimento estejam caindo. A Nigéria está projetada para ganhar 585 milhões de pessoas até o final deste século, tornando-se o segundo país mais populoso do mundo depois da Índia, com a China caindo para o terceiro e os Estados Unidos caindo para o quarto. Japão, Rússia e Brasil em breve sairão do top 10.

A principal discrepância entre aqueles que projetam uma expansão rápida e aqueles que preveem o declínio centra-se nas taxas de fertilidade. O Dr. Darrell Bricker e John Ibbitson, coautores de “Empty Planet: The Shock of Global Population Decline”, vasculharam dados globais de fertilidade e viajaram por seis continentes conversando com pessoas da Ásia, África, América do Sul e Ocidente. O que eles descobriram concorda com o Estudo do The Lancet; tanto estatisticamente quanto informalmente, as taxas de natalidade em todo o mundo estão significativamente abaixo do que a ONU projetou.

Conduzir o colapso populacional é o que Bricker e Ibbitson chamam de “armadilha da fertilidade”. Para um país sustentar sua população, as mulheres devem ter uma taxa média de natalidade de 2,1 filhos. Uma vez que a taxa de fertilidade de um país cai abaixo de 2,1, ela nunca mais volta.

Em 2020, a taxa de fertilidade dos EUA era de 1,6, a taxa mais baixa da história da América e um declínio acentuado dos 3,7 em 1960. A taxa média de fertilidade da Europa é de 1,5. Entre outros 10 países, o Estudo Lancet relata que a taxa de fertilidade do Japão é atualmente de 1,3. A taxa de fecundidade da China varia de 1,3 a 1,5, dependendo da fonte, mas algumas estimativas a colocam em apenas 1,15.

A taxa de fertilidade da Rússia é de 1,6. O número de mortes supera substancialmente o número de nascimentos na Rússia hoje, e projeta-se que perderá até um terço de sua população até 2050. Um relatório afirmou que a perda de população da Rússia significa que em breve ela terá dificuldades para colocar soldados suficientes para um grande conflito militar, provavelmente um fator por trás de suas recentes ameaças de usar armas nucleares.

Em 1960, a mulher média em todo o mundo tinha 5,2 filhos. Hoje, esse número caiu para 2,4 e deve cair para 2,2 até 2050, quase no nível de reposição em todo o mundo. Em 2100, o The Lancet prevê que a fertilidade global será de 1,66, levando em conta as tendências atuais de urbanização, educação das mulheres, participação na força de trabalho e acesso ao controle de natalidade.

Passar de uma taxa de natalidade de 5 para uma taxa de natalidade abaixo de 2, escreve o economista da Universidade de Stanford Charles I. Jones, é a diferença entre “crescimento exponencial tanto na população quanto nos padrões de vida e um planeta vazio, no qual a renda é estagnada e a população desaparece”. O relatório de Jones de março de 2022, intitulado “Consequências de uma população em declínio”, descreve o que ele chama de “resultado do planeta vazio”, apresentando não apenas um declínio na prosperidade humana, mas também um esgotamento da cultura, ideias e inovação. “O crescimento econômico fica estagnado à medida que o estoque de conhecimento e os padrões de vida se estabilizam em valores constantes”, escreve Jones. “Enquanto isso, a própria população cai a uma taxa constante, esvaziando gradualmente o planeta de pessoas”.

Para países abaixo da taxa de reposição, a imigração pode ajudar a sustentar sua população por um tempo, mas há poucos países que permitem uma imigração significativa e menos ainda que a estão gerenciando de forma eficaz. A queda global na fecundidade, no entanto, significa que mesmo países como Estados Unidos e Canadá, que vêm aumentando suas populações por meio da imigração, também podem atingir seus picos em breve.

Embora um futuro com menos pessoas possa trazer benefícios ambientais, um problema demográfico é que, à medida que a humanidade encolhe, a composição das sociedades muda drasticamente. A longevidade é um fator chave que retarda o colapso da população – a média de vida humana aumentou de 51 anos em 1960 para 73 anos hoje. A The Lancet prevê que até o final do século haverá 2,4 bilhões de pessoas com mais de 65 anos, em comparação com apenas 1,7 bilhão com menos de 20 anos. A idade média em todo o mundo subiu de 22 anos em 1960 para 30 anos hoje, e está projetada para aumentar para 41 anos em 2100.

Pessoas empurram carrinhos de bebê por uma rua comercial em Pequim, em 13 de julho de 2021 (Wang Zhao/AFP via Getty Images)
Pessoas empurram carrinhos de bebê por uma rua comercial em Pequim, em 13 de julho de 2021 (Wang Zhao/AFP via Getty Images)

Uma grande parte da população do planeta será mais velha, além da idade fértil e mais dependente de um grupo cada vez menor de jovens produtivos para cuidar deles na aposentadoria. Essa pirâmide inversa de poucos apoiando muitos é provavelmente insustentável. Uma frase comumente usada por pesquisadores em relação a países como a China é que eles estão “envelhecendo antes de serem ricos o suficiente para envelhecer”.

Urbanização

Os demógrafos dizem que há várias causas para o declínio das taxas de fecundidade, mas apontam para um fator que parece estar impulsionando o resto: a urbanização. Quando as pessoas se mudam do campo para as cidades, a economia de ter filhos muda.

Em termos puramente monetários, as crianças não são mais uma fonte de trabalho para as fazendas etc., mas sim uma despesa. Nos Estados Unidos, o custo médio de criar uma criança até a idade adulta, sem incluir as despesas da faculdade, é de US $267.000. Outra consequência da urbanização é que as mulheres se tornam educadas, empregadas, independentes e têm melhor acesso à contracepção. Independentemente do país em que estão, as mulheres reagem da mesma forma, tendo menos filhos e escolhendo tê-los mais tarde na vida.

Segundo os autores do “Planeta Vazio”, menos de um terço da população mundial vivia em cidades em 1960. Hoje, pouco mais da metade da população mundial são moradores urbanos; até 2050, espera-se que esse número aumente para mais de dois terços.

A África está projetada para aumentar de 44% urbanizada hoje para 59 por cento em 2050, a Ásia de 52% para 66%. O resto da população mundial já está mais de 80% urbanizada. O estudo da ONU prevê que a China passará de 16% urbana em 1960 para 80% urbana em 2050. E os problemas demográficos da China são exacerbados pelo fato de que sua política de filho único, embora oficialmente encerrada em 2016, criou uma escassez de mulheres hoje. Atualmente, a China tem 34 milhões de homens a mais do que mulheres, deixando uma grande parte de sua população masculina agora atingindo a idade adulta sem a perspectiva de ter uma família.

O Japão é o nosso futuro?

Alguns dizem que se você quer ver o seu futuro, olhe para o Japão hoje. O Japão é 92% urbanizado e sua população está diminuindo em cerca de meio milhão de pessoas a cada ano. É uma sociedade bastante homogênea com pouca imigração, e suas taxas de casamento e natalidade tem diminuído constantemente, deixando-a com uma população “super-envelhecida”, com 20% agora com mais de 65 anos, e os valores dos ativos caíram.

O índice do mercado de ações Nikkei do Japão caiu durante a década de 1990 de uma alta de 39.000 para 20.000, marcando o “início de uma longa adaptação de uma economia jovem e em rápido crescimento a um novo normal envelhecido e de crescimento lento”, explicou o economista Martin Schultz. As ações japonesas nunca se recuperaram totalmente; três décadas depois, o índice Nikkei está atualmente em 27.000.

Depois de crescer dramaticamente por décadas, o PIB per capita do Japão estagnou em 1995 e não cresceu significativamente desde então. Com uma população envelhecida e em declínio, as vendas de fraldas para adultos no Japão agora excedem as de fraldas infantis, e alguns dos lugares mais vazios do Japão chegaram a colocar bonecas em tamanho natural em locais públicos para fazer com que esses locais se sentissem menos desertos.

Questionado se o Japão era o nosso futuro, Pradhan disse “infelizmente, não, porque isso teria sido bastante reconfortante. O Japão teve sua demografia se tornando negativa enquanto o resto do mundo estava nadando em trabalho de parto”. As empresas japonesas conseguiram prosperar durante o declínio, deslocando a mão de obra para locais com populações abundantes, enquanto os trabalhadores domésticos desenvolveram a automação para aumentar sua produtividade. Consequentemente, o Japão até agora evitou os níveis de inflação e dívida que o encolhimento e o envelhecimento da população trarão.

À medida que os países produzem menos e dedicam cada vez mais recursos para cuidar dos idosos, disse Pradhan, “veremos um aumento na proporção da dívida em relação ao PIB na medida em que ninguém jamais imaginou”. Isso levará a um menor crescimento e a uma inflação crônica. A estagflação pode se tornar uma característica permanente.

Do lado positivo, a escassez de mão de obra provavelmente levará a salários mais altos e a maior igualdade entre as pessoas em idade ativa. E haverá grande demanda por tecnologias para substituir as tarefas mais rudimentares e liberar mão de obra humana.

Pradhan citou o exemplo do governo japonês fornecendo subsídios para casas de repouso para comprar robôs para realizar os aspectos mais simples do cuidado de idosos. “A produtividade do Japão é uma fonte de esperança para todos nós”. Também é possível que avanços médicos possam melhorar a saúde dos idosos e estender os anos produtivos das pessoas, permitindo que a aposentadoria seja adiada para mais tarde na vida.

Outra coisa que estará em alta é a empatia em cuidar dos outros, o que as famílias tradicionalmente faziam pelos pais e avós. “Acho que isso é algo que perdemos em uma sociedade mecanizada”, disse Pradhan.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas