Democratas e Casa Branca permanecem profundamente divididos sobre muro da fronteira

Por Emel Akan

WASHINGTON – Outro possível fechamento do governo está a menos de duas semanas de distância, mas a disputa entre a Casa Branca e os Democratas do Congresso sobre o financiamento da segurança nas fronteiras continua.

O presidente Donald Trump se recusou a descartar outra paralisação, mas também sinalizou que poderia declarar uma emergência nacional para realocar recursos para financiar um muro ao longo da fronteira sul.

“Eu não tiro nada da mesa”, disse Trump ao programa Face the Nation, da CBS, em 3 de fevereiro, referindo-se a outra paralisação do governo.

“É essa alternativa. É uma emergência nacional, são outras coisas. E você sabe que tem havido muitas emergências nacionais. E isso realmente é uma invasão do nosso país por traficantes de seres humanos”, disse ele.

Trump acusou a presidente da Câmara, Nancy Pelosi (D-Calif.), De “fazer jogos”.

“Ela pode continuar jogando seus jogos, mas nós vamos vencer. Porque nós temos uma questão muito melhor ”, disse ele. “Acho que Nancy Pelosi está fazendo um terrível desserviço ao povo de nosso país”.

Pelosi disse que não haverá dinheiro para o muro da fronteira na legislação que está sendo negociada por um comitê bipartidário. Em vez disso, ela disse que o financiamento para tecnologia adicional e mais portas de entrada são “parte da negociação”.

Restam alguns dias

O comitê bipartidário da conferência composto por 17 democratas e republicanos, foi formado como parte do acordo para acabar com a paralisação parcial do governo que durou 35 dias. O comitê, que tem a tarefa de negociar um compromisso sobre segurança de fronteira, se reuniu pela primeira vez na semana passada.

Enquanto o governo é financiado até 15 de fevereiro, o comitê da conferência tem apenas alguns dias para formular um acordo sobre gastos com segurança nas fronteiras. O grupo precisa encerrar seu trabalho até 8 de fevereiro, para que as duas câmaras possam votá-lo até o prazo final. Ainda não está claro se um acordo será atingido até lá.

Quando o comitê se reuniu na semana passada, os republicanos ainda buscavam US $ 5,7 bilhões para construção do muro, mas os democratas deixaram claro que não ofereceriam mais dinheiro para barreiras nas fronteiras.

O financiamento para a construção de uma barreira física ao longo da fronteira sul foi o ponto focal da recente paralisação do governo, que se tornou a mais longa da história dos Estados Unidos.

De acordo com um relatório do Goldman Sachs, Trump pode concordar em assinar o relatório da conferência, mas, ao mesmo tempo, invocar seus poderes de emergência para financiar o muro de fronteira se o relatório pedir por dotações de segurança nas fronteiras abaixo do esperado.

“Vemos isso como o resultado mais provável porque, apesar de um acordo paliativo, o presidente Trump e os democratas do Congresso continuam fundamentalmente em conflito com as dotações de segurança nas fronteiras, mas provavelmente tentarão evitar uma nova paralisação”, afirmou o relatório.

‘Último recurso’

A conselheira da Casa Branca, Kellyanne Conway, disse aos repórteres em 4 de fevereiro que o presidente tinha o “direito absoluto de declarar uma emergência nacional”.

“Nunca foi sua opção preferida”, disse ela. “Seria o último recurso depois que o Congresso concluísse seu trabalho”.

Especialistas dizem que Trump pode imediatamente enfrentar uma batalha legal se ele optar por declarar uma emergência nacional.

Segundo o Serviço de Pesquisa do Congresso (CRS), o presidente tem outras autoridades para construir barreiras ao longo da fronteira sem declarar uma emergência nacional.

O relatório divulgado pela agência federal apartidária no mês passado refere-se a duas seções do Título Code 10 dos Estados Unidos – Seção 2803 e Seção 284.

A seção 2803 autoriza o presidente a orientar o Departamento de Defesa a “realizar um projeto de construção militar não autorizado por lei” por razões de segurança nacional ou proteção da saúde, segurança ou qualidade ambiental.

A seção 284 também autoriza o presidente a enviar os militares americanos para a fronteira sul para construir cercas para ajudar “atividades de combate às drogas ou atividades para combater o crime organizado transnacional”.

Segundo o relatório, o presidente pode invocar esses poderes sem declarar uma emergência nacional. No entanto, o uso de tais autoridades também pode ser contestado em um tribunal federal, afirmou o relatório.

Siga Emel no Twitter: @mlakan

 
Matérias Relacionadas