Demência é revertida em ratos e testes em humanos já possuem data marcada

Pesquisadores usaram técnica não invasiva que emprega ultrassom de varredura para limpar os acúmulos tóxicos no cérebro que são a marca da doença de Alzheimer

Por Mimi Nguyen Ly

O tratamento para a demência está à vista depois que o governo federal australiano anunciou um financiamento de US$ 10 milhões para um estudo que conseguiu reverter completamente a demência em camundongos, com testes clínicos em humanos programados para começar no final de 2019.

A técnica pioneira foi desenvolvida em 2015 no Queensland Brain Institute (QBI), disse um órgão de pesquisa da Universidade de Queensland (UQ). Os pesquisadores usaram uma técnica não invasiva que emprega ultrassom de varredura para limpar os acúmulos tóxicos no cérebro, que são a marca da doença de Alzheimer, uma forma comum de demência.

O professor Jurgen Gotz disse que os resultados foram completamente inesperados.

“A cognição foi restaurada. Então, os ratos estavam perfeitamente bem depois, o que foi uma surpresa para nós, mas obviamente foi extremamente encorajador”, disse ele à Australian Broadcasting Network.

Atualmente não há cura para a demência, ela continua sendo uma condição degenerativa.

Gotz observou que a condição degenerativa atinge um “ponto sem volta” em um certo estágio, e quanto mais cedo a intervenção, maior a chance de conseguir reverter a demência.

“Idealmente, trataríamos um paciente no estágio pré-sintomático e, obviamente, onde é necessário mais financiamento para conseguir isso”, disse Gotz à ABC.

“Inevitavelmente, há um ponto sem volta. Por isso, queremos tratar o mais cedo possível antes que todos os danos tenham ocorrido”, acrescentou.

Testes clínicos em humanos definidos para começar

Alguns testes em um pequeno número de ovelhas sugerem que a técnica de ultrassom de varredura é segura para uso em cérebros maiores.

Com o financiamento recente, os pesquisadores da UQ esperam iniciar testes em seres humanos no final do próximo ano para verificar se o tratamento é seguro para uso humano. Os testes serão realizados com até 10 pessoas cadastradas previamente e com demência em estágio inicial.

“Uma vez que a tecnologia tenha sido considerada segura, a segunda fase do teste é projetada para determinar se o ultrassom é um tratamento eficaz para a demência”, afirma o site da UQ.

“O objetivo, a longo prazo, é criar um dispositivo portátil e acessível, que ajudaria os milhões de pacientes de Alzheimer em nosso país e no mundo”, disse Gotz à ABC.

O subsídio do governo, juntamente com doações filantrópicas, aproximou o instituto de pesquisa de sua meta de US$ 30 milhões.

O professor Pankaj Sah, diretor do Instituto do Cérebro da Universidade de Queensland, disse que o financiamento ajuda a acelerar o entendimento dos cientistas sobre como a varredura de ultrassom pode ser usada para tratar mais efetivamente a demência.

“A tecnologia abre temporariamente a barreira hematoencefálica para remover as placas tóxicas do cérebro, reverter com sucesso os sintomas de Alzheimer e restaurar a função da memória em modelos animais”, disse Sah, segundo um comunicado da UQ.

“Os testes de segurança humana no final do próximo ano são o próximo passo, representando um investimento em pesquisa que já está em andamento. O financiamento é essencial para continuarmos a nos aproximar da produção de um tratamento não invasivo para a demência”.

O financiamento apoiará a equipe de 90 pesquisadores do Centro Clem Jones para Pesquisa sobre Demência do Envelhecimento (CJCADR, em inglês) da QBI nos próximos cinco anos.

“Como indicação, o prazo médio do ponto de descoberta até o tratamento disponível é de 15 anos. A descoberta inicial do ultra-som foi feita em 2015 ”, disse o site da QBI.

Sem um avanço médico, o número de australianos com demência deve aumentar para 1,1 milhão até 2056, informou a ABC.

Estima-se que a demência afete cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo, 400.000 das quais na Austrália.

Aqueles que estiverem interessados em participar dos estudos podem obter mais informações para saber se são elegíveis no site www.anzctr.org.au, uma vez que os critérios de elegibilidade sejam disponibilizados.

 

De NTD News

 
Matérias Relacionadas