Delírios de um professor Marxista

A maldade, tanto real quanto potencial, é, infelizmente, uma constante na história humana por causa de nossa natureza imperfeita

Por Theodore Dalrymple

Quando se tratou de Hitler, Karl Kraus, o satírico vienense, disse que não conseguia pensar em nada para dizer.

Isso soa estranho, primeiro porque Hitler foi, e continuará sendo, um assunto inesgotável para especulação biográfica e psicológica, provavelmente vencendo Napoleão ou Stalin na quantidade já escrita sobre ele; e segundo porque Kraus escreveu milhões de palavras e teve uma opinião sobre quase tudo o mais.

Mas se sabe o que Kraus quis dizer. “Do que não se pode falar, deve-se calar”, escreveu outro vienense, o filósofo Ludwig Wittgenstein, embora em outro contexto. O indizível é o maior assunto de todos.

Lembro-me de um dos primeiros prisioneiros que conheci como médico prisional. Ele matou três crianças e depois as empalou. Claro, não cabe ao médico discorrer sobre os pecados de seus pacientes: o homem tinha bronquite e precisava de tratamento, só isso.

Mas o que, em qualquer caso, alguém poderia dizer de maneira útil? Será que alguém poderia, por exemplo, provar pelo silogismo que matar e empalar crianças é errado, de modo que ele então responderia: “Ah, agora eu percebo que o que fiz foi errado e prometo que nunca mais farei isso”? A própria ideia é absurda.

Quando comecei a resenhar livros, muitos anos atrás, pensei que a crítica destrutiva seria divertida, mas há muito tempo parei de me sentir assim, embora ocasionalmente ainda recorra a ela. A crítica destrutiva deve causar dor ao receptor, que afinal é um ser humano, e gostei do professor.

Achei que ele provavelmente fosse um tipo decente, falando pessoalmente. Com suas idéias, no entanto, eu não o quero no comando: mas não tenho certeza se quero que alguém esteja no comando, muito.

Ele era bem-educado e não pude deixar de pensar nele, sem dúvida erroneamente, como um personagem saído de um dos romances de Joseph Conrad sobre a revolução. Mais ou menos com a minha idade, ele disse que ainda esperava uma revolução comunista adequada, purificada de deformações como as de Stalin e Mao, que me pareciam uma esperança tão realista quanto a minha de um dia jogar críquete pela Inglaterra.

Talvez uma comparação mais adequada seja com Santo Agostinho, que rezou para ser bom, mas não agora: Revolução, sim, mas não antes de ele ter pago a hipoteca e reivindicado sua pensão completa.

O professor era um homem inteligente e provavelmente culto também. Como foi possível, no Ano de Nosso Senhor 2021, que tal pessoa ainda acreditasse que, até o advento de Stalin, a revolução russa era uma coisa boa, a ser imitada ou repetida em outro lugar?

Acho que a resposta deve estar na psicologia da religião: quando a fé religiosa é substituída por uma filosofia que se orgulha de sua racionalidade, ela logo se torna religiosa no pior sentido possível. Torna-se uma teocracia ateísta.

Tudo se sabia sobre a União Soviética desde o início. Simplesmente não é verdade que Solzhenitsyn revelou algo ao Ocidente que, em essência, não era, ou não poderia ter sido, conhecido antes.

Há várias décadas, coleciono livros sobre a Rússia e a União Soviética, de forma desconexa, desde um pouco antes da Revolução até a Segunda Guerra Mundial, e embora seja verdade que muitos deles são elogiosos, com títulos que agora parecem hilários para nós, como “The Soviet Union Fights Neurosis”, um grande número de livros de vários gêneros, de ensaios a histórias a memórias a romances e contos, foram publicados que expuseram a perversidade do bolchevismo desde o início – uma maldade que qualquer um com qualquer imaginação poderia ter antecipado a partir do estilo literário de Lenin sozinho.

A maldade leninista era a maldade de um tipo novo e mais completo, que agia na mente como um vírus age em um computador (a maldade, tanto real quanto potencial, é, infelizmente, uma constante na história humana por causa de nossa natureza imperfeita).

Solzhenitsyn estava certo sobre a diferença entre Macbeth, que por ambição pessoal matava pessoas, mas apenas algumas, e os assassinatos em massa com motivação ideológica na União Soviética e em outros lugares – a diferença estando precisamente no efeito da ideologia.

Foi tão surpreendente encontrar alguém que ainda acreditava que uma revolução “pura” poderia acontecer, e que tal pessoa estava ensinando história de todas as coisas, em uma universidade respeitável, ou pelo menos de renome, que, como Karl Kraus confrontou por Hitler, eu não conseguia pensar em nada para dizer.

Não tinha ideia se ele ainda dava aulas para alunos de graduação ou se, ao fazê-lo, suprimiu pelo menos algumas de suas opiniões (como um juiz deve suprimir suas próprias opiniões particulares): mas confesso que a acusação contra Sócrates, de corromper a juventude, veio à minha mente.

A sentença de cicuta, entretanto, não. Como eu disse, gostei do professor e, por temperamento (não posso alegar isso como uma virtude), sou um odiador medíocre. Gosto da grande maioria das pessoas que encontro.

É claro que a corrupção da juventude pode ocorrer de muitas maneiras, passivamente, por assim dizer, em vez de ativamente.

Há alguns anos, dei uma palestra para estudantes na Suíça, não sei do quê. Os alunos eram brilhantemente inteligentes, multilíngues e todos muito charmosos.

O passado nada significava para eles, e embora eu não diga que aqueles que não se lembram do passado estão condenados a repeti-lo (não existe tal fatalidade na história), torna a repetição mais provável.

Theodore Dalrymple é um médico aposentado. Ele é editor colaborador do City Journal of New York e autor de 30 livros, incluindo “Life at the Bottom”. Seu livro mais recente é “Embargo and Other Stories”.

A visão expressa neste artigo são o ponto de vista do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas