Defesa de Jeanine Áñez denuncia que buscam processá-la apenas por meios ordinários 

Juanito Angulo, declarou aos meios de comunicação que Áñez "não cumpriu a sucessão constitucional" e que o seu governo era "de fato" ao qual deveria corresponder um processo penal ordinário

Por Agência Efe

A defesa da ex-presidente interina da Bolívia Jeanine Áñez denunciou nesta quarta-feira a intenção da justiça de submetê-la a processo ordinário por ato no exercício de suas funções, algo que eles consideram contrário ao que as leis estabelecem.

O objetivo é “anular todos os julgamentos de responsabilidade que estão sendo aprovados” no Parlamento, explicou o advogado Luis Guillén em uma entrevista coletiva convocada em La Paz pelo grupo de advogados que defendem o ex-presidente interino.

A intenção subjacente, referiu Guillén, é “abrir esta porta judicial” para que todos os processos que se travam contra o ex-chefe de Estado interino sigam o caminho normal e não recebam tratamento especial como presidente do país, disse o jurista.

Uma audiência agendada para este dia deve determinar a ratificação ou não de uma resolução que deu origem a um processo judicial contra Áñez por nomeação supostamente irregular na Diretoria Geral da Companhia Boliviana de Almendra (EBA), em maio do ano passado.

Guillén explicou que o que se observa é que a referida designação cabia a alguém que alegadamente não tinha poderes para exercer o cargo porque não tinha título em disposição nacional e que este processo deveria ter sido levado “para o campo do direito administrativo. “

Tratando-se de uma ação que Áñez assumiu durante o exercício da presidência interina do país, corresponderia um processo de responsabilidades e não um processo de justiça ordinária, referiu o jurista.

Digo que esta “não é uma questão menor”, ​​já que “os direitos de todos os cidadãos bolivianos ficariam indefesos e à mercê dos operadores de justiça que atualmente estão sendo seriamente questionados”, disse Guillén.

A este respeito, o deputado do governante Movimiento al Socialismo (MAS) Juanito Angulo, declarou aos meios de comunicação que Áñez “não cumpriu a sucessão constitucional” e que o seu governo era “de fato” ao qual deveria corresponder um processo penal ordinário.

Justamente, vários altos funcionários do governo reiteraram que o governo de Áñez foi produto de um “golpe de estado” e que não cumpriu a sucessão constitucional baseada na interpretação de uma recente decisão do Tribunal Constitucional, mas que não se refere explicitamente ao ex-presidente.

Na mesma linha, há poucos dias o líder do MAS e ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu à justiça que agilize um julgamento ordinário contra Áñez, já que um julgamento de responsabilidade “não é correspondente”.

Áñez está encarcerada há mais de sete meses em uma prisão de La Paz acusada de terrorismo, sedição e conspiração no caso denominado “golpe de Estado” no qual alguns oponentes, ex-colaboradores seus junto com ex-chefes militares e policiais por eventos da crise política de 2019.

Quatro propostas acusatórias de julgamento de responsabilidades estão em análise no Parlamento, uma delas pela morte de 20 de civis, que necessita da aprovação de 2/3 dos parlamentares, montante a que o MAS não é suficiente, apesar de sua maioria.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também: 

 
Matérias Relacionadas