Defesa de Ghislaine Maxwell chama suas primeiras cinco testemunhas

Defesa chama testemunha especialista em falsas memórias

Por Dave Paone

Após um hiato de três dias, o julgamento de Ghislaine Maxwell no tribunal federal em Manhattan foi retomado no dia 16 de dezembro, com a defesa chamando suas cinco primeiras testemunhas.

A primeira no estande foi Cimberly Espinoza, que começou a trabalhar para a equipe jurídica de Jeffrey Epstein em outubro de 1996. Ela tinha 28 anos na época.

Espinoza mudou rapidamente de posição e tornou-se a assistente executiva de Maxwell.

Sob exame direto pelo advogado de defesa, Christian Everdell, Espinoza afirmou: “Eu respeitava muito Ghislaine” e “Eu a admirava muito”.

Quando ela conheceu “Jane”, a suposta vítima que testemunhou para a acusação, ela estimou sua idade em “provavelmente 18”.

Ela afirmou que a mãe de Jane se referia a Jane como afilhada de Epstein e, portanto, foi tratada de maneira “um pouco mais especial” em seu escritório, na Madison Avenue.

Espinoza testemunhou que, anos mais tarde, Jane parou de circular pelo escritório porque foi escalada para uma novela na Califórnia.

A série passou a ser uma das favoritas de Espinoza, e Jane enviou para ela fotos autografadas de três de seus atores (incluindo Jane), bem como uma foto do elenco, também assinada pelos atores.

As fotos foram temporariamente seladas como prova.

A Dra. Elizabeth Loftus foi a primeira testemunha especialista da defesa, com especialidade em falsas memórias.

Após ler os destaques de seu currículo de 47 páginas, Loftus deu vários exemplos de como a memória de uma pessoa pode ser corrompida.

Em um exemplo que ela conduziu durante sua pesquisa, os participantes viram uma simulação de um acidente de carro, onde um carro passou por uma placa de pare.

No “efeito de desinformação”, eles foram informados de que era um sinal de atenção e suas memórias incorporaram a informação errada.

Outra é a “informação pós-evento”, em que uma pessoa obtém novas informações e as incorpora em sua memória. Loftus testemunhou que, às vezes, a mídia pode ser responsável por isso.

Também existe a “sugestão automática”, em que uma pessoa aponta inferências e elas tornam-se memórias.

Durante todo o seu depoimento, Loftus desviou o olhar do advogado de defesa, Bobbi Sternheim, então do júri e posteriormente de volta a Sternheim.

Ela passou a explicar mais casos em que a memória pode mudar devido a estímulos externos.

Loftus encerrou seu depoimento direto revelando que está recebendo US $600 por hora por seus serviços prestados à defesa.

Sob interrogatório, a promotora Lara Pomerantz utilizou essa informação, fazendo Loftus parecer uma arma de aluguel, citando que nos cerca de 150 julgamentos criminais em que ela testemunhou, todos, exceto um, foram pela defesa.

Loftus escreveu um livro, “Witness for the Defense”, que foi publicado em 1991.

Pomerantz afirmou: “Você não escreveu um livro chamado ‘Impartial Witness’”(testemunha imparcial, em tradução livre), ao qual Loftus respondeu: “Não tenho um livro com esse título”.

Pomerantz tentou desacreditar as pesquisas e experimentos de Loftus, fazendo-a admitir que as pessoas retêm memórias centrais de eventos traumáticos e não detalhes periféricos, e que eventos traumáticos repetitivos são lembrados com mais precisão.

Ela terminou seu interrogatório com Loftus admitindo que nunca conduziu qualquer experimento ou estudo com meninas adolescentes sofrendo abuso sexual, e nunca colocou uma falsa memória de abuso sexual na infância em um participante de um estudo.

As outras três testemunhas foram o agente de viagens Raghu Sud, o agente de alfândega e proteção de fronteiras dos Estados Unidos, Michael Aznaran, e o funcionário do distrito escolar de Palm Beach, Dominique Hybbolite.

O testemunho direto de Hybbolite durou apenas alguns minutos no final do dia e será retomado no dia 17 de dezembro.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas