DAFOH divulga relatório devastador sobre como o PCC manipula a ajuda durante a pandemia de COVID-19

Por Marco Respinti, Bitter Winter

A organização Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH) é provavelmente a maior organização do mundo que expõe um dos aspectos mais brutais do regime chinês, a extração de órgãos de prisioneiros de consciência. Atualmente, lançou um novo e devastador relatório sobre mentiras, violações de direitos humanos e os objetivos ideológicos hegemônicos do Partido Comunista Chinês (PCC). A Itália está especialmente em jogo como um estudo de caso de interesse global. O relatório DAFOH está sendo publicado em vários idiomas.

Intitulado Desmascarando a pandemia do COVID-19, o relatório inclui dados sobre a manipulação sistemática da verdade e dos registros médicos do PCC. Uma linha do tempo do desenvolvimento do vírus do PCC(Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como novo coronavírus, é usada para destacar como a China é responsável pela disseminação da pandemia. Ela minimizou a ameaça em suas negociações com a Organização Mundial da Saúde (OMS), recusou-se a permitir inspeções no local por especialistas da OMS, além de funcionários do Centro de Controle de Doenças dos EUA, e continuou a espalhar notícias falsas.

A China também colocou o mundo em maior perigo “criando uma escassez global de máscaras faciais e depois escolhendo como e quando distribuir a ajuda”, para “abrir uma lacuna entre os países europeus, seguindo o caminho da divisão e conquista, ou ‘dividir e conquistar’, primeiro arruinando as associações entre os países e depois aparecendo como a salvadora que deu máscaras às regiões oprimidas”. O PCC aproveitou a crise da COVID-19 para ampliar o controle de Pequim sobre os países estrangeiros, em uma versão revisada do projeto “Um Cinturão, Uma Rota” (OBOR), que visa reformular o que resta da globalização impondo suas “características chinesas”.

Caridade falsa e controle de alta tecnologia

Dos nove capítulos e 41 páginas, o capítulo 3, intitulado “A diplomacia da máscara facial – uma agenda oculta”, é particularmente importante. Ele observa que “entre 1º de março e 4 de abril de 2020, a China exportou mais de 386 milhões de máscaras, 2,8 milhões de kits de teste COVID-19 e mais de 2,4 milhões de termômetros infravermelhos”. Muitos desses “foram vendidos, e não doados, e o slogan ‘Made in China’ começou a ter conotações mortais”.

Mas assim que essas grandes remessas chegaram a vários países (incluindo a Itália), “começou o clamor de que os EPIs pobres, defeituosos e até não licenciados tinham sido rejeitados por países da Europa. De fato, esforços de suporte muito divulgados, em vez de fornecer assistência, colocam os profissionais de saúde em risco ao criar uma falsa sensação de segurança”. O relatório da DAFOH descreve esse movimento como uma tentativa “do Partido Comunista Chinês de capitalizar uma tragédia humana”: “colocar os lucros acima da vida das pessoas em um momento de tragédia médica, [é] preocupante”.

O capítulo 4, intitulado “Preocupações com a Sociedade da Cruz Vermelha Chinesa”, é igualmente arrepiante. Ele define a Sociedade da Cruz Vermelha Chinesa (SCRC) como “[um] braço do Partido Comunista Chinês controlado pelo Estado”. Conforme explicado no relatório, “em fevereiro de 2020, o SCRC se tornou alvo de críticas e foi submetido a intenso escrutínio, tanto em casa quanto no exterior, por sua incapacidade de distribuir ajuda às instituições mais necessitadas, e ela foi acusada de armazenar e manipular mal suprimentos urgentemente necessários em armazéns. Em Wuhan, o epicentro do surto de COVID-19 na China, vazaram vídeos de funcionários do SCRC nos quais eles forneceram EPI a funcionários do governo local em um momento em que os hospitais os necessitavam desesperadamente, provocando protestos nas mídias sociais chinesas”.

Mas ainda há mais. O relatório da DAFOH descreve o SCRC como nada mais que uma ferramenta nas mãos do PCC, usada para promover o impulso do regime em direção ao controle estrangeiro. De fato, “surgiram relatórios afirmando que, juntamente com a ajuda muito divulgada do SCRC, a Huawei estava tentando estabelecer redes 5G baseadas em nuvem diretamente com os hospitais de Wuhan”, que “imediatamente levantaram preocupações sobre segurança”. Em resumo, “as tentativas feitas pelo SCRC de tirar proveito da vulnerabilidade criada pela pandemia induzida pelo PCC e, portanto, direcionando a agenda do PCC […] indica que as razões para a ajuda fornecida pelo SCRC não são simplesmente humanitárias”.

Planos hegemônicos

De fato, o SCRC parece ser a última peça de um grande plano hegemônico. Em janeiro de 2017, o Secretário-Geral do PCC e Presidente da República Popular da China, Sr. Xi Jinping, assinaou um memorando de entendimento com a OMS sobre a construção da chamada “Rota da Seda da Saúde”, que “Melhoraria a saúde pública” em países da OBOR da China. Atualmente, o pensamento da OBOR de Xi Jinping, isto é, de sua busca neo-pós-comunista pela remodelação do mundo, são uma parte essencial da Constituição chinesa. E a COVID-19 agora pode servir como um veículo inesperado, mas bem-sucedido para ambos.

Veja também:

“Desde que a epidemia da COVID-19 se espalhou para fora da China ao longo das rotas da OBOR”, o relatório DAFOH argumenta que “esses mesmos corredores, portos e centros de logística estão sendo usados ​​para prestar assistência médica aos países parceiros que precisam, enquanto Pequim tenta se posicionar como líder mundial em cuidados com a saúde – um movimento que o presidente chinês Xi Jinping chama de ‘Rota da Seda da Saúde’”.

É por isso que “a Rota da Seda da Saúde apresenta uma estrutura através da qual Pequim pode optar por renovar sua OBOR”. Obviamente, a pandemia também foi um duro golpe para a economia chinesa, e o projeto OBOR também sofreu, mas agora parece que uma nova oportunidade está à vista. O relatório, Desmascarando a pandemia da COVID-19, afirma que “a Rota da Seda da Saúde pode se tornar uma bandeira nova e conveniente para uma política externa icônica que a China simplesmente não abandonará, mesmo sob significativa pressão”.

Primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte e Xi Jinping

É aqui que a Itália entra em cena. A ideia da “Rota da Seda da Saúde” surgiu abertamente durante uma conversa telefônica em 16 de março, enquanto a Itália estava no meio do surto de coronavírus, entre Xi Jinping e o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte. A Itália é um dos signatários europeus dos memorandos da OBOR com a China. Foi nesse momento que o regime chinês “enviou sua Cruz Vermelha Chinesa estatal para a Itália, […] usando o pretexto de fornecer ajuda humanitária”. De fato, naquela época, Pequim já havia “minimizado a ameaça mortal da COVID-19”, criando assim as condições “que permitiam que o vírus entrasse e depois se espalhasse por toda a Itália, causando uma calamidade, numa escala que não havia sido experimentada há gerações, diretamente sobre o povo italiano.

Atualmente, como indicado no relatório – e “de uma maneira bem documentada”, escreve a DAFOH – o SCRC é um parceiro na “busca do governo chinês de se estabelecer como parceiro 5G da Itália por meio da afiliada estatal Huawei”. A medida humanitária visava “atrair o povo italiano para uma maior colaboração econômica e diplomática e a expansão da rede de vigilância 5G do governo chinês”.

É por isso que, em 7 de maio, o ramo italiano da DAFOH enviou uma carta ao governo e ao parlamento italiano pedindo-lhes que tomassem medidas imediatas contra a interferência chinesa. Desde que o alarme soou há algumas semanas sobre o extraordinário e sistemático encobrimento chinês da pandemia, causando milhares e milhares de mortes e danos em todo o mundo, o apoio entusiasmado do governo italiano à retórica do governo chinês tornou-se mais discreto do que antes. Resta saber se esses eventos terão um efeito a longo prazo nas políticas italianas pró-China.

Este artigo foi publicado originalmente na Bitter Winter, uma publicação sobre liberdade religiosa e direitos humanos na China.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas