Cuba e Venezuela fecham acordo militar com Rússia

A Rússia, país que outrora apoiou grupos de esquerda na América Latina e no Ocidente em geral, agora firma contratos na área técnico-militar com o regime cubano e venezuelano. Eles acreditam que o único inimigo da ilha é seu aliado atual, os Estados Unidos. Já na Venezuela, além dos sérios problemas econômicos, o país tem dificuldades de manter seguras as fronteiras com os países vizinhos, e no interior existe uma calma tensa, esperando as manobras do regime de Nicolás Maduro diante dos resultados das últimas eleições.

“Com Cuba desenvolvemos projetos em aviação e lhes concedemos um empréstimo para que produzam sua própria energia elétrica”, afirmou ontem (14) o vice-primeiro-ministro russo, Dmitri Rogozin ao canal estatal Rossia. Ele acrescentou que mantém relações de confiança de ordem técnica e militar com o país, por ser um parceiro sério.

“Com a Venezuela, firmamos importantes acordos. Apesar dos problemas que o país enfrenta, é um grande exportador de petróleo” que sofre com o colapso dos preços desse combustível, disse Rogozin.

Leia também:
A criativa abordagem da Itália frente ao terrorismo
Rapaz encontra carta de chinês pedindo socorro dentro de um par de meias
Mauricio Macri ordena saída do canal de propaganda comunista Telesur da Argentina

Em 2015, para a Rússia, “A coisa mais importante não era nos fundirmos quando caíram sobre nós algumas sanções artificiais, limitações absurdamente evidentes para a nossa capacidade de comprar (no exterior) aquilo que precisamos para o nosso desenvolvimento”, disse ele. “Apesar destas sanções, temos mantido um elevado nível de cooperação técnico-militar com outros países”, e temos captado muito dinheiro para o orçamento do país, concluiu Rogozin.

O regime do presidente Putin emprestou cerca de 1,2 bilhão de euros (1,3 bilhão de dólares) para Cuba em equipamentos e dinheiro para a instalação e construção de vários geradores termoelétricos na ilha. O crédito será entregue gradualmente entre 2016 e 2024, e deverá ser devolvido no prazo de 10 anos com uma taxa de juro de 4,5%.

Devemos nos lembrar de que em setembro do ano passado o regime chinês emprestou 5 bilhões de dólares para a Venezuela em espécie e em dinheiro para aumentar a produção de petróleo; a Venezuela vende para a China cerca de 640 mil barris de petróleo por dia, e tem a intenção de pagar o empréstimo ao elevar as vendas para um milhão de barris de petróleo por dia.

 
Matérias Relacionadas