Críticos acusam Twitter de minimizar os protestos cubanos na seção de tendências

Vários líderes republicanos acusaram o Twitter de tentar caracterizar errado os protestos como COVID-19

Por Jack Phillips

Moderadores do Twitter foram acusados ​​de minimizar o impacto dos milhares de manifestantes que saíram às ruas contra o regime comunista cubano no fim de semana.

“As pessoas estão ajudando a aumentar a conscientização sobre o impacto do COVID-19 em Cuba, à medida que os casos atingem um recorde histórico no país”, disse o Twitter como uma descrição dos protestos na noite de domingo e na manhã de segunda-feira.

Vários líderes republicanos acusaram o Twitter de tentar caracterizar errado os protestos como COVID-19, em vez de dizer que eram contra o regime comunista, destacando vídeos de manifestantes cubanos segurando bandeiras americanas, gritando “liberdade” e pedindo o fim do regime e de seu líder Miguel Díaz-Canel, também chefe do Partido Comunista de Cuba.

Milhares de pessoas saíram às ruas em várias partes de Havana e outras cidades, gritando “abaixo Diaz-Canel” e “repressores” às forças de segurança destacadas.

O senador Marco Rubio (R-Fla.) disse que a descrição do Twitter não é inesperada.

“Surreal, mas não surpreendente”, escreveu Rubio na plataforma. O Twitter, acrescentou ele, “diz que tudo se refere à ‘conscientização’ da COVID em #Cuba. Ignore que isso é realmente sobre como o socialismo é um desastre e sempre leva à tirania, desespero e sofrimento”.

“Os protestos em #Cuba não são simplesmente por ‘escassez’”, acrescentou o senador. “O socialismo promete alimentos, remédios e renda garantidos se você abrir mão da liberdade. Quando, como sempre, ele não obedece, você não recupera sua liberdade. É por isso que os manifestantes cantam ‘Libertad’ ”.

José Miguel Vivanco, da Human Rights Watch, disse ao Washington Post que os protestos são “bastante massivos” e provavelmente cobrem uma série de questões.

“Meu sentimento é que é uma combinação de agitação social baseada na falta de liberdade, COVID e condições econômicas. Falta de acesso à eletricidade, Blackouts(…).As pessoas estão gritando por liberdade”, disse ele ao jornal.

Os eventos ocorrem em um momento em que a economia cubana contraiu 10,9% no ano passado e 2% até junho de 2021. A conseqüente falta de dinheiro gerou uma escassez que obrigou os cubanos a ficarem horas na fila para conseguir alimentos básicos.

Na manhã de segunda-feira, Díaz-Canel disse que os manifestantes eram “criminosos comuns” que, segundo ele, atacaram a polícia e saquearam lojas. No dia anterior, ele apelou a “todos os revolucionários do país, todos os comunistas, a saírem às ruas onde quer que essas provocações ocorram”.

Algumas testemunhas disseram que no domingo, no centro de Havana, grupos pró-regime e policiais entraram em confronto com manifestantes antigovernamentais.

“Foi quando as coisas ficaram tensas e violentas”, disse Noel Alonso Ginoris, 26, ao Post. “Eu vi um homem muito perto de mim, um homem mais velho com um suéter azul. Jogaram-no no chão, amarraram-lhe as mãos e detiveram-no porque gritou ‘Liberdade’ ”, acrescentou.

O Epoch Times entrou em contato com o Twitter para solicitar um comentário.

Com informações da Reuters.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas