Sob críticas, aiatolá do Irã palestra em São Paulo sobre terrorismo

O clérigo islâmico Mohsen Araki esteve no Brasil para um evento sobre terrorismo realizado no sábado (29) em São Paulo. Ele participou da palestra ‘Os muçulmanos e o enfrentamento ao terrorismo e ao radicalismo’, no Hotel Wyndham Garden Convention, no bairro Santana, zona norte da capital, a convite do Centro Islâmico no Brasil.

A notícia se espalhou rapidamente pelas redes sociais e atraiu críticas de entidades religiosas e de cidadãos, preocupados com a possibilidade de a visita incentivar o radicalismo.

Conhecido por pregar o ódio aos judeus e apoiar grupos terroristas, Araki á autor de vários livros em que defende explicitamente a destruição do Estado de Israel. Suas ideias já foram publicamente apoiadas pelo atual líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei.

Iraquiano, Mohsen Araki é radicado no Irã, onde é um dos 88 membros da Assembleia dos Especialistas do Irã, que indica o líder supremo e orienta o governo do país, conhecido por perseguir minorias religiosas e apoiar grupos terroristas.

Ele também é suspeito de envolvimento no atentado terrorista contra a associação israelense AMIA, em Buenos Aires, que deixou 85 mortos e 300 feridos em 18 de julho de 1994.

A secretária de Direitos Humanos do Rio de Janeiro, Teresa Bergher, chegou a solicitar o cancelamento da vinda do aiatolá e o hotel chegou a anunciar a suspensão do evento. Apesar do repúdio e da mobilização contrária, porém, o evento foi mantido.

“Terrorismos”

O líder islâmico chamou de “terrorismo” as restrições impostas por Israel à entrada de muçulmanos na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha de Jerusalém, em reação a um atentado terrorista no dia 14 de julho que matou dois policiais israelenses na cidade.

Com forte retórica antiamericana, o clérigo xiita defendeu o regime do ditador sírio, Bashar al-Assad, e acusou os Estados Unidos de “implantar a discórdia no Iraque” e de “patrocinar grupos terroristas” (rebeldes) sunitas pró-Arábia Saudita. “Os dirigentes do Golfo viram a paz na Síria, tiveram inveja e a tiraram deles.”

O aiatolá encerrou seu discurso condenando o terrorismo “que atingiu a França, a Bélgica, deve ser banido esse terrorismo que atinge o mundo inteiro”, em referência aos grupos terroristas específicos por trás dos atentados que mataram quase 200 pessoas na Europa nos últimos dois anos, como o Estado Islâmico.

Também participaram da conferência o embaixador iraniano no Brasil, Seyed Ali Saghaeyan, e o vereador petista de São Paulo Eduardo Suplicy, entre outros.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khameneni (Akkasemosalman)
O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khameneni (Akkasemosalman)

Leia também:
Imigrantes explodem bomba em protesto contra Lei de Migração
Terroristas matam 26 cristãos em ataque no Egito
PCC firma acordo comercial com organização terrorista Hezbollah
Terroristas fazem alianças com políticos latino-americanos e cartéis de drogas

 
Matérias Relacionadas