Crise de segurança alimentar na China é culpa do regime comunista

Em mais de uma década de apavorantes escândalos alimentares, o povo chinês tem visto quase todas as formas de produtos venenosos ou falsos, desde arroz contaminado com cádmio até comida de restaurante feita com óleo de esgoto ou peixe tilápia contaminado com salmonela.

Um inquérito anual do China Youth Daily publicado em março descobriu que, entre vários aspectos da “qualidade de vida”, o público chinês se preocupa mais com a segurança alimentar. De uma lista de problemas que inclui habitação e meio ambiente, 77,3% dos interrogados identificou a segurança dos alimentos como sua maior preocupação.

Então, quem é o culpado por esta aflição crescente que assola a sociedade chinesa?

A resposta óbvia seria os agricultores, fabricantes e processadores de alimentos sem ética procurando lucro rápido. No entanto, o cerne do problema é muito mais profundo. Nos últimos 60 anos, o Partido Comunista Chinês (PCC) tiranizou o povo chinês e deformou os valores tradicionais, substituindo a ética por uma cultura de corrupção, fraude e materialismo egoísta. Com suas políticas desastrosas, o PCC criou um terreno fértil para práticas comerciais imorais e uma falta de normas de segurança alimentar.

Leia também:
5 razões pelas quais Pequim é má escolha para sediar Jogos Olímpicos de 2022
Dezenas de chineses são presos por apresentarem queixas contra ex-presidente
Parlamentares canadenses apoiam ações judiciais que lutam pelos direitos humanos na China

1. O PCC eliminou a responsabilidade moral

Os comunistas tomaram conta da China com base em uma ideologia da luta de classes e de revolução violenta para estabelecer uma “ditadura do proletariado”. O pensamento tradicional confucionista promovia valores morais como benevolência, retidão, virtude, fidelidade e harmonia, mas o PCC extinguiu esses ideais com uma ardente retórica revolucionária.



Este cartaz, apresentado no final de 1966, em Pequim, mostra como lidar com o chamado "inimigo do povo", durante a Revolução Cultural (Jean Vincent / AFP / Getty Images)
Este cartaz, apresentado no final de 1966, em Pequim, mostra como lidar com o chamado “inimigo do povo”, durante a Revolução Cultural (Jean Vincent / AFP / Getty Images)

Depois dos chineses terem sido aterrorizados até a submissão por décadas de luta contra os latifundiários, capitalistas, direitistas, intelectuais e todos os outros “elementos negros”, as pessoas perderam o senso de comunidade e recorreram a todos os meios antiéticos para garantir a sua própria sobrevivência. Alguns até mesmo traíram suas famílias e amigos, designando-os como “inimigos de classe”. Ninguém se atreveu a dizer a verdade por medo de ser humilhado publicamente, torturado ou morto.

Os efeitos da erradicação dos valores morais tradicionais por parte do regime chinês percutiu-se até a época moderna, fazendo com que os produtores e fabricantes de alimentos se concentrem apenas nos lucros materiais e prosperidade individual, e não nas últimas consequências sociais. Para muitos chineses, a mentalidade que impera é a do beneficio próprio, uma luta darwinista em busca de sucesso.

2. O PCC promoveu a rápida industrialização sem se preocupar com a sustentabilidade ambiental

Uma usina térmica é mostrada liberando poluição pesada no ar em Changchun, na província de Jilin, China (STR / AFP / Getty Images)
Uma usina térmica é mostrada liberando poluição pesada no ar em Changchun, na província de Jilin, China (STR / AFP / Getty Images)

Fazendo uso de uma massiva máquina de propaganda, Mao Tsé-Tung, o ditador da China entre 1949 e 1976, promoveu o ateísmo e o materialismo. Ele disse uma vez, “batalhar com o céu é uma alegria sem fim, combater com a terra é uma alegria sem fim, e lutar com a humanidade é uma alegria sem fim”. Este pensamento, aliado à esperança do regime chinês de transformar rapidamente a China em uma superpotência industrial, justificou a industrialização cheia de desperdício e não regulamentada que destruiu o ambiente na China, tornando a produção de produtos agrícolas não contaminados quase impossível. Agora, na China, o ar, a água e o solo estão todos contaminados com gases industriais e produtos químicos perigosos.

Trabalhadores escorrem água poluída, perto da mina de cobre de Zijin, em Shanghang, em 2010 (STR / AFP / Getty Images)
Trabalhadores escorrem água poluída, perto da mina de cobre de Zijin, em Shanghang, em 2010 (STR / AFP / Getty Images)

Dados do governo de 2011 mostram que mais de metade dos grandes lagos e reservatórios da China foram extremamente contaminados por uso humano. E que quase um quinto das terras agrícolas da China está poluída com produtos químicos agrícolas e metais pesados como cádmio e arsênico, segundo o Ministério da Proteção Ambiental e Ministério de Recursos Terrestres da China.

O problema da China se estende muito mais profundamente, envolve uma cadeia complexa de empresários corruptos e materialistas e autoridades comunistas que se preocupam apenas com lucros imediatos, e não com consequências a longo prazo. Eles perdem bilhões de dólares em projetos de grande escala, como o Projeto de Transferência de Água do Sul para o Norte, ou mesmo a Barragem das Três Gargantas, que muitas vezes causam danos ao meio ambiente, sem oferecer benefícios significativos ao povo chinês.

3. O PCC sobrecarrega financeiramente o povo chinês

Alardeando terra para os camponeses e igualdade utópica para todos, os comunistas enfeitiçaram a mente de milhões quando chegaram ao poder. Depois de assassinar centenas de milhares, ou talvez milhões, de proprietários em um programa de reforma agrária em todo o país, eles redistribuíram a terra e criaram cooperativas e comunas populares. O PCC pediu aos camponeses que aumentassem rapidamente a produção e em seguida confiscaram a maioria de seus produtos, deixando-os com baixíssimos rendimentos. Um sistema de registo residencial, em seguida, vetou-os de se mudar para cidades ou de dar aos seus filhos uma educação adequada, rebaixando os camponeses a cidadãos de segunda classe.

Embora as reformas econômicas em 1978 abrissem a economia ao comércio e propriedade privada, as mudanças não melhoraram proporcionalmente os padrões de vida para todo o povo chinês; aqueles com ligações ao poder colheram muito mais riqueza, enquanto o povo comum desfrutou de apenas pequenas melhorias.


Notas de dólares americanos são contadas ao lado de pilhas de notas de banco chinês em um banco em Huaibei, província de Anhui, na China (STR / AFP / Getty Images)
Notas de dólares americanos são contadas ao lado de pilhas de notas de banco chinês em um banco em Huaibei, província de Anhui, na China (STR / AFP / Getty Images)

Depreciando propositadamente o valor da moeda renminbi da China, o regime chinês tornou as exportações chinesas mais competitivas nos mercados do exterior, à medida que a demanda por produtos chineses aumentou devido aos preços mais baratos. A partir de um câmbio de 1,8 yuan para um dólar em 1978, o regime chinês desvalorizou o valor para uma proporção de 8,7 yuan para um dólar em 1997, de acordo com a Brookings, um grupo de análise geopolítica americano com sede em Washington DC. O comércio com o exterior permitiu à economia da China se expandir rapidamente, mas a prática minou os salários dos trabalhadores industriais e camponeses na China, reduzindo o seu poder de compra.

Como resultado, a desigualdade de renda, medida pelo coeficiente Gini que se baseia na renda do mercado antes do pagamento de impostos, cresceu de 0,28 em 1980 para 0,52 em 2013. Devido ao maior crescimento da renda para os ricos e estagnação de rendimentos para os pobres, a China é agora “um dos países mais desiguais do mundo”, de acordo com um documento de trabalho pelo Fundo Monetário Internacional.

Com a grave disparidade econômica da China, algumas pessoas recorreram a meios antiéticos de produção de alimentos para realizar mais lucro.

Leia também:
Quebra da bolsa chinesa elimina poupança de meio milhão de pessoas
Lei tributária chinesa está destruindo trabalhadores de baixa renda
5 razões para não confiar nos produtos ‘orgânicos’ da China

4. Jiang Zemin promoveu uma cultura de corrupção

Alguns pensam que a situação econômica e social da China melhorou nas últimas décadas, após o falecimento de Mao Tsé-Tung e o fim dos movimentos revolucionários de seu tempo. Isso é verdade em alguns aspectos, mas em outros, novos problemas surgiram.

O ex-secretário-geral Jiang Zemin assiste à sessão de encerramento do 18º Congresso Nacional do Partido Comunista da China em Pequim (Feng Li / Getty Images)


O ex-secretário-geral Jiang Zemin assiste à sessão de encerramento do 18º Congresso Nacional do Partido Comunista da China em Pequim (Feng Li / Getty Images)

Quando Jiang Zemin chegou ao poder em 1989, tornando-se o secretário-geral do PCC, ele exacerbou os problemas, promovendo seus parentes para cargos de alto escalão e controlando a mídia estatal para esconder sua corrupção e seus crimes. Ele próprio ganhou poder por meios duvidosos, favorecendo funcionários de nível mais alto para subir rapidamente a escada política. Mesmo depois de ter terminado o seu mandato e Hu Jintao ter assumido o poder em 2002, ele ainda controlava as operações dos bastidores, colocando os seus apoiantes em posições-chave.

Corrupção, peculato, suborno e outras condutas ilegais estão agora desenfreadas na China e atingem todos os setores da sociedade, desde os agentes de segurança locais até o sistema de justiça e homens de negócios com grandes riquezas. Subornos são oferecidos livremente e os reguladores de segurança alimentar permitem que as violações proliferem com a desculpa de que a China é simplesmente muito grande e os seus recursos muito limitados. Quando atividades impróprias de um produtor de alimentos são reveladas, ele suborna as autoridades e os meios de comunicação para encobri-lo.

Uma pesquisa divulgada pelo Pew Research Center em 2014, colocou a China em primeiro lugar em relação ao número de pessoas que acreditavam que os subornos iriam beneficiar suas vidas. E uma pesquisa com mais de 20 mil pessoas de toda a China em outubro 2011, revelou que quase metade dos entrevistados não pensam que um forte sentido ético seja uma condição necessária para o sucesso na sociedade chinesa.

Visto isso, não surpreende que os agricultores adicionem quantidades alarmantes de pesticidas e fertilizantes, e que os produtores de carne misturem carne podre com carne fresca, e que os fabricantes falsamente rotulem alimentos convencionais como orgânicos.

5. Os oficiais do PCC possuem suas próprias fazendas seguras

(Peter Parks/AFP/Getty Images)
(Peter Parks/AFP/Getty Images)

Enquanto o povo chinês sofre em uma sociedade de produtos alimentares tóxicos, funcionários do partidos comunista têm fazendas particulares que produzem alimentos para eles. Enquanto eles não estão consumindo alimentos venenosos, eles têm pouca motivação para lidar com o problema.

Já no tempo de Mao Tsé-Tung, o regime chinês havia criado centros de produção especiais para criar produtos alimentares saudáveis para os funcionários de alto escalão, de acordo com a Rádio Free Asia. A prática cresceu, e agora não só os altos funcionários de Pequim têm o seu próprio produto alimentar, como qualquer funcionário que possua o poder de criar fazendas particulares as construíram secretamente para si mesmos.

O regime chinês sabe que a China tem um problema de segurança alimentar, mas as autoridades se preocupam apenas com o seu próprio bem-estar, ignorando a saúde das pessoas comum. E quando escândalos se tornam públicos, eles tentam aplacar as pessoas com uma declaração ocasional de regulamentações mais rígidas.

6. O PCC se importa apenas com a aparência de prosperidade na China

Na última década, o PCC tem mostrado que só se preocupa em manter a aparência de uma economia próspera, impulsionando o mercado imobiliário de forma imprudente e, recentemente, incentivando chineses ingênuos a investir no imprevisível mercado de ações.

A investigação completa a todas as violações de segurança alimentar  seria imensamente cara e demorada, e causarias massivas interrupções de produção e colheitra de produtos perigosos por toda a China, uma medida prejudicial para a economia chinesa.

Descobriu-se que o leite em pó na China estava contaminado com melamina, um produto químico perigoso para a saúde (AFP / Getty Images)
Descobriu-se que o leite em pó na China estava contaminado com melamina, um produto químico perigoso para a saúde (AFP / Getty Images)

Em muitos casos, eles lidam com o problema simplesmente encobrindo-o. Em 2008, um escândalo estourou quando leite em pó produzido pelo grupo Sanlu, sediado em Shijiazhuang, revelou conter melamina, que foi adicionada para aumentar artificialmente os níveis de proteína. A fórmula adoeceu 300 mil crianças, e matou pelo menos seis com pedras nos rins.

A tragédia era evitável. Antes do escândalo eclodir por todo o país, Ele Feng, um jornalista do Southern Weekend de Guangdong, tinha começado a investigar o leite em pó depois de ouvir relatos de crianças que haviam adoecido. Suas descobertas, no entanto, foram censuradas pelas autoridades que o proibiram de publicar o artigo por causa da proximidade das Olimpíadas de Pequim. A mídia chinesa foi instruída a fazer somente “relatórios positivos” e evitar qualquer notícia desagradável. Um site criado pelos pais das crianças afetadas para chamar atenção ao problema foi bloqueado, e alguns pais que tentaram realizar uma conferência de imprensa foram detidos por agentes da polícia.

Mesmo assim, a notícia se espalhou rapidamente e chegou às primeiras páginas dos meios de comunicação internacionais, levando a uma crise de confiança com produtos lácteos chineses no mercado interno e externo. As autoridades chinesas, percebendo que a notícia não poderia ser contida, reprimiram os criminosos, executando alguns, sentenciando outros a longas penas de prisão, e despedindo os funcionários do governo responsáveis (embora alguns, mais tarde, tenham sido recolocados no poder).

Recentemente, o regime chinês alterou uma lei de segurança alimentar de 2009, acrescentando cinquenta novos artigos que estabelecem penas mais duras para violações, a partir de dia 1º de outubro de 2015. Devido aos problemas estarem profundamente enraizados na cadeia de produção alimentar da China, não é claro se as mudanças terão qualquer efeito.

 
Matérias Relacionadas